Governo suspende vacinação de adolescentes sem comorbidades e leva famílias à insegurança

O Programa Nacional de Imunizações (PNI) previa o início da vacinação para a faixa etária de 12 a 18 anos sem comorbidade, com a aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) que, de forma muito correta, fez avaliação detalhada de toda a literatura médica e mostrou que os poucos riscos associados à vacina valem o benefício da vacinação.

“Infelizmente, tivemos um grande impasse e informações confusas no portal do Ministério da Saúde, nestes últimos dias, causando grande comoção e um verdadeiro Fla x Flu nas redes sociais, entre grupos favoráveis e contrários à aplicação da vacina em adolescentes. E a entrevista coletiva do Ministro da Saúde, que deveria ajudar a acalmar ânimos e esclarecer dúvidas, não deixou a população mais tranquila”, lamentou o médico.

A decisão tomada foi a de tirar, temporariamente, este grupo de adolescentes sem comorbidades do PNI, indo na contramão da recomendação da ANVISA, da Sociedade Brasileira de Pediatria, da Sociedade Brasileira de Imunizações e de outros órgãos verificadores de diversos países, baseando-se, teoricamente, na recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Telles fez questão de vir a público para acalmar os pais e familiares que ficaram desconfiados e preocupados com a segurança da vacina. No vídeo, ele explica de modo detalhado porque as famílias que já vacinaram ou pretendiam vacinar os seus filhos têm amplos motivos para sentirem-se confiantes quanto ao imunizante.

“A informação que todos os bons profissionais da área da saúde deveriam passar, agora, para vocês é simples: SIM! A vacina é segura, é eficaz e vai ser feita para esta faixa etária. Se você vacinou o seu filho, fique tranquilo. Se não vacinou, logo chegará a vez dele”, atesta.

Críticos da decisão – A grande contradição na decisão tomada pelo governo está no fato de que, se não fosse segura, a vacina não teria sido mantida para os adolescentes com comorbidades: “Se realmente existissem riscos maiores que os benefícios, nem mesmo este grupo deveria estar liberado para ser imunizado”. Outros fatores: não ficaram claros os reais motivos da suspensão, e a decisão não parece ter sido feita em concordância com as equipes de especialistas do PNI.

A Sociedade Brasileira de Imunizações também emitiu nota afirmando que entende que a população de maior risco deve ser priorizada, mas não concorda no recuo do Ministério da Saúde em relação à vacinação de adolescentes, porque gera receio na população e abre espaço para fake news. Reitera a importância das vacinas para toda a população como principal meio de evitar os riscos da doença e suas sequelas, associando à vacinação a melhora no cenário epidemiológico do país. E termina lembrando que não há evidências científicas para essa decisão de interromper a vacinação de adolescentes, sugerindo que o processo seja retomado pois já foi avaliado, liberado e indicado pela Anvisa. “A vacinação é um dos fatores, senão o principal, que colaborou para essa melhora. Vacinar os adolescentes pode contribuir ainda mais. Não há evidências científicas que possam justificar a decisão de interromper a vacinação de adolescentes, com ou sem comorbidades. A verdade é que a afirmação do ministro, nesse pronunciamento, foi inconsistente”, resume o pediatra em seu pronunciamento nas redes sociais.

Já a Sociedade Brasileira de Pediatra, em comunicado oficial, recorda que apesar de chegar a 5% os casos de Covid-19 em crianças, elas não estão isentas de desenvolver as formas graves da doença, além de apresentar casos de Covid-19 longa e consequências que envolvem problemas cognitivos relacionados ao aprendizado. Afirma que o Reino Unido, recentemente, passou a recomendar a vacina para adolescentes e que as decisões unilaterais, como essa do Ministério, não contribuem para o sucesso do Plano de Imunização do país. Finaliza lembrando que a vigilância quanto a eventos adversos deve ser contínua para todas as idades, para, assim, continuar atestando a segurança e o perfil do risco benefício das vacinas contra a doença.

Após avaliar os dados apresentados na coletiva do Ministério da Saúde, Telles ainda comentou os eventos adversos da vacina, que, por definição, são qualquer reação não prevista pós-vacina e podem ser graves e não graves.

