Profissões da área da saúde em um outro patamar de reconhecimento

Na pauta do mês de abril, entram as discussões relacionadas ao Dia Mundial da Saúde, celebrado no dia 7. A data, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é uma oportunidade de reflexão sobre políticas que devem ser implementadas ou aprimoradas para o bem-estar da população e a crise sanitária colocou luz nos déficits e nas urgências.

A importância dos profissionais da área da saúde ficou evidente nesse contexto. Segundo a coordenadora e docente do curso de Graduação em Educação Física do Centro Universitário Senac, Lívia Cristina Toneto, nesse extenso período de pandemia, no qual foram computados mais de 600 mil óbitos, o contingente de profissionais da área, da saúde, atuantes na linha de frente dos tratamentos foram os mais afetados, considerando os médicos, os enfermeiros, a equipe administrativa nas Unidades Básicas de Saúde, nos hospitais públicos e privados.

“Outros profissionais, em especial aqueles que trabalham na reabilitação dos indivíduos contaminados, em um segundo momento, também tiveram sua carga de trabalho aumentada significativamente. É válido informar que o bem-estar mental dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente fica comprometido em tempos de pandemia por apresentar níveis médio-altos de ansiedade, depressão, nervosismo e insônia e, em menor grau, estresse”, explica Lívia Cristina.

Desafios adicionais

Sem dúvidas, a pandemia trouxe muitos desafios e aprendizados e, entre os mais significativos estão aqueles que versam sobre os desdobramentos das patologias e de suas manifestações, sobretudo no sistema respiratório, cardíaco, circulatório, bem como os que tratam sobre força muscular. Respostas frente à reabilitação, medicações e terapias não medicamentosas, como o exercício físico foram uma crescente em termos de pesquisas e protocolos.

De acordo com a coordenadora, em se tratando da síndrome pós-Covid, ou Covid longa, como também é conhecida, houve a necessidade de reorganização dos processos e protocolos. “Hoje, sabe-se da importância do exercício e alguns cuidados a serem tomados. Mas, ainda estamos pesquisando sobre a real efetividade desses programas na reabilitação pós-Covid. A literatura sugere que a mobilização precoce e o exercício físico são benéficos para indivíduos com a doença. No entanto, muito do que foi publicado é baseado na opinião de especialistas devido à falta de ensaios randomizados”, acrescenta.

Profissionais de Educação Física e de Radiologia ganham notoriedade

O trabalho do profissional de Educação Física em equipe multidisciplinar, considerando a atuação hospitalar, já existe e a categoria faz parte da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) a partir da denominação ‘Profissional de educação física na saúde’. Na prática, existe reconhecimento desses profissionais dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), estruturando e realizando atividades de promoção a saúde por meio das práticas corporais mais diversas, como o atendimento domiciliar, consultas compartilhadas, realização de atendimentos em grupo, atuação em redes de serviço, planejamento de ações de atividade física na prevenção primária, secundária e terciária no SUS, entre outras.

Especificamente tratando da atuação em relação à diminuição das sequelas da Covid, apesar de ser muito nova a associação entre as sequelas e as perdas neurológicas, segundo Lívia Cristina, sabe-se que o exercício físico previne a perda neurológica de outras doenças e retarda essa perda durante o processo de envelhecimento, algo que poderia estar associado à doença. “No desempenho de uma tarefa motora, existem ganhos cognitivos. No ganho de equilíbrio, há ganho neurológico a partir de novas conexões neurais, gerando um rearranjo neural. Para manter o corpo em equilíbrio, por exemplo, precisamos coordenar a contração dos músculos”, afirma a especialista.

Sobre eventuais adaptações na formação dos profissionais em momentos de crise, em situações como atividades para grupos especiais passa a existir o quadro de pacientes pós-Covid e o estabelecimento de protocolos a serem ensinados na universidade.

Ricardo Silva Simão, professor do curso de Tecnologia em Radiologia e pós-graduação em Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética do Centro Universitário Senac, explica que na área do diagnóstico por imagem, o profissional da radiologia apresenta um papel fundamental, contribuindo de forma extremamente relevante para o cenário pandêmico, pois em diversos estudos publicados, a tomografia computadorizada foi considerada padrão ouro no diagnóstico da Covid-19.

“O método de aquisição e formação das imagens por meio da radiologia convencional e da tomografia computadorizada proporcionaram subsídio excelente para o momento em questão. Estas modalidades formam imagens radiológicas do corpo humano com detalhes minuciosos da anatomia (principalmente a tomografia computadorizada), contribuindo com o médico para atingir um diagnóstico mais fidedigno, bem como para a análise detalhada dos campos pulmonares”, explica Ricardo.

Do ponto de vista técnico (operacional), o profissional passou a ser mais valorizado, pois assumiu papel importante durante a aquisição das imagens, sobre o controle de qualidade e o pós-processamento dos exames.

Por fim, tivemos muitos exemplos de heroísmo por parte dos profissionais da saúde, que inclusive colocaram as vidas em risco para salvar outras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.