Semana da Doação de Órgãos do Hospital São Francisco celebra resultados positivos e destaca novas técnicas de transplante

268

Desde 2013, o Centro Avançado de Transplante de Órgãos e Tecidos do Hospital São Francisco na Providência de Deus (HSF) vem transformando vidas e devolvendo a esperança a pacientes que necessitavam de novos órgãos para seguir em frente. O HSF lidera o ranking do estado do Rio de Janeiro, ocupando a liderança e vice-liderança em transplantes renais e hepáticos no Rio de Janeiro, respectivamente. A novidade a se comemorar neste 2019 é um aumento da ordem de 40% no número de transplantes de rim realizados na unidade, contribuição importante da unidade de saúde para a redução da lista de espera pelo órgão e na devolução da qualidade de vida para mais pacientes.

Mobilizado pelo Dia Nacional da Doação de Órgãos, o HSF programou uma semana inteira de eventos. O objetivo é celebrar os bons resultados alcançados graças à expertise das equipes responsáveis pelos transplantes renais, hepáticos e de córnea da unidade, e aos familiares dos doadores de órgãos, que em um momento de grande sofrimento decidem que a vida precisa continuar.

A V Semana da Doação de Órgãos do HSF terá uma programação científica a partir da terça-feira, dia 24, com a participação de especialistas, que irão destacar questões como a assistência humanizada e o papel do HSF nos cenários regional, nacional e até mesmo mundial da realização de transplantes. O Dia Nacional da Doação, celebrado em 27 de setembro, terá um momento especial, com a mesa redonda “A vida pós-transplante”, na qual pacientes transplantados irão compartilhar histórias de superação e esperança. No encerramento da programação, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, celebrará uma missa solene, às 10h.

“Nosso maior objetivo é a preservação da vida. Temos toda a estrutura necessária e equipes altamente capacitadas para a realização de transplantes, mas nada disso seria possível sem a conscientização das famílias de doadores. A programação da V Semana da Doação de Órgãos visa valorizar os doadores e conscientizar a população de que todos devem fazer a sua parte para a vida continuar”, afirma Frei Paulo Batista, diretor geral do HSF.

O evento

A V Semana Nacional da Doação de Órgãos do HSF terá apresentações técnicas de médicos da unidade, além das participações do coordenador médico da Organização de Procura de Órgão – OPO Norte, Antônio Justo e de Ana Carolina Almeida, diretora técnica do Programa Estadual de Transplantes (PET). Em sua fala, Justo irá destacar como é a atuação da OPO Norte, criada para garantir apoio ao PET, na busca ativa por pacientes com lesões neurológicas graves que podem evoluir para morte cerebral, condição para a doação de órgãos. “Registramos um alto índice de negativas familiares no Rio de Janeiro, mas temos alcançado bons resultados com a equipe da OPO Norte”, garante ele.

A atuação do HSF na realização de transplantes de córnea, fígado e rim será abordada por especialistas da instituição. Na terça (24), os coordenadores do Serviço de Transplantes de Córnea, Gustavo Bonfadini e Victor Roisman apresentarão dados sobre os procedimentos realizados no HSF, que oferece aos pacientes um centro de transplante moderno e seguro. “Realizamos o que há de mais moderno em termos de transplante de córnea no mundo, o transplante lamelar, no qual apenas as células doentes são retiradas e substituídas. Isso garante uma recuperação mais rápida do paciente, menos chance de que haja alguma complicação e aumenta as chances de o paciente recuperar a visão. Importante dizer que tudo isso ocorre com o suporte da estrutura de um grande hospital geral”, destaca Bonfadini.

O papel de destaque do HSF como centro transplantador não só no cenário do estado do Rio de Janeiro, mas também em nível nacional e até mesmo mundial será um dos pontos altos da apresentação do coordenador do CTI de transplantes de pós-operatório, Pedro Tibúrcio. “Vou apresentar um panorama da atuação do HSF, instituição que tem um protagonismo importante na realização de transplantes, mas quero enfatizar que é importante fortalecer outros polos transplantadores não só na cidade do Rio, mas também no interior do estado. Nesse sentido, é importante frisar a atuação do HSF na parceria com a PUC-Rio, na capacitação de médicos, no curso de Especialização em Transplante Renal, que tem coordenação e conta com especialistas da equipe do HSF no corpo docente”, conta Tibúrcio. Ele adianta que vai apresentar modelos de sucesso de serviços de transplante em todo o mundo e a boa notícia é que no Brasil e em especial no Rio de Janeiro, com a atuação do PET, se desenvolveu uma política virtuosa de realização de transplantes.

O panorama dos transplantes renais no HSF será abordado pela nefrologista Tereza Matuck, que irá destacar o grande volume de procedimentos realizados na unidade. O HSF figura no topo da lista dos centros transplantadores renais do estado do Rio de Janeiro e ocupa a quarta posição no ranking nacional. O transplante renal em idosos será tema da palestra da nefrologista Claudia Fagundes. De acordo com ela, o Brasil tem aproximadamente 130 mil pacientes em programa de diálise, cerca de 38% com idade superior a 60 anos. “O transplante é o melhor tratamento disponível para insuficiência renal crônica em estádio terminal. Além de melhor qualidade de vida, também possibilita sobrevida superior à oferecida pelas demais formas de substituição renal, por menor custo a longo prazo e estas vantagens podem ser verificadas inclusive entre a população de idosos. Com o advento de novas terapias, melhorias nos critérios de seleção do doador e receptor e cuidados perioperatórios, constatamos aumento no número de transplantes na população idosa. Aqui no HSF, cerca de 20% dos transplantes realizados foram em pacientes idosos”, conclui a especialista.

Confira a programação completa em www.hospitalsaofranciscorj.com.br.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

dezessete + dez =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.