Segundo levantamento Sistema Único de Saúde (SUS): foram 3.538.52 os adolescentes vacinados, destes 3.519.20 receberam uma dose e 19.315, duas doses. “O principal efeito adverso apresentado está relacionado a erro de imunização. Sabe o que é isso? Aplicaram, pasmem vocês, vacinas erradas, não liberadas para esta faixa etária, como Coronavac, AstraZeneca e Janssen”. Ou seja, efeitos adversos ocorreram porque não foi a vacina Pfizer a aplicada naqueles casos. Ele cita o caso do adolescente, no estado de São Paulo, que teve morte com relação temporal à vacina, mas recorda que não há ainda relação comprovada. O caso está em investigação rigorosa, mas, até o momento, não se estabeleceu relação causal direta.

Miocardite – A principal preocupação das pessoas são os casos de miocardite associada à vacina. Nesse aspecto, Telles recordou a frase do ministro Queiroga durante a entrevista coletiva: “a miocardite que a Covid-19 provoca é muito mais gravosa que a EVENTUAL miocardite provocada pela vacina”.

A incidência de efeitos adversos como a miocardite é de 16 para cada 1.000.000 de pessoas que recebem as duas doses, e é extremamente rara e muito inferior ao risco da própria Covid-19. No vídeo, ele retoma os dados da Anvisa que atestam a segurança da vacina Pfizer para adolescentes e explica que não há lógica na suspensão: “Conseguiria ver lógica nessa decisão se a recomendação do Ministério da Saúde fosse a de parar temporariamente a vacinação nos adolescentes até que todos os adultos tivessem recebido as duas doses e os idosos, a terceira dose. Mas dizer que é necessário avaliar melhor os dados é um equívoco”, indica.

Telles ressalta que não podemos comparar a situação do Brasil ao Reino Unido, por exemplo: “O Reino Unido nunca disse que não irá vacinar crianças de 12 a 15 anos. O que houve foi um aconselhamento neste sentido por um dos órgãos do governo levando-se em conta os números que eles têm, que são completamente diferentes dos nossos, aqui, no Brasil. Lá, aconteceram 3 mortes por milhão na população abaixo de 21 anos. Nos Estados Unidos, 5,8 mortes por milhão. E, no Brasil, 43 mortes por milhão na população abaixo de 19 anos. Sem falar na possível subnotificação que podemos ter tido aqui no nosso país”.

Outros países – Muitos países estão vacinando seus adolescentes: Alemanha, Canadá, Bahrein, Chile, Cuba, Estados Unidos, Equador, França, Hungria, Israel, Itália, México e Portugal. “A União Europeia autorizou o uso de vacinação para crianças de 12 a 15anos. Todos eles fizeram como a Anvisa, avaliação detalhada de toda literatura médica, e a vacina foi aprovada pelo órgão regulador responsável desses países”, explica Telles, que acredita ser a vacina o meio mais eficaz e necessário para proteger as crianças e para que possamos seguir melhorando nosso cenário epidemiológico.

Vacinas sim! – A opinião de Telles é de que deveríamos otimizar o uso de todas as vacinas no Brasil. “Já está bastante claro que para minimizar ao máximo a circulação viral deve-se proteger o maior número de pessoas de qualquer faixa etária e, assim, ajudar a evitar o surgimento de novas variantes. Para conseguir a tão falada imunidade de rebanho, precisaremos vacinar crianças e adolescentes para atingirmos a taxa máxima de pessoas vacinadas e reduzir a circulação e a taxa de transmissão comunitária”, reitera.

As diversas formas clínicas da doença e os efeitos da Covid longo são muito ruins. “Daí a necessidade de retomar a vacinação de adolescentes sem comorbidades, porque ainda estamos no meio da pandemia, e uma medida inoportuna e imprevista como essa não foi tomada com base em argumentos sólidos, até o momento, que contraindicassem a vacina em adolescentes! Sigamos a ciência: cuidemos de nossas crianças e adolescentes! Vacinas sim!”, concluiu o pediatra ao falar aos seus seguidores e familiares de seus pacientes.

Infectologistas falam sobre vacinação de adolescentes sem comorbidades

Nos últimos dias, a suspensão da vacinação contra Covid-19 entre os adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades e dúvidas sobre esse tema deixaram pais com muitas inquietações sobre o assunto. Infectologistas pontuam que a vacinação entre os jovens é importante e o processo está sendo feito de forma segura, avaliando os casos de reações – que se mostram muito raros.

