Pesquisa Vírus Zika realizada pela Faculdade de Medicina e Hospital Universitário de Jundiaí precisa de voluntários

O projeto de pesquisa “Infecção vertical pelo vírus zika e suas repercussões na área materno-infantil”, desenvolvido pela Faculdade de Medicina (FMJ) e Hospital Universitário (HU) de Jundiaí (SP), em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), precisa de voluntários.

O projeto teve início em março de 2016 e envolve 751 mulheres/gestantes de alto risco, das quais já deram a luz a 728 bebês. Estes bebês serão acompanhados até os três anos de vida. Este acompanhamento inclui entrevistas periódicas por telefone e consultas com equipe multidisciplinar. “A pesquisa já demonstrou que existem casos em que a criança não apresenta microcefalia, mas outras alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, por isso é importante o acompanhamento das crianças durante este tempo”, ressalta o Prof. Dr. Saulo Duarte Passos que coordena todo o trabalho.

A questão é que muitas mães, ao perceberam que o bebê não apresenta microcefalia, abandonam o acompanhamento do projeto. “Recentemente soubemos do caso de um bebê de oito meses que começou a apresentar dificuldade para enxergar. Fomos investigar e está relacionado ao vírus. Este exemplo nos dá a dimensão do quanto a manutenção deste acompanhamento é relevante”, diz o médico. E é neste processo de resgatar as mães e bebês que abandonaram o projeto que os voluntários irão atuar.

O trabalho voluntário será desenvolvido no próprio HU, em Jundiaí, pelo período de quatro horas semanais. O interessado é que define qual o melhor período para ajudar (manhã, tarde ou noite). Antes de iniciar as atividades, os voluntários passam por um treinamento de capacitação.

Podem ser voluntários: estudantes, profissionais já formados na área de saúde ou em outras áreas, aposentados, donas de casa e todos que tiverem interesse em colaborar. A idade mínima é 18 anos. Os interessados devem fazer inscrições pelo telefone (11) 4527-5700 ramal 820.

A pesquisa

O projeto “Infecção vertical pelo vírus zika e suas repercussões na área materno-infantil” deve ser concluído em 2020. O principal objetivo é investigar a transmissão do vírus em gestantes e suas repercussões nas crianças. Os resultados serão utilizados pelo Brasil e outros países do mundo para esclarecer todas as dúvidas que ainda existem sobre as doenças causadas pelo Aedes aegypti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.