Novos equipamentos contribuem para redução de pacientes intubados no Hospital São Vicente

O tratamento de pacientes diagnosticados com Covid-19 exige diversos recursos e, em casos mais severos, a intubação se faz necessária. No entanto, o avanço tecnológico tem contribuído pra a busca de novas alternativas, especialmente voltadas para o conforto e bem-estar do paciente. Atento a essas melhorias, o Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV), em Jundiaí (SP), adquiriu nesta semana quatro novos equipamentos chamados de Cânula Nasal de Alto Fluxo (CNSF). Em casos específicos, com avaliação clínica, o mecanismo é um recurso que pode evitar o processo invasivo que é a intubação. Cada equipamento custou R$ 9.750,00.

Inovador, o aparelho promove benefícios como a diminuição da resistência inspiratória, melhora da complacência pulmonar e principalmente da oxigenação. A umidificação e aquecimento também podem evitar a desidratação da mucosa, manter o mecanismo de autolimpeza da mucosa nasal, reduzir a perda de calor e minimizar o quadro clínico no qual a totalidade ou parte de um pulmão fica sem ar. O equipamento possui indicação para quadros clínicos específicos, quando a intubação pode ser substituída, e descarta as desvantagens do procedimento, como a sedação e o jejum.

O investimento foi comemorado pela equipe de fisioterapia, responsável pelo manuseio e acompanhamento dos pacientes em uso do aparelho. “A instituição já possui 8 bases, totalizando agora 12 equipamentos. A base é fixada no carrinho do ventilador, onde a cânula é inserida. O cateter é colocado no nariz do enfermo, com um fluxo de oxigênio elevado e que pode chegar até 60 litros por minuto, além de uma fração concentrada de O2 de 21% a 100%. A média da taxa de eficiência é de 61% nas unidades que utilizamos o recurso com mais frequência. Dentro da literatura mundial, é um indicador de sucesso, pois a média é de 40 a 50%”, disse o coordenador da equipe de fisioterapia do HSV, Daniel Gimenez.

O profissional explica que inicialmente os aparelhos serão utilizados em unidades de internação por Covid-19, mas que posteriormente estará disponível para todos os pacientes que necessitem de suporte respiratório. “Nós somos gratos à instituição, que por meio desses investimentos, tem proporcionado um atendimento cada vez melhor aos pacientes. Como profissional é gratificante fazer parte desse processo e presenciar a recuperação de cada um”, conta Daniel.

Prevenção de lesões por pressão é tema de capacitação para equipe de enfermagem

Na última semana, 37 profissionais da área de enfermagem do Hospital de Caridade São Vicente de Paulo, participaram de um treinamento promovido pela Universidade Corporativa a fim de aprimorar os conhecimentos e desenvolver as habilidades técnicas para a realização de curativos em lesões por pressão. Os ferimentos, mais conhecidos como escaras, aparecem na pele de pacientes que permanecem muito tempo na mesma posição, geralmente acamados ou com mobilidade reduzida.

Realizado no anfiteatro da instituição, a capacitação contou com aulas das enfermeiras Aline Coatto e Marli Ramalho, além da estomaterapeuta, Angela Nogueira S. da Silva. O treinamento faz parte de uma série de ações voltadas ao desenvolvimento profissional dos colaboradores da unidade hospitalar. “O papel do setor de educação é importantíssimo, pois por meio destes cursos esperamos capacitar o colaborador para as práticas mais seguras da assistência ao paciente”, explica Aline.

Os treinamentos são realizados conforme as demandas de cada departamento, buscando aprimorar de forma pontual, as técnicas aplicadas em cada situação. Os próximos temas abordados serão sobre crise convulsiva, hemorragias digestivas, emergências dialíticas, síndromes coronarianas e cetoacidose diabética.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.