FenaSaúde e GNDI fazem comunicado à sociedade

A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), da qual o Grupo NotreDame Intermédica é uma das operadoras associadas, divulgou o comunicado abaixo, com um importante posicionamento sobre o momento atual no combate à Covid-19. Leia e fique informado:

O Brasil está diante de novo recrudescimento da Covid-19, em virtude da disseminação das variantes Ômicron e Delta, que já alcançam parcela expressiva da população. O crescimento exponencial de atendimentos nas emergências públicas e privadas, e também via telemedicina, além da escalada da busca por testes de diagnóstico e antígenos, reativam desafios já conhecidos. Dentre eles, o aumento do tempo de espera por atendimento e pela realização de exames. Não bastasse a explosão da demanda, o sistema de saúde como um todo enfrenta a perda temporária de profissionais de saúde diagnosticados com Covid-19, contribuindo para o agravamento dos problemas já descritos. Diante desse cenário, a assistência de saúde de qualidade, o engajamento coletivo e a responsabilidade individual serão, mais uma vez, chave para superarmos mais esta etapa da pandemia.

Levantamento da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) com 33 hospitais revelou que 88% registraram aumento de casos positivos de Covid-19 e de Influenza em suas instituições na primeira semana de janeiro. O aumento no número de casos de Covid-19 foi, em média, de 655% desde dezembro de 2021, sendo que algumas instituições relataram aumentos maiores que 1000%. Já o crescimento no número de casos de Influenza foi, em média, de 270%.

Muitas são as lições aprendidas até o momento, que renovam nossa confiança em encarar mais este difícil momento. Apesar da alta taxa de transmissibilidade atual, a expansão da imunização e suas doses de reforço já acarretam sintomas mais brandos, que afastam momentaneamente o risco de colapso e carência de leitos de UTI. Adicionalmente, a telemedicina e as consultas médicas fora do ambiente hospitalar, apesar de também sobrecarregadas e com longo tempo de espera, são aliadas importantes para evitar a lotação e o risco de contágio em prontos-socorros, dando suporte relevante a milhares de pacientes com sintomas leves.

Como representantes das operadoras de planos e seguros de saúde do país, reforçamos nosso compromisso com o atendimento integral de 48,7 milhões de beneficiários. Nossa missão é, mais uma vez, preservar vidas. Para isso, é importante que medidas preventivas sejam rigorosamente observadas, que o distanciamento social seja respeitado, que a vacinação continue a avançar e que o sistema de saúde seja utilizado de forma consciente. Cada um de nós deve fazer sua parte nessa missão.

Telemedicina

Durante a pandemia, a telemedicina tem sido uma importante aliada para orientação dos pacientes e para proteção à exposição desnecessária dentro de ambientes como hospitais, que devem ser utilizados para o atendimento de pessoas com sintomas mais severos. Nos atendimentos via telemedicina também são disponibilizados atestado médico, receituário e pedidos de exames diagnósticos para Covid-19 e outras enfermidades. No Brasil, mais de 5,1 milhões de consultas já foram realizadas via telemedicina, desde o início da pandemia, aponta a Abramge.

Vacinação

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) alerta que é crucial que as pessoas se vacinem o mais rápido possível para se proteger contra a forma grave da Covid-19 e evitar que os hospitais fiquem lotados, especialmente se planejam viajar. À medida que a vacinação avança, os índices de mortalidade diminuem, mas não se deve relaxar. Um estudo do Instituto de Infectologia Emílio Ribas acompanhou 1.172 pacientes internados por complicações de Covid-19 no estado de São Paulo e concluiu que nove, em cada dez, não tinham completado a vacinação. Já o número de óbitos pela doença foi quase 15 vezes maior entre os não imunizados.

Higienização

A maioria das infecções associadas a cuidados de saúde podem ser prevenidas com a correta higienização das mãos, ou seja, a limpeza das mãos nos momentos corretos, e da forma correta. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a limpeza frequentemente das mãos com água e sabão ou com um produto para esfregar as mãos à base de álcool.

Uso de máscaras e distanciamento social

As medidas continuadas de saúde pública junto com a vacinação também são fundamentais para reduzir a propagação do vírus. Isso inclui o uso de máscara, distanciamento físico e evitar grandes reuniões, especialmente em ambientes fechados. A OMS recomenda manter um distanciamento de 1 metro das outras pessoas, mesmo que elas não pareçam estar doentes, pois podem ter o vírus sem apresentar sintomas.

Informação

A consulta aos órgãos oficiais de saúde é essencial para prevenir a desinformação. Da mesma forma, as operadoras de planos de saúde oferecem para seus beneficiários canais oficiais para direcionamento adequado e informações sobre a rede credenciada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.