A infectologista que atua na S.O.S. Vida em Salvador, Monique Lírio, destaca que, primeiramente, por mais que seja verdadeiro que os adolescentes e crianças com Covid-19 evoluam muito melhor que os idosos e costumem se recuperem, há casos de jovens que ficam muito doentes e acabam hospitalizados.

“Além disso, por mais que crianças e adolescentes tenham quadros menos severos, eles podem transmitir o vírus para contatos próximos. A vacinação, portanto, ajudaria a bloquear um pouco essa transmissão comunitária do Coronavírus. Outro benefício da vacinação dos jovens é manter as escolas abertas. É preciso fazer de tudo para que esse ambiente seja seguro e a educação seja retomada”, opina a médica.

Para o infectologista Matheus Todt, da S.O.S. Vida de Aracaju, a vacinação de adolescentes pode colaborar no controle da pandemia. “Apesar de ser um público menos acometido por formas graves, embora também possam manifestar formas graves ou mesmo morrer por Covid-19, eles representam um fator muito importante de propagação da doença. Vacinar essa faixa etária pode, sim, ajudar no controle da pandemia, além de evitar internações e mortes dos mais jovens”, opina Matheus.

Em relação aos efeitos adversos da vacinação entre os mais jovens, Monique salienta que o principal risco que vem sendo avaliado é o de miocardite ou pericardite, que são tipos de inflamação que acometem o coração. Ela comenta que foi observado um ligeiro aumento na frequência dessa condição entre os mais jovens após o início da vacinação, mas é importante dizer que esses casos de inflamação são raríssimos e, na maioria das vezes, foram leves e se resolveram rapidamente.

“Como destaca o próprio site do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, as vacinas são seguras e eficazes nessa faixa etária e seus potenciais benefícios superam, de longe, qualquer efeito colateral. O CDC descreve que os sintomas pós vacinação são dor e vermelhidão no braço, cansaço, dor de cabeça, calafrios, febre e náuseas. Nem todas as pessoas sentem os incômodos, e, mesmo naquelas que apresentam esses efeitos colaterais, o quadro costuma ser leve e dura poucos dias”, reforça.

A infectologista opina ainda que não há dúvida de que o maior objetivo com a vacinação agora é reduzir os casos graves, as hospitalizações e as mortes, por isso a proteção de adolescentes deve acontecer se houver vacinas suficientes para suprir os grupos de maior risco.

NOTAS:

Nota técnica sobre a Vacinação Covid em Adolescentes no Brasil

O Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid_AMB (CEM Covid AMB), em consonância com as sociedades médicas que o compõe, comunica preocupação sobre a Nota Informativa Nº 1/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/Ministério da Saúde de 15/09/2021, documento que indica interrupção da vacinação Covid em adolescentes sem comorbidades. A imunização nesse grupo já havia sido iniciada há algumas semanas em diversos municípios e estados do Brasil, sendo que mais de três milhões de cidadãos adolescentes na faixa etária entre 12 a 17 anos já receberam a primeira dose do imunizante Pfizer, único com registro na Anvisa e aprovado em bula para essa população.

O CEM Covid AMB, com o objetivo de contribuir para a discussão técnico-científica sobre a vacinação de adolescentes entre 12 a 17 anos no Brasil, esclarece que:

  1. Eficácia e Segurança: órgãos regulatórios nacionais e internacionais como a ANVISA e o FDA aprovaram a vacina Covid da Pfizer em adolescentes, decisão baseada em rigorosos ensaios clínicos randomizados que incluíram milhares de voluntários, que demonstraram eficácia em termos de imunogenecidade em indivíduos que receberam duas doses desse imunizante. No tocante à segurança dessa vacina, a incidência e gravidade dos potenciais eventos adversos evidenciados nesses estudos foram não significativos quando comparados aos benefícios da proteção conferida pelo imunizante.

Não se justificam, portanto, os argumentos genéricos presentes na Nota Informativa Nº 1/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/Ministério da Saúde de 15/09/2021 que questionam e eficácia dos ensaios clínicos randomizados no tocante aos evidentes benefícios da vacinação nessa faixa etária.

Da mesma forma, não se justifica questionar a segurança desse imunizante baseado em supostos casos de eventos adversos pós-vacinais pontuais, ainda mais em situações que estão em investigação em andamento, sem que esteja estabelecida a relação de nexo causal.

