Estudo conclui que células-tronco são eficazes para tratamento de dor neuropática

Um estudo publicado pela revista científica “Saúde e Tecnologia” concluiu que as células são eficazes no tratamento de dores. De acordo com os autores, o corpo humano é composto por milhares de células, dentre essas milhares, existem as denominadas células-tronco, que possuem a capacidade de dar origem a diversos tecidos e são responsáveis por formar nossos órgãos.

Diante disso, o artigo comprova que através desse potencial regenerador das células-tronco sobre as células nervosas, as células-tronco desempenham um efeito terapêutico sobre as neuropatias, que são consequências de disfunções ou lesões no sistema nervoso.

“Estudos recentes corroboram que a administração de células-tronco pode levar à redução de dores neuropáticas comportamentais não só em modelos experimentais, mas também com mas também com a neuropatia diabética”, diz trecho do estudo.

O artigo teve como objetivo principal revisar a literatura sobre quais as formas e quais as utilidades  de células-tronco para tratamento de dores neuropáticas. A partir disso, os autores concluíram que existem diversos registros que corroboram os efeitos positivos obtidos no tratamento para dor neuropática utilizando células-tronco transplantadas da medula óssea para diferentes tratamentos de dores, mas ressalta-se que mais pesquisas devem ser feitas sobre o assunto para padronização do tratamento.

Dados do estudo

De acordo com o artigo, os dados pré-clínicos demonstram efeitos positivos das células-tronco para aliviar a dor neuropatia, demonstram também que a dor neuropática periférica é mais responsiva utilizando tratamento com células-tronco do que a dor ocasionada por lesão central como por exemplo a lesão medular. O tratamento nem sempre é capaz de conferir efeitos positivos quanto à recuperação motora dos pacientes, indicando que existem outros mecanismos subjacentes condicionando esses diferentes efeitos. É ressaltado também como o tratamento com células-tronco tem uma resposta rápida e duradoura quanto ao alívio da dor.

O estudo foi realizado pelo médico ortopedista Luiz Felipe Chaves Carvalho e pelo PhD em neurociências Fabiano de Abreu Agrela, ambos membros da Logos University International.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.