Desospitalização de pacientes estáveis pode ser aliada na luta contra a Covid-19

Foto: Gian Galani

Estudo conduzido por pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) apontou que utilizar a terapia antimicrobiana parenteral ambulatorial (OPAT, na sigla em inglês), quando possível, traz benefícios tanto para os pacientes quanto para os hospitais, com significativa economia financeira. O método também aumenta a oferta de leitos, o que em tempos de Covid-19 tem grande valia.

A OPAT consiste na desospitalização de pacientes, internados por diversos motivos, que estão estáveis, mas permanecem na instituição com o objetivo de tratar alguma infecção, para que concluam esse tratamento em casa ou, se necessário, retornem ao hospital apenas para receber a medicação.

“Os pacientes internados em todas as especialidades e que estão clinicamente estáveis são avaliados diariamente pela equipe de OPAT. Quando seu perfil se enquadra para o processo de desospitalização, o paciente é orientado e direcionado para deixar o ambiente hospitalar e retornar aos seus lares e ao convívio familiar”, explica o infectologista Felipe Tuon, professor da Escola de Medicina da PUCPR, que participou do estudo.

O enfermo, então, recebe a medicação para autoministrá-la em sua própria casa ou retorna ao hospital somente para receber a aplicação dos medicamentos, dependendo de cada caso.

Os dados foram coletados entre junho de 2017 e maio de 2020, quando os pesquisadores acompanharam 225 pacientes do Hospital Universitário Cajuru (HUC), localizado em Curitiba (PR) e ligado à PUCPR. Os resultados, de acordo com Gustavo Loesch, um dos responsáveis pela pesquisa, indicaram uma economia próxima de R$ 1 milhão a cada dois anos, além de uma redução no risco de aquisição de novas infecções causadas por bactérias multirresistentes pelos pacientes.

Ainda, o tempo médio de internação por paciente reduziu de 33,5 para 15,7 dias, aumentando a oferta de leitos. Hoje, esses leitos poderiam ser destinados a pacientes com quadros graves de Covid-19.

As conclusões do estudo, intitulado ‘Cost minimization analysis of outpatient parenteral/oral antibiotic therapy at a trauma hospital: Public health system‘, foram publicadas no periódico científico ‘Infection Control & Hospital Epidemiology‘, da Cambridge University Press, editora da Universidade de Cambridge, na Inglaterra.

Planos futuros – Os pesquisadores pretendem expandir o modelo do estudo para outros hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Neste momento, estão sendo trabalhados outros artigos de aprofundamento a respeito do tema, para que tenhamos maior robustez na apresentação de nossa proposta para outros hospitais da rede pública”, diz Loesch.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.