No que se refere especificamente ao evento adverso miocardite, sua incidência é extremante rara (16 casos/milhão de pessoas que recebem duas doses da vacina), geralmente leve, e inferior ao risco da própria Covid-19.

  1. Organização Mundial de Saúde (OMS): ao contrário da Nota Informativa Nº 1/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/Ministério da Saúde de 15/09/2021, a OMS recomenda a vacinação de adolescentes entre 12 a 17 anos sem comorbidades, desde que obedecida a priorização da imunização de outros grupos mais vulneráveis.
  2. Evolução Clínica da Covid em Crianças e Adolescentes: apesar de relativamente à outras faixas etárias a Covid-19 ser de menor gravidade em crianças e adolescentes, o Brasil já acumula mais de 2.000 óbitos desde o início da Pandemia em menores de 18 anos, número muito superior ao total de mortes nessa população quando se observa outras doenças imunopreveníveis.
  3. Cenário Epidemiológico no Brasil: ao contrário do que a Nota Informativa Nº 1/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/Ministério da Saúde de 15/09/2021, a melhora do cenário epidemiológico no Brasil não justifica interrupção da vacinação em adolescentes, e sim justamente o inverso, o avanço no controle da Pandemia no país se deu única e exclusivamente por finalmente, depois de um lamentável atraso, estarmos realizando uma vacinação ampla e rápida da população, incluindo milhões de adolescentes.

Portanto, levando em consideração os pontos acima, o CEM Covid AMB recomenda manter a vacinação Covid em adolescentes no Brasil, e lamenta o conteúdo da Nota Informativa Nº 1/2021-SECOVID/GAB/SECOVID/Ministério da Saúde de 15/09/2021, que colabora para a desinformação e insegurança em relação à vacinação no país.

CEM COVID_AMB, 17 de setembro de 2021

Posicionamento da ASBAI sobre a suspensão da vacinação contra a Covid-19 de adolescentes entre 12 e 17 anos sem comorbidades – 16/09/2021

A Covid-19 (coronavirus disease 2019) causada pelo SARS-CoV-2 (severe acute respiratory syndrome coronavírus-2) foi declarada uma pandemia pela OMS em 11 de março de 2020 e tem sido uma catástrofe que assola o mundo com efeitos devastadores na saúde pública, economia e sociedade. Vivenciamos não apenas a pandemia de Covid-19, mas também uma infodemia. Existem muitas publicações importantes, mas outras discordantes, polêmicas e inconclusivas, além da disseminação de informações falsas, irresponsáveis ​​e oportunistas pelo mundo. Nesse contexto a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia publica seu posicionamento em relação à administração de vacinas contra a Covid-19 em adolescentes entre 12 e 17 anos. 1

O desenvolvimento das vacinas mostrou-se uma das mais bem-sucedidas e econômicas medidas de saúde pública, no sentido de prevenir doenças e salvar vidas. Desde a última metade do século 20, doenças que antes eram muito comuns tornaram-se raras no mundo desenvolvido, devido principalmente à imunização generalizada. Centenas de milhões de vidas foram salvas e bilhões de dólares poupados em saúde pública2

Vários países ao redor do mundo estão desenvolvendo e implementando vacinas Covid-19, e um dos principais tópicos de interesse é a sua segurança. 3

Como todos os imunobiológicos, as vacinas Covid-19 passam por um rigoroso processo de testes em várias etapas, incluindo grandes ensaios clínicos que envolvem dezenas de milhares de pessoas. Esses ensaios são especificamente projetados para identificar quaisquer eventos adversos que comprometam a segurança da vacina testada. 3

O registro sanitário de um produto imunobiológico é a demonstração documentada de sua segurança, eficácia e qualidade. Portanto, antes da concessão do registro sanitário, é realizada avaliação criteriosa de um conjunto de documentos relacionados a estudos clínicos e de estabilidade, processos e procedimentos de fabricação e controle de qualidade, modelo de bula e rotulagem, além da verificação do cumprimento das boas práticas de fabricação2.

