Próteses de joelho são implantadas com auxílio de robô no Hospital Moinhos de Vento

Foto: Leonardo Lenskij

O joelho é a maior e mais forte articulação do corpo humano, que garante sustentação e permite que o indivíduo se locomova. A estrutura é fundamental para absorver a carga e manter a pessoa em pé, além de permitir movimentos de andar, correr, sentar e levantar. Também é uma das partes do corpo humano mais sujeitas a desgastes que podem provocar dor e prejudicar a mobilidade e a qualidade de vida.

Condições como artrose — um tipo de desgaste do joelho — podem provocar dor crônica e progressiva e restringir as atividades diárias. É quando se recomenda a cirurgia para colocação de uma prótese. “Geralmente o paciente tem dor para caminhar, ou mesmo em repouso, e deixa de praticar atividades físicas, fazer passeios, viajar. É uma condição altamente incapacitante. Com o implante ele volta a ter uma grande melhora na qualidade de vida”, afirma o chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS), Carlos Roberto Galia.

De acordo com o médico cirurgião Mauro Meyer, do Hospital Moinhos de Vento, embora as próteses de joelho tenham ótimos resultados, a maior dificuldade é conseguir o alinhamento exato dos componentes. Para obter maior precisão nesse tipo de procedimento, com possibilidade de melhorar ainda mais a satisfação do paciente e proporcionar recuperação mais rápida, a instituição passa a oferecer a cirurgia robótica para implante de prótese de joelho com o robô Rosa Knee.

Com tecnologia norte-americana, o sistema foi projetado para ajudar os cirurgiões a planejarem e a executarem a implantação de próteses fornecendo orientações personalizadas para o caso de cada paciente, especialmente sobre o posicionamento, tamanhos e ângulos dos componentes utilizados. “Antes o médico faz uma série de cálculos, por exemplo, dos movimentos de rotação do quadril, joelho, tornozelo. O robô soma e cruza esses dados com os dos exames de imagens e analisa como estão ligamentos, tendões, musculatura. Ou seja, o especialista avalia tanto a parte anatômica como a funcional, para garantir a reconstrução da estrutura da maneira mais fidedigna a um joelho normal. Mas vale ressaltar que cada cirurgião permanece utilizando a sua técnica”, pontua Meyer.

O cirurgião explica que, durante o procedimento, é o médico que opera o braço mecânico do robô. A tecnologia aumenta a precisão dos cortes para o encaixe perfeito e permite ajustes necessários.

Ampliação dos serviços e qualificação profissional

O robô Rosa Knee foi desenvolvido pela Zimmer Biomet, empresa multinacional americana e líder global em saúde musculoesquelética. Composto por uma plataforma robótica, com ferramentas de planejamento pré-operatório 3D e dados intra-operatórios em tempo real sobre tecidos moles e anatomia óssea, teve seu uso aprovado recentemente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Apenas 3 hospitais no Brasil (2 em São Paulo e 1 em Belo Horizonte) já oferecem a tecnologia.

O equipamento acaba de ser reconhecido como ‘Melhor Solução de Tecnologia em Ortopedia’, ao receber o prêmio MedTech Breakthrough 2021. Anualmente, essa organização independente de inteligência de mercado reconhece as empresas e soluções que mais se destacam na área da saúde, em âmbito global. Os requisitos avaliados são inovação, performance, facilidade de uso, funcionalidade, valor agregado e impacto.

O chefe do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Moinhos de Vento, Carlos Roberto Galia, destaca que inicialmente o robô irá fazer as cirurgias de joelho. Nos próximos dois anos, os serviços serão ampliados também para a colocação de próteses de quadril. Todos os cirurgiões que atuarão com esta tecnologia são certificados pela empresa fabricante do robô.

“Vamos oferecer o futuro da cirurgia de próteses aqui no Sul do país. Com procedimentos mais precisos, o sistema é o que existe de mais moderno no mundo nessa área. Podemos dizer que nossos pacientes poderão ter os melhores desfechos, com um pós operatório com menos dor e mais rapidez na retomada dos movimentos e resultados mais satisfatórios a longo prazo”, pontua Galia.

Ampliação do Núcleo de Robótica

Atualmente o Hospital Moinhos de Vento conta com o Robô Da Vinci, utilizado em cirurgias urológicas, ginecológicas, renais, torácicas, do aparelho digestivo e de coloproctologia. A chegada do robô Rosa Knee amplia os serviços oferecidos pelo Núcleo de Cirurgia Robótica, uma referência no sul do país.

A instituição foi escolhida como parceira do fabricante para ser uma das primeiras na América Latina a oferecer a tecnologia. “É um reconhecimento pelo trabalho que o Núcleo de Medicina Robótica vem desenvolvendo nos últimos anos, inclusive realizando alguns procedimentos pioneiros no Brasil. Faz parte do Hospital Moinhos de Vento investir em medicina de ponta, inovação e excelência no atendimento para oferecer os melhores desfechos aos nossos pacientes”, conclui o chefe do Serviço de Cirurgia Geral, Artur Seabra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.