Estudo revela tendências na digitalização do Brasil pós Covid-19

90

Estamos melhor preparados para enfrentar desafios futuros e o ‘novo normal’ será digital, é o que aponta o estudo da Cisco realizado pela Deloitte denominado ‘Digitalização, Resiliência e Continuidade dos Negócios: o que aprendemos com a pandemia da COVID-19’. O levantamento, baseado em entrevistas com representantes dos setores público e privado, fontes públicas e uma pesquisa primária, está sendo lançado nesta semana e traz dados inéditos sobre como os impactos da pandemia tornaram os brasileiros mais resilientes e digitalizados em quatro setores avaliados − educação, justiça, saúde e governo −, levando em consideração sempre três fatores: ‘nível de resiliência’, ‘fatores aceleradores’ e ‘fatores inibidores’.

A análise revela ainda uma série de megatendências que devem influenciar o modo de vida do brasileiro frente ao ‘novo normal’ nos próximos anos, como os caminhos da telemedicina e do ensino a distância, o uso de inteligência artificial no judiciário, e até mesmo a oferta do governo para acesso a sistemas digitais integrados em diversas esferas.

O estudo conduzido pela Deloitte integra o programa global de aceleração digital da Cisco, que consiste em ajudar o País a se preparar para uma nova era de hiper conectividade e economia digital, além de apoiá-lo na recuperação social e econômica, à medida que entrar em uma nova realidade pós-pandemia.

“Esse estudo é de extrema relevância para todos, governo, empresas e a sociedade em geral, pois ajuda a termos um melhor entendimento de como a tecnologia e as plataformas digitais nos apoiaram no enfrentamento da crise da Covid-19 e a manter os negócios e serviços públicos. Precisamos nos preparar para uma nova realidade digital e este estudo, uma contribuição da Cisco para o país, visa compartilhar algumas reflexões e propostas para juntos construirmos um Brasil mais resiliente, digital e mais inclusivo”, explica Rodrigo Uchoa, Head de Novos Negócios e Digitalização na Cisco Brasil.

“O estudo consolida uma visão muito abrangente sobre como a pandemia da Covid-19 impactou esses quatro segmentos analisados no âmbito da digitalização. Ao mesmo tempo, ele captura a maneira pela qual os agentes desses mesmos setores vêm reagindo ao novo contexto trazido pela pandemia, ao desenvolver alternativas que levam, de modo geral, a uma transformação acelerada de tecnologias, processos e interações”, descreve Heloisa Montes, sócia-líder de Consultoria em Estratégia e Inovação da Deloitte, responsável técnica pelo estudo. “Crises como esta que hoje vivenciamos acabam geralmente impulsionando mudanças de mentalidade e, a partir delas, abre-se espaço para inovar na busca de soluções”, destaca.

O estudo pode ser acessado na íntegra neste hiperlink.

Saúde

A liberação completa da telemedicina durante a pandemia, aliada à ampla disponibilidade de soluções no cenário brasileiro de tecnologia em saúde, foram essenciais para facilitar a adoção de recursos tecnológicos no setor e garantir sua continuidade. O aumento acentuado de teleconsultas tornou a telemedicina uma ferramenta de apoio à continuidade dos serviços de saúde durante o período.

Esse movimento abre espaço para a tendência de que, nos próximos anos, a medicina a distância seja potencializada por outras tecnologias, como dispositivos vestíveis que monitoram a saúde de pacientes, crescimento de mercado das ‘health techs’ e redução de gastos de saúde ao priorizar acompanhamentos e cuidados básicos.

Metodologia

O estudo “Digitalização, Resiliência e Continuidade dos Negócios: o que aprendemos com a pandemia de COVID-19” foi desenvolvido com base em entrevistas com especialistas dos setores público e privado. Além disso, contou com uma pesquisa secundária − a partir de notícias, relatórios, dados públicos e diversas análises acadêmicas sobre como os brasileiros lidaram com a pandemia, em comparação a outros países, e como a aceleração da digitalização ajudou a manter o funcionamento de muitos serviços essenciais. O estudo contou, ainda, com uma fonte primária, que consistiu em pesquisa online para coletar insights a partir de respostas de alunos, pais, médicos e pacientes dos setores de saúde e educação. No total, foram mais de 700 entrevistados durante o mês de julho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

11 − 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.