Vacinação segura significa toda política, ações e procedimentos em saúde pública relacionados à administração de vacinas, com a finalidade de minimizar os riscos de transmissão de doenças e de maximizar a efetividade das vacinas. Engloba todo o espectro de eventos desde a produção de uma vacina até a sua correta administração. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), farmacovigilância é a ciência relativa à detecção, à avaliação, à compreensão e à prevenção dos efeitos (eventos) adversos ou quaisquer problemas relacionados a medicamentos. A avaliação contínua do risco/benefício e a gestão de risco são partes integrantes do processo da farmacovigilância de vacinas. 2

Milhões de pessoas receberam com segurança as vacinas Covid-19. Todas as vacinas aprovadas foram cuidadosamente testadas e continuam a ser monitoradas. 3

Em relação às crianças e adolescentes, a OPAS recomenda medidas para protegê-los dos efeitos indiretos e diretos da pandemia, já que foram reportados mais de 1,9 milhão de crianças e adolescentes infectados pela Covid-19 em 20214. No dia 02/09/2021, o Ministério da Saúde recomendou a ampliação da vacinação para adolescentes entre 12 e 17 anos de idade.

A pandemia da Covid-19 tem impacto com maior gravidade em adultos acima de 60 anos de idade, particularmente naqueles com comorbidades, tais como: hipertensão arterial, diabetes mellitus, asma, tabagismo, obesidade e doenças com imunossupressão. No entanto, crianças e adolescentes infectados, apesar de apresentarem preferencialmente formas assintomáticas, leves ou moderadas da doença, podem desenvolver manifestações clínicas exuberantes e graves como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P), além de serem capazes de transmitir a infecção. 4,5  Até 7 de agosto de 2021, segundo o MS, 0,35% dos óbitos por SRAG relacionadas à Covid-19 ocorreram na faixa etária entre 1 e 19 anos. De julho de 2020 a agosto de 2021 o MS confirmou 1204 casos de SIM-P e com uma taxa de mortalidade de 6,1%6,8.

Na Nota Técnica Nº 1057/2021-CGPNI/DEIDT/SVS/MS), publicada em 15/09/21, o Ministério da Saúde afirma “que o risco/benefício da vacina é altamente favorável, uma vez que o risco da doença Covid-19 na ausência da vacinação e o desenvolvimento de formas graves é maior do que a baixa probabilidade da ocorrência de um EAPV. Além disso, informa que os episódios de miocardite/pericardite, com provável associação à vacina ocorreram de forma leve e com boa evolução clínica. E conclui: “Assim, mantém-se a recomendação de vacinação para toda população com indicação para o imunizante, principalmente pelo risco da doença Covid-19 e suas sequelas superarem o baixo risco de um evento adverso pós-vacinação5. Na mesma data, de maneira contraditória, o MS recomendou a suspensão da vacinação de adolescentes sem comorbidades alegando carência de evidências científicas robustas em relação à segurança da vacina da Pfizer nesta faixa etária7.

Informamos que a ANVISA aprovou a utilização da vacina da Pfizer para crianças e adolescentes entre 12 e 15 anos, em 12 de junho de 2021. Para essa aprovação, foram apresentados estudos de fase 3, dados que demonstraram sua eficácia e segurança5.A administração da vacina Comirnaty em adolescentes de 12 anos ou mais está autorizada e vem ocorrendo em diversos países5.

Para as conclusões sobre eficácia, foram considerados 1.972 adolescentes vacinados. A eficácia da vacina observada foi de 100% para indivíduos com ou sem evidência de infecção prévia por Sars-CoV-2, antes e durante o regime de vacinação5.

No que diz respeito à segurança e, mais especificamente, a eventos cardiovasculares, foram observados casos muito raros (16 casos para cada 1 milhão de vacinados) de miocardite e pericardite após vacinação. Os casos ocorreram com mais frequência em homens mais jovens, após a segunda dose da vacina e em até 14 dias após a vacinação. Foi observado que, geralmente, são casos leves e os indivíduos tendem a se recuperar dentro de um curto período após o tratamento padrão e repouso. Não houve relatos de casos de infarto. Os alertas sobre potenciais ocorrências de miocardites e pericardites foram incluídos em bula, após as ações de monitoramento realizadas pela Anvisa5. A incidência de eventos adversos graves como miocardite é extremamente baixa e inferior ao risco da própria Covid-19.

A ANVISA investiga o caso da morte de uma adolescente de 16 anos após aplicação da vacina da Pfizer. Até o presente o momento, não foi estabelecida uma relação causal entre este óbito e a administração da vacina. A Agência já iniciou a avaliação e a comunicação com outras autoridades públicas e adotará todas as ações necessárias para a rápida conclusão da investigação. Entretanto, com os dados disponíveis até o momento, a ANVISA considera que não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina5.

