Pandemia traz à tona a importância da capacitação de profissionais da saúde

Pandemias como a que estamos vivendo, causada pela Covid-19, têm resultados desastrosos para o sistema de saúde. Se antes, grande parte dos hospitais, sobretudo os públicos, já passavam por uma situação bastante crítica, agora com o avanço do novo Coronavírus este cenário se agravou ainda mais, fazendo com que muitos sistemas entrassem em colapso.

Os locais nos quais a vulnerabilidade socioeconômica já era muito alta se tornaram insustentáveis, seja pelo alto número de pacientes infectados, pela dificuldade em se conseguir vagas nos hospitais, pela falta de profissionais de saúde, de insumos e medicamentos ou pelos problemas econômicos também decorrentes da pandemia.

Diante da necessidade de profissionais de saúde nos mais diversos setores, incluindo os diretamente afetados pela Covid-19 às outras áreas clínicas e cirúrgicas, uma recente medida do MEC (Ministério da Educação) autorizou antecipar a formatura de alunos de alguns cursos da área da saúde para atuação no combate ao novo Coronavírus.

Segundo Luiz Henrique Hargreaves, coordenador responsável pelos cursos de enfermagem da Unyleya, a iniciativa foi muito bem-vinda, uma vez que permite a incorporação de mais profissionais de enfermagem para atender o quanto antes a população que está passando por um momento bastante delicado.

Capacitação na pandemia vai muito além de preparar profissionais para atuarem na linha de frente

A capacitação dos profissionais de saúde é fundamental na assistência dos pacientes, em qualquer ramo da atividade profissional, mas se torna ainda mais crítica diante de uma pandemia. Há necessidade das pessoas entenderem que capacitação não significa tão somente preparar profissionais de saúde para atuarem na linha de frente da assistência ao paciente crítico, embora essa seja uma prioridade.

Todos os profissionais de saúde precisam ser capazes de entender a gravidade da doença, os mecanismos de transmissão, de prevenção e os cuidados que precisam ser tomados por todos na população. Isso também é estar capacitado.

Todos eles precisam atuar como educadores de saúde e dessa forma é fundamental que se abasteçam de conhecimentos baseados na literatura especializada e nas melhores práticas respaldadas por rigor científico. Para Hargreaves, não faz sentido em meio à uma pandemia termos profissionais de saúde contrários às medidas protetivas e preventivas amplamente divulgadas pelas sociedades de especialistas e órgãos internacionais especializados no tema.

“Um profissional de saúde capacitado para atuar na atenção primária por exemplo, tem um papel fundamental em orientar os pacientes na forma correta de lavar as mãos, de usar máscaras e de realizar o distanciamento social, que são medidas sabidamente efetivas na diminuição da transmissão do Coronavírus. Além disso, deve estar preparado para responder questões e incentivar a vacinação de acordo com os protocolos e orientações do Ministério da Saúde. Medidas como essas podem mudar o curso da pandemia e trazer excelentes resultados”, explica.

De acordo com Luiz, todo profissional de saúde deve aproveitar cada momentos em que está com o paciente para atuar como educador, de forma a promover a saúde e prevenir os agravos e doenças. Para tal, deve estar capacitado. A capacitação requer educação continuada, obtida através de fontes confiáveis e alinhadas com as práticas reconhecidas e praticadas nos melhores centros especializados. Muitas cidades tiveram que adquirir equipamentos para hospitais de campanha e para abrir setores de atendimento a pacientes críticos, mas isso só não basta, pois há necessidade de capacitação dos profissionais que irão utilizar esses recursos.

Gestão de recursos e prioridade conforme gravidade: a nova rotina dos hospitais e clínicas

A chegada de um grande número de pacientes em curto intervalo de tempo, levando em consideração que muitos apresentam formas graves da Covid-19, traz um grande impacto aos hospitais e ao sistema de saúde como um todo. Muitos atendimentos ambulatoriais e cirurgias eletivas tiveram que ser adiados e com isso, um número enorme de pacientes teve sua condição de saúde agravada.

Luiz relata que é bem possível que ao longo dos próximos meses seja verificado um aumento nos problemas de saúde nos pacientes com doenças crônicas que não tiveram condições de serem atendidos nesse momento. Alguns deles, por medo de se contaminarem, também deixaram de procurar seus médicos e realizar tratamentos e acompanhamentos para diversos tipos de doença, inclusive na área de oncologia. Diagnósticos de doenças deixaram de ser realizados precocemente pelo mesmo motivo.

Em muitos hospitais houve a necessidade de remanejamento de profissionais de saúde que foram alocados em setores especificamente voltados para o atendimento de pacientes com Covid-19, o que também teve impacto em algumas áreas que ficaram desassistidas. Em várias cidades determinam prioridade ao atendimento dos pacientes conforme a gravidade e a necessidade de assistência requerida. Ao mesmo tempo, medidas de gestão de recursos são empregadas, para que tanto os equipamentos e materiais como a alocação de profissionais possam ser otimizados. Para isso, várias ferramentas têm sido empregadas e é fundamental que os exemplos bem-sucedidos sejam compartilhados e aproveitados.

