Entenda por que auditoria médica interna é o modelo mais indicado para boa gestão hospitalar

No campo da auditoria médica existem três vertentes bastante conhecidas no mercado: auditoria concorrente interna, retrospectiva e prospectiva. A principal diferença entre elas está no tempo em que ocorrem. Enquanto a auditoria retrospectiva busca analisar as contas e documentos de procedimentos realizados no passado, a modalidade de perspectiva está focada nos acontecimentos futuros, planejando as ações. Já a auditoria médica concorrente interna tem o foco voltado para o presente, trabalha com os acontecimentos em tempo real e in loco nas unidades de saúde.

A principal característica desse modelo é a capacidade de análise apurada dos fatos, uma vez que médicos ou enfermeiros auditores realizam visitas de rotina a hospitais e unidades de saúde para a verificação de atendimento aos pacientes internados. Durante as visitas, o profissional pode conversar com a equipe médica a respeito do tratamento que o beneficiário vem recebendo, bem como buscar informações com a família do paciente sobre o atendimento prestado. A auditoria concorrente tem como principal foco melhorar a qualidade dos serviços de forma rápida e humanizada.

Esse modelo torna mais fácil também o acesso e recebimento das informações necessárias para a realização da parte de auditoria de contas médicas, aumentando a eficácia dos processos de cobranças. Além disso, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) recomenda a prática da auditoria concorrente na Normativa 452 como requisito para a acreditação de operadoras de saúde.

Entre os principais benefícios para quem contrata esse serviço está a redução de custos hospitalares, uma vez que o auditor acompanha de perto toda a evolução do paciente. A humanização é outro destaque positivo, dada a proximidade do auditor com equipe médica e beneficiários, o que demonstra qualidade e comprometimento da operadora de saúde em relação à situação. “A auditoria concorrente interna é, e será por muito tempo, a melhor forma de entendermos como vai a organização da unidade hospitalar. In loco, o auditor pode conversar com a junta médica, falar com a família do paciente internado, analisar os protocolos aplicados, verificar a qualidade do atendimento, entre muitas outras coisas. O papel do auditor é assegurar que o tratamento seja aplicado de maneira correta e no tempo estimado”, explica Waldyr Ceciliano, CEO da True Auditoria, empresa especializada em compliance, consultoria e auditoria em saúde.

De acordo com Ceciliano, para obter sucesso em um programa de auditoria concorrente é essencial que haja integração entre as equipes, transparência nas informações, checagem e revisão de processos, otimização do fluxo de trabalho e, principalmente, consistência nos dados e relatórios enviados. Além disso, ferramentas de tecnologia também agregam valor na hora de desempenhar um bom programa de auditoria interna.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.