Técnica que é nova promessa nos tratamentos de linfoma será tema de Conferência Internacional

Com o avanço da medicina, as chances de tratamentos para garantir uma qualidade de vida melhor ou até mesmo a cura para algumas doenças também aumentam. É a aposta da terapia genética conhecida como Car-T Cell, uma importante descoberta de terapia genética que está sendo estudada para os pacientes de linfoma, em que é feita a transferência dos genes de uma molécula para outra. Com esse procedimento é possível realizar a transferência dos genes de uma molécula para outra, utilizado o linfócito do tipo T – que comanda a resposta do corpo aos vírus e ao câncer.

Nesse método, a medicina conta com um principal aliado: a tecnologia. O Car-T Cell, conta com quatro principais etapas. Na primeira, é feita a coleta das células T do paciente, através de uma aférese – que consiste no processamento do sangue total através de um equipamento automatizado, no qual o sangue total será processado e separado. Num segundo momento, as células T são modificadas em laboratório para dar origem às células CAR T. Após a modificação, as células CAR T são multiplicadas até uma dose adequada para o peso do paciente. Ao final, as células CAR T são infundidas na circulação sanguínea do paciente, promovendo a destruição de células específicas do câncer.

“Tenho quase 50 anos de profissão e não imaginava que viveria para conhecer a chegada dessas novas técnicas chamadas ‘free chemotherapy’, ou seja, quimioterapia livre. E o que me deixa feliz é saber que esse é um marco de uma nova era em que procedimentos invasivos devem ser substituídos cada vez mais por processos inovadores, eficazes e com menos efeitos colaterais para o paciente”, revela Dr. Carlos Chiattone, hematologista e Professor Titular de Hematologia e Oncologia da FCM da Santa Casa -SP.

ABHH também avalia o impacto da pandemia em pacientes hematológicos

O ano de 2021 trouxe a marca do surto do novo Coronavírus e a medicina voltou a sua atenção para o impacto do Covid-19 na vida das pessoas, em especial, às que necessitam de cuidados especiais em decorrência de uma doença crônica. “Nesse contexto, precisamos observar dois aspectos importantes desse momento: o primeiro é que as pessoas procuram menos os serviços de saúde e há um evidente atraso do diagnóstico, em especial, nos linfomas agressivos que costumam ser de crescimento rápido. O segundo, sem dúvida, é que há uma percepção de piora no tratamento em pacientes oncológicos que se contaminaram com a Covid-19”, explica o especialista

A doença ainda segue com uma forte preocupação e, nesse sentido, o especialista explica que é fundamental as pessoas continuarem buscando atendimento médico com todas as precauções. “Hoje, estamos realizando, nos casos possíveis, atendimentos virtuais com a mesma qualidade e resultado em comparação aos presenciais”, relata Dr. Chiattone.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.