Cursos de especializações têm sido bastante procurados

Durante a pandemia, muitas pessoas perceberam a necessidade e a oportunidade para capacitação, sobretudo por meio de plataformas de educação a distância. Essa busca tem ocorrido não apenas no Brasil, mas em diversos outros países.

Segundo Luiz, dentre as especializações mais procuradas estão as de Enfermagem nas mais diversas áreas, bem como em Saúde Pública e em Gestão Hospitalar. O curso de graduação de gestão hospitalar também tem sido modernizado e atualizado de maneira a preparar os estudantes para que estejam capacitados a enfrentarem os mais diversos desafios na administração de unidades de saúde nos mais diversos níveis.

Há diferentes tipos de profissionais que se interessam pela especialização, como os que já atuam em uma determinada área da saúde, mas que sentem a necessidade do conhecimento e da capacitação teórica. Outros têm interesse em atuar em uma nova área e gostariam de aprofundar-se para que possam se sentir mais seguros nos novos desafios. Há também profissionais que pretendem lecionar ou atuar na área de pesquisa.

“Nosso curso de Gestão Hospitalar tem tido uma grande procura, assim como é notório o aumento na demanda por cursos de especializações e, por isso, temos oferecido cada vez mais programas de Pós-Graduação nas mais diversas áreas do conhecimento. Nós temos alunos em todos os estados da federação e também no exterior. Muitos vivem em locais onde não há universidades próximas ou mesmo onde não são oferecidos programas nas áreas em que gostariam de se capacitar. O ensino a distância permite que o conhecimento possa chegar aos mais diferentes locais, inclusive em regiões remotas e ao mesmo tempo, permite que haja nas salas de aula uma troca de experiências entre alunos que vivem realidades bastante diversificadas. Isso seria difícil de ser alcançado em aulas presenciais”, explica Luiz.

Conhecimentos acerca da utilização de instrumentos corretos para o gerenciamento de leitos e a diminuição de filas têm sido estudados e empregados com sucesso em diversos hospitais devido à capacitação dos profissionais de saúde. Além disso, sistemas de comando e coordenação integrada na resposta a desastres devem ser implementados em hospitais, de tal forma a evitar que uma situação crítica se torne caótica.

Outra carreira com grande procura é a da Enfermagem, em áreas como a de cuidados de pacientes críticos, assistência em urgências e emergência, além de cursos voltados para a saúde da família.

“Em termos de perspectivas de mercado, acreditamos que as áreas de Saúde Pública, Saúde Mental e Infectologia cada vez mais se mostram necessárias. A capacitação de profissionais em setores mais especializados como Oncologia e Dermatologia permitem a disseminação de conhecimentos fundamentais para a assistência de um número maior de pacientes, sobretudo em locais onde o acesso a essas áreas é restrito. A assistência primária é outro campo de destaque, assim como o de cuidados de pacientes graves”, relata.

Qual legado a pandemia irá deixar ao setor da saúde?

Luiz acredita que a área da saúde deve mudar muito depois da pandemia: “Tem ficado evidente a necessidade de investimento na saúde, mas também da correta alocação de recursos, na qual a gestão dos hospitais e serviços de saúde seja profissionalizada cada vez mais. Não é possível que em um país com as dimensões e as riquezas naturais do Brasil e com tantos profissionais competentes, a população ainda esteja com tanta dificuldade para obter assistência de saúde e que cenas de pacientes amontados em macas nos hospitais ainda persistam. Desvios de recursos na saúde precisam ser devidamente investigados e os seus responsáveis, exemplarmente punidos. Não me refiro ao momento atual da pandemia apenas, afinal a crise na saúde não é de agora, ela tem sido agravada ao longo dos anos”.

O coordenador ainda aponta que houve melhora em alguns setores, mas em outros a situação ainda é caótica. Para ele, cabe a cada cidade, por menor que seja, se preparar para enfrentar eventos críticos e cuidar de sua população, buscando garantir o acesso à assistência básica de saúde, ao referenciamento de casos que requeiram especialistas e uma atuação nas comunidades por meio da promoção de saúde. Lições precisam ser aprendidas com situações passadas e presentes.

Diversos erros cometidos em pandemias passadas continuam se repetindo. “Não faz sentido algum errar e continuar errando apenas por não querer aprender com os próprios erros. Tem havido muita politização de um tema que deveria estar voltado apenas para o bem-estar da população. Nos países com grande resiliência no enfrentamento de situações críticas, é comum que haja a união de esforços para o enfrentamento de problemas. A divisão por outro lado, só agrava a situação. A pandemia tem evidenciado o profissionalismo dos que estão na linha de frente do combate à Covid-19, assim como a dedicação, a entrega, o sacrifício e a paixão demonstrada no dia a dia de uma luta árdua que tem causado muitas mortes e debilitado tantas famílias. A morte de tantas pessoas não pode ser em vão e nem se tornar apenas um número nas estatísticas. As cidades precisam estar preparadas, porque essa não será a última pandemia e nem o último desastre que terão que enfrentar”, finaliza o coordenador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.