Salientamos que a OMS não contraindicou a imunização contra a Covid-19 em adolescentes, mas sim se manifestou a favor de priorizar a distribuição e a aplicação de vacinas para países ainda com baixa cobertura vacinal de população de maior risco para doença grave.

Com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações da bula aprovada, destacadamente quanto à indicação de uso da vacina da Pfizer na população entre 12 e 17 anos5.

Concluindo, a ASBAI discorda do recuo do Ministério da Saúde (MS) em relação à vacinação de adolescentes sem comorbidades após o anúncio do início da vacinação desse grupo. A suspensão da vacinação neste momento pode promover hesitação em se vacinar, e abre espaço para a disseminação de fake news, gera insegurança, compromete o combate a circulação do vírus e portanto, coloca sem severo risco ao combate a Covid-19 no Brasil.

Nota informativa e posicionamento a respeito da suspensão da vacinação contra a Covid-19 em adolescentes sem comorbidades entre 12 e 17 anos pelo Ministério da Saúde do Brasil

No dia 15 de setembro de 2021, o Departamento Científico de Imunizações publicou o documento técnico “Vacinas COVID-19 em crianças e adolescentes”, compilando os dados mais atuais que corroboram a vacinação de adolescentes. Abaixo destacamos aspectos que fortalecem a recomendação para a vacinação de adolescentes.

  1. Apesar de diversos estudos oriundos de vários países estimarem que o número de casos de Covid-19 na faixa etária pediátrica seja de 1% a 5% do total de casos confirmados, ainda que na sua maioria, apresentem formas leves ou assintomáticas, crianças e adolescentes não estão isentos da ocorrência de formas graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e a Síndrome Inflamatória Multissistêmica, além de casos de Covid-19 longa e suas consequências, especialmente em relação aos aspectos cognitivos envolvendo o aprendizado. O número de óbitos reportado no último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, somado ao total do ano anterior, é de 2.416 óbitos de crianças e adolescentes, representando mais do que a soma de todos os demais óbitos por doenças imunopreveníveis, o que denota o impacto da doença nessas faixas etárias;
  2. Estudo nacional detectou fatores associados a um maior risco de morte por Covid-19, como menores de dois anos e maiores de 12 anos, com risco pelo menos duas vezes maior do que as crianças de 2 a 11 anos, assim como a associação com doenças de base, região geopolítica e etnia indígena;
  3. No Brasil, a única vacina licenciada pela ANVISA para adolescentes é a vacina da Pfizer, que foi avaliada para essa faixa etária em estudos clínicos realizados nos EUA demonstrando segurança, imunogenicidade e eficácia em adolescentes saudáveis ou com doenças pré-existentes estáveis. O perfil de segurança foi favorável, com reatogenicidade transitória leve a moderada, principalmente os eventos no local da aplicação, fadiga e cefaleia. Foram detectados poucos eventos adversos graves gerais, mas sem maiores repercussões. Todos os casos de Covid-19 nesse estudo pertenciam ao grupo placebo. A vacina é aprovada por agências internacionais (FDA e EMA) e vem sendo utilizada em adolescentes em mais de 14 países, com milhões de doses já aplicadas;
  4. O evento adverso mais grave identificado pela farmacovigilância, principalmente do Reino Unido e dos EUA, relacionado à vacina do laboratório Pfizer, foi a miocardite/pericardite. A maioria dos casos ocorreu em adolescentes do sexo masculino maiores de 16 anos e adultos jovens com menos de 30 anos de idade, mais frequentemente após a segunda dose da vacina. A maioria dos pacientes respondeu bem ao tratamento com rápida recuperação. O Centro de Controle de Doenças (CDC) dos EUA continua a recomendar a vacinação de adolescentes com vacina Covid-19 de RNAm, considerando que na situação epidemiológica atual, com a circulação da variante delta do SARS-CoV-2, que é mais transmissível, os benefícios da vacinação superam os riscos de quaisquer eventos adversos raros relacionados à essas vacinas. O Reino Unido, recentemente, passou a recomendar, também, a vacinação para adolescentes;
  5. Para o controle da cadeia de transmissão da doença é necessária uma ampla cobertura vacinal para todas as faixas etárias contempladas pelas vacinas licenciadas no país. A pandemia causou impactos imensuráveis em vários aspectos da vida de cada indivíduo e da coletividade, que vão além dos números identificados pelas notificações oficiais.

