Hospital Oswaldo Cruz inaugura Centro Internacional de Pesquisa

398

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo (SP), inaugurou no dia 22 de agosto seu Centro Internacional de Pesquisa, localizado na Unidade Paulista, em São Paulo, com 520 m². A iniciativa faz parte da implantação do plano estratégico do pilar de Inovação, Pesquisa e Educação, e tem como propósito fomentar pesquisas de relevância para a saúde da população brasileira e mundial, incluindo estudos mecanísticos, epidemiológicos, clínicos, de implementação do conhecimento, avaliação de tecnologias em saúde, avaliação econômica e revisões sistemáticas. A expectativa é ampliar o volume de estudos científicos produzidos e atingir a marca de 100 pesquisas até o final de 2020.

“Vamos reunir o corpo clínico do hospital e outras áreas em prol do conhecimento, mapeamento e disseminação de saúde para a população brasileira, assim como novas terapias e soluções”, explica o cardiologista e pesquisador Dr. Álvaro Avezum, que está à frente do novo centro. O médico é considerado pela consultoria Thomson Reuters como um dos quatro cientistas brasileiros com produção acadêmica de maior impacto no mundo em uma lista de 3.215 pesquisadores (2015).

A equipe do centro é composta por 40 profissionais, entre pesquisadores, bioestatísticos, analistas de sistemas e coordenadores de pesquisas, o que demonstra sua característica multiprofissional, com especialistas em saúde das mais diversas áreas de formação. A área também contará com a expertise do corpo clínico do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Além disso, estão previstas iniciativas em colaboração com o Governo Federal por meio do PROADI-SUS – Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde, ação do Ministério da Saúde, bem como parcerias com a indústria farmacêutica, agências de fomento, instituições acadêmicas internacionais, como o Instituto de Pesquisa em Saúde Populacional da Universidade de McMaster, no Canadá.

Dr. Álvaro Avezum

O Centro Internacional de Pesquisa já possui em andamento diversos estudos sobre insuficiência cardíaca e fibrilação atrial em doentes reumáticos, doenças comuns em países em desenvolvimento, como o Brasil, pesquisa sobre impacto da vacina da gripe (Influenza) no infarto do miocárdio, além de estudos em pneumologia, urologia e doenças digestivas. A oncologia, área foco do hospital, continua extremamente ativa e eficiente nesse quesito. “Temos uma veia forte em pesquisa clínica nessa área, avaliando novas intervenções e medicações para aumentar a sobrevida do paciente com câncer”, diz o Dr. Álvaro.

Outro estudo que o hospital passa a agregar em seu Centro Internacional de Pesquisa é o PURE – Prospective Urban Rural Epidemiology, que está dentro do escopo de colaboração com o Instituto de Pesquisa em Saúde Populacional da Universidade de McMaster. Trata-se do maior estudo epidemiológico do mundo, com 300 mil indivíduos entre 35 a 70 anos, de áreas urbanas e rurais, de 18 países, incluindo o Brasil, seguidos por 14 anos, e que avalia como ocorre o adoecimento cardiovascular, oncológico, respiratório, renal, psicossocial, entre outros, em países de baixa, intermediária e alta rendas. Até o momento, o estudo já contou com 66 publicações em revistas científicas de alto impacto, que mostraram dados atuais sobre alimentação e mortalidade por doenças cardiovasculares, revelando maior impacto negativo de carboidratos comparado à gordura e o consumo positivo do consumo de legumes e verduras.

Para o CEO do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Paulo Vasconcellos Bastian, o centro coloca o hospital como protagonista no desenvolvimento da saúde. “Com mais essa unidade, daremos continuidade aos investimentos voltados para a realização de estudos clínicos e científicos, bem como a promoção de eventos, incentivando a geração de conhecimento e o compartilhamento de práticas que contribuam cada vez mais para o avanço da medicina e da saúde brasileira.”

O evento de inauguração contou com a presença do titular da SCTIE – Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Prof. Dr. Denizar Vianna de Araújo; da diretora do departamento de Ciência e Tecnologia da SCTIE, Camile Sachetti; do presidente do Conasems – Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, Willames Freire; e do secretário-executivo do Conasems, Mauro Junqueira.

Matéria originalmente publicada na Revista Hospitais Brasil edição 99, de setembro/outubro de 2019. Para vê-la no original, acesse: portalhospitaisbrasil.com.br/edicao-99-revista-hospitais-brasil

Deixe seu comentário