Inteligência Artificial baseada em dados atrelados ao tratamento humanizado são futuro promissor da tecnologia em saúde

Victor Gadelha, Head of Health Innovation no Hospital Operations of Dasa, falou sobre ‘Como a inovação está transformando a Medicina – passado, presente e futuro’ na manhã de sábado (11) na última Palestra Magna do 2º Congresso Virtual da SBPC/ML. Em sua apresentação, ele frisou a importância do uso da tecnologia conforme sua competência, e do tratamento humano baseado em suas especificidades, em especial no que diz respeito a sentimentos, como o carinho ao paciente, algo que a Inteligência Artificial não é capaz de proporcionar. Ele falou ainda da importância do atendimento e tratamento otimizado para o paciente, com base na medicina baseada em evidências.

“Mesmo sem ter conversado ou sem conhecer o paciente, se o profissional faz algo com muito carinho, amor e paixão, é possível passar essa sensação para ele e isso é muito importante na saúde”, explica. De acordo com o palestrante, tecnologia e empatia parecem palavras opostas, mas isso não é uma verdade absoluta. Usando a tecnologia da forma certa, pensando no paciente, elas caminham juntas.

Antes, o cenário da saúde era o médico como detentor do conhecimento e o paciente aquele que fazia tudo o que o médico orientava. E foi assim durante muito tempo, uma relação unilateral. Com a medicina baseada em evidências, existe uma evolução de epidemiologia clínica e essa medicina baseada em evidências é baseada no tripé paciente, prestador de serviço e evidência. Esse tripé foi mudando ao longo do tempo. Com a informação e a transformação digital, o paciente começa a ter pelo menos uma informação limitada.

A medicina de precisão ainda está muito voltada para a genética, mas é bem maior do que isso. Quando há uma relação com a medicina de evidência, se tem a medicina personalizada.

O especialista também explicou que a Medicina de Precisão passa por vários aspectos, entre eles a estratificação de risco do paciente, clusterização de moléculas do paciente, biomarcadores físicos e digitais – e os dados das coisas que você utiliza conectadas a você. “O Instagram consegue, por exemplo, identificar até mesmo a sexualidade dos usuários pelos perfis que eles visitam. O celular consegue identificar até a forma como a pessoa treme. Se o aparelho estiver no bolso da pessoa, é possível saber sobre o equilíbrio dela e compreender se ela terá problema na lombar no futuro. Quando temos foco na saúde com ética e moral, o que está acima de tudo, os resultados serão cada vez mais impressionantes”, revela.

Sobre o futuro, Gadelha projeta. “Suponhamos que nasça o que na tecnologia chamamos de ‘Bebê Hello World’, ele acabou de nascer. Todos os dados dele estão sendo coletados, começando pela genética, onde ele nasceu, a condição socioeconômica e momento político. Os dados dele não estão só no computador, mas nas redes, estão descentralizados. O ‘Bebê Hello World’ agora tem um código genético. Quando ele crescer um pouquinho, ele terá a tecnologia personalizada para atendê-lo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.