Diante do exposto, a SBP, através do seu Departamento Científico de Imunizações, ratifica as recomendações para vacinação de adolescentes com ou sem comorbidades de 12 a 17 anos, respaldada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com a vacina licenciada pela Anvisa para esta faixa etária, assim que disponíveis nos Estados e municípios, por ordem de prioridades:

  1. População de 12 a 17 anos com deficiências permanentes;
  2. População de 12 a 17 anos com comorbidades;
  3. População de 12 a 17 anos gestantes e puérperas;
  4. População de 12 a 17 anos privados de liberdade;
  5. População de 12 a 17 anos sem comorbidades.

A SBP entende que decisões unilaterais não contribuem para a construção de um Programa de Imunização de sucesso, sendo a confiança um dos principais pilares das ações de vacinação. Devemos continuar garantindo a segurança e ampliando elementos para a análise contínua da relação risco/benefício das vacinas anti-Covid-19.

Ressalta, ainda, que a vigilância de eventos adversos pós-vacinação deve ser contínua, com todas as vacinas em todas as idades, para que possamos continuar atestando a segurança e o perfil de risco benefício das vacinas Covid-19.

Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2021.

Acesse aqui o documento científico “Vacinas COVID-19 em crianças e adolescentes”

COSEMS RJ PELA MANUTENÇÃO DA VACINAÇÃO EM ADOLESCENTES DE 12 A 17 ANOS

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro lamenta a decisão do Ministério da Saúde em suspender a imunização contra a Covid-19 em adolescentes entre 12 e 17 anos. Além de não realizar consulta prévia às representações estaduais e municipais da gestão do Sistema Único de Saúde ou mesmo à Câmara Técnica Assessora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), a medida não tem respaldo científico e causa um desserviço à população, trazendo insegurança em relação à eficácia da imunização.

Confiamos na atuação da Anvisa que ressaltou, no dia 16 de setembro, que todas as vacinas autorizadas e distribuídas no Brasil estão sendo monitoradas continuamente pela vigilância diária das notificações de suspeitas de eventos adversos, além de reforçar a aprovação da utilização da vacina da Pfizer para crianças/adolescentes maiores de 12 anos, em 12 de junho de 2021. Para essa aprovação, a Anvisa apresentou estudos de fase 3 e os dados demonstraram sua eficácia e segurança.

O Cosems RJ recomenda a manutenção da vacinação em adolescentes no Estado do Rio de Janeiro, seguindo a deliberação da Comissão Intergestores Bipartite (CIB-RJ) vigente, a qual aponta que os municípios deverão atingir um mínimo de 90% da população acima de 18 anos com primeira dose dos imunobiológicos disponíveis contra a Covid-19 aplicadas e que, cumprida esta etapa, devem seguir a vacinação da população geral na faixa etária entre 12 e 17 anos. Segundo dados do aplicativo Localiza SUS, já foram vacinadas com a primeira dose, no Estado do Rio de Janeiro, até hoje, 384.448 adolescentes entre 12 e 17 anos.

Além de persistir a necessidade de contemplar os ainda não vacinados, para ampliar a cobertura vacinal contra a Covid-19, há um contrato firmado com estes adolescentes e suas famílias que deve ser honrado pelo Sistema Único de Saúde: garantir o acesso para a complementação do esquema vacinal com duas doses, no máximo doze semanas após a primeira aplicação.

Vacinação contra Covid-19 em adolescentes

Os representantes do Departamento de Imunizações da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), Drs. Marco Aurélio Safadi e Renato Kfouri, alertam que a vacinação dos jovens deve ser mantida. “Não existe nenhum motivo que justifique alterar essa recomendação”, afirma Safadi.

Com muita notícia sobre o assunto em circulação, a grande preocupação dos especialistas é que a população não se sinta segura em vacinar crianças e adolescentes. Renato Kfouri lembra que milhares de doses foram testadas nesse grupo de pacientes e que o perfil de segurança foi muito bom. Kfouri destaca ainda que não podemos negligenciar visto que, embora jovens apresentem casos menos graves, ocorreram casos de complicações e também desdobramentos mais graves como a Síndrome Inflamatória Multissistêmica.

“Os pais podem vacinar seus filhos com tranquilidade. Não existe nenhum dado que motive qualquer desconfiança em relação à vacinação de adolescentes no Brasil”, disse Safadi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.