Psicólogo ressalta a importância de falar sobre saúde mental sem julgamentos

O número é chocante. Cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos no mundo, o que equivale a uma morte a cada 40 segundos. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reconhece o suicídio como uma prioridade de saúde pública. Só no Brasil, a estatística aponta um aumento de 7% na taxa de autoextermínio a cada 100 mil habitantes. O assunto ainda é tabu em diversos âmbitos da sociedade, o que impede que o suicídio seja discutido abertamente, indo contra uma das principais armas no combate a essa epidemia silenciosa: a comunicação.

“O preconceito, a falta do acolhimento e da escuta, são fatores prejudiciais no trabalho da prevenção ao suicídio. Existe sempre um julgamento, quase que uma condenação dos sentimentos das vítimas, que por esse motivo, muitas vezes se calam e silenciam as dores e as angústias. É preciso difundir cada vez mais o tema e promover a reflexão sobre a valorização da vida”, explica o Chefe do Departamento de Psicologia do Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV), de Jundiaí (SP), Roberto Tafarello.

Além dos transtornos mentais, como a depressão e a ansiedade, outras situações estão ligadas ao comportamento suicida, como problemas financeiros, términos de relacionamentos, alcoolismo, violência, abusos ou perdas. A estatística também aponta taxas elevadas de suicídio em casos de descriminação.

Roberto conta que existem alguns comportamentos de alerta que são perceptíveis durante o convívio, como isolamento do indivíduo, falta de apetite, sentimento de inferioridade e perseguição. “Tratamos esses sentimentos como um iceberg em nossos cérebros. A ponta é a parte consciente, onde conseguimos identificar algumas dessas aflições. Já a parte inconsciente, que é maior, está embaixo da água, escondida. Nesses casos, conseguimos explorar e tratar esses sentimentos em terapia. No Hospital São Vicente nós atendemos predominantemente jovens, de 18 a 34 anos aproximadamente, mas com muita variação de gênero. Felizmente, nós conseguimos reverter o quadro clínico da maioria dos atendimentos emergenciais por tentativa autoextermínio”.

Após receber o cuidado médico necessário, o paciente é avaliado pela equipe da psiquiatria e dependendo do diagnóstico, permanece internado, recebe alta, ou é encaminhado ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). “Nós também atendemos os familiares durante as visitas. Essa abordagem é realizada junto com a equipe multidisciplinar, onde explicamos a importância desse paciente manter o acompanhamento psicológico, de não julgá-lo pelo acontecido e sim acolhe-lo”, orienta o psicólogo.

Você não está sozinho!

O principal serviço voluntário e gratuito que o país possui hoje é o Centro de Valorização da Vida (CVV), que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone – por meio do número 188 – e-mail e chat 24 horas todos os dias no site da ONG: www.cvv.org.br/quero-conversar.

Quem cuida, precisa ser cuidado

No São Vicente, além da atenção dada aos pacientes, também é feito atendimento voltado à saúde mental dos colaboradores, que é realizado no departamento da Medicina do Trabalho. Os atendimentos são realizados por psicólogos e psiquiatras. “Eu me senti acolhida e apoiada pelo hospital, especialmente no início da pandemia Covid-19, quando o mundo todo estava em um momento difícil e as informações da OMS ainda eram desencontradas. Nosso psicológico vira um turbilhão, misto de querer ajudar com medo de ficar doente. Na mesma época passava por problemas pessoais. O atendimento da equipe foi essencial e tem sido até hoje. Sigo em acompanhamento com consultas a cada dois meses. Me sinto fortalecida e pronta para seguir sempre em frente”, afirma uma colaboradora que prefere não se identificar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.