Estudo mostra que imunização de bebês e crianças com vacina quadrivalente pode reduzir impactos da influenza

Um estudo recente publicado no periódico britânico BMC Public Health e conduzido por experts internacionais e nacionais, entre eles, o infectologista brasileiro Expedito Luna, do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP), revelou efeitos positivos da imunização infantil contra a influenza por meio da vacina quadrivalente. Segundo o levantamento “Impact of quadrivalent influenza vaccines in Brazil: a cost-effectiveness analysis using an influenza transmission model”, a adoção da vacina com proteção ampliada para o público infantil, que protege contra quatro tipos de vírus, poderia prevenir mais de 407 mil casos sintomáticos da doença, mais de 11 mil hospitalizações e quase 400 mortes por ano em relação à vacina disponível atualmente, com proteção trivalente¹. Além disso, a cobertura poderia provocar uma economia incremental de mais de R$ 17 milhões ao ano ao sistema público de saúde, evitando custos diretos relacionados ao tratamento dos casos¹.

Os dados divulgados também mostram que a ampliação das cepas na cobertura vacinal, hoje trivalente, pode trazer reflexos expressivos nos contextos epidemiológico e econômico da enfermidade no Brasil. Além de prevenir casos, hospitalizações e mortes, diminui o custo gerado com atendimento e tratamento e contribui para redução das taxas de absenteísmo e presenteísmo.

A imunização de crianças gera uma imunidade de rebanho, reduzindo o risco global da população contrair a doença. As crianças não só aumentam a circulação do vírus, como o transmitem por mais tempo que os adultos³ – entre 7 e 10 dias – o que impacta diretamente na quantidade de casos.

Mesmo sendo subestimada, a gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório com grande potencial de transmissão e responsável por altas taxas de hospitalização no país². As complicações mais comuns são quadros de bronquite e bronquiolite, pneumonias bacterianas secundárias e risco de ataque cardíaco, que aumenta em até 10 vezes com a infecção4. Em casos mais graves, pode levar à morte.

A OMS estima que anualmente ocorrem 3 a 5 milhões de casos graves e 290.000 a 650.000 mortes por ano no mundo pela influenza7. No Brasil, dados do Ministério da Saúde mostram que, em 2019, o país registrou mais de 1.100 óbitos causados pela doença5. A vacinação é a forma mais eficaz de prevenção contra a influenza³, além de reduzir em até 45% o risco de ataques cardíacos.6

Por que é importante se vacinar anualmente?

As mutações sofridas pelo vírus da influenza fazem com que a composição da vacina para a doença passe por alterações anualmente, o que resulta na necessidade de imunização todos os anos contra o vírus. A partir do monitoramento das cepas em maior circulação ao redor do mundo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) faz sua recomendação, definindo a composição da vacina para os Hemisférios Sul e Norte, priorizando combater as mutações mais frequentes e perigosas do vírus.

Para 2021, a OMS acaba de recomendar as cepas que irão compor o imunizante: H1N1, H3N2, linhagem B/Victoria e linhagem B/Yamagata. A rede pública, por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI), disponibiliza a vacina trivalente, que conta com duas cepas A e uma B. Já a rede privada oferece a vacina quadrivalente, que contém uma cepa B adicional e oferece proteção ampliada contra mais um subtipo.

Apesar de ambas as vacinas serem seguras e eficazes de acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)², a proteção quadrivalente proporciona ganho superior ao cobrir as duas linhagens B do vírus da gripe. Na versão trivalente, há o risco de contágio por linhagens que podem estar circulando em menor volume, já que não consideram a cepa da temporada.

Referências

  1. Crepey, Boiron, Araujo et al., 2020. Impact of quadrivalent influenza vacines in Brazil: a cost-effectiveness analysis using an influenza transmission model. Disponível em: bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12889-020-09409-7. Acesso em 15/09/2020.
  2. Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim). Disponível em: familia.sbim.org.br/vacinas/vacinas-disponiveis/vacina-gripe-influenza. Acesso em 15/09/2020.
  3. Ministério da Saúde. Disponível em: saude.gov.br/saude-de-a-z/gripe. Acesso em 15/09/2020.
  4. Kwong et al., 2018. NEJM; Warren-Gash C, et al. Eur Respir J. 2018-51
  5. Ministério da Saúde. Disponível em: www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46624-8-7-milhoes-de-idosos-ja-foram-vacinados-contra-a-gripe-no-pais. Acesso em 15/09/2020.
  6. Macintyre et al., 2016. Heart.
  7. Boletim Informativo: SVS – Influenza (Gripe) – Semana Epidemiológica (SE) 32. Disponível em: www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=2970:boletim-informativo-svs-influenza-gripe-semana-epidemiologica-se-32&Itemid=463. Acesso em 16/9/2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.