Traumec apresenta centro de inovação com foco científico

1264
Paulo, José Aldo, Dra. Nadja e César apresentaram o ETIC durante o evento de lançamento

Para estimular a pesquisa e a inovação no Brasil, a Traumec lançou o ETIC Training – Education and Technological Innovation Center, uma instituição de alcance global que prima pelo desenvolvimento científico. Seu objetivo é incentivar a investigação de novas tecnologias, abordagens e técnicas cirúrgicas, além de promover o intercâmbio de informações entre equipes científicas e tecnológicas, incluindo indústria e serviços.

O evento de lançamento aconteceu no dia 25 de outubro, em São Paulo, juntamente com o painel “Indústria e Saúde 4.0: impactos e desafios”, que reuniu especialistas para discutir os mais importantes avanços na área da saúde.

Os sócios-fundadores da Traumec e do ETIC, Paulo Caritá, diretor industrial; César Caritá, diretor de marketing; e José Aldo N. Demarchi, diretor financeiro, abriram o encontro. Eles explicaram que a semente do ETIC foi lançada há alguns anos, em uma reunião de consultoria, onde foi sugerida a criação de um centro de educação, pesquisa e desenvolvimento que fosse dissociado da fábrica. “A ideia nos interessou muito, porque teríamos uma maior aproximação com a comunidade científica, que certamente traria ainda mais eficiência e eficácia aos nossos produtos. Pouco tempo depois, em um evento na Anvisa, tivemos a felicidade de conhecer a Dra. Nadja Oliveira, que nos apresentou o tema Indústria 4.0. Foi quando melhor compreendemos sua importância”, expôs Paulo.

Segundo José Aldo, a Saúde 4.0 e a Indústria 4.0 não são mais o futuro, mas, sim, o presente. “O ETIC surge para unir todas as áreas do conhecimento do setor de saúde, com o propósito de criar soluções que irão certamente contribuir para a melhor qualidade de vida dos pacientes. Acreditamos que envolvendo pesquisa, certificação, fabricação e treinamento iremos alcançar nosso objetivo, que é criar produtos inovadores para beneficiar toda a população”, disse.

Logo depois, Marcelo Franchitto, diretor de inovação do ETIC, comentou que em tempos de startups, unicórnios e parques tecnológicos, é necessário, cada vez mais, adotar iniciativas de incorporação de tecnologia em saúde e investir em ciência. “A transformação digital deve ser prioridade para quem quer sobreviver ao processo de seleção natural da 4ª Revolução Industrial”, salientou.

Na sequência, a coordenadora científica do ETIC, Nadja Oliveira, doutora e mestra em Ciência e Engenharia dos Materiais e diretora técnica da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, abordou o tema central. Segundo ela, a incorporação de tecnologias inovadoras e o conceito de Indústria e Saúde 4.0 trazem propostas para ampliar o acesso da população à saúde. O termo é usado para destacar a importância da integração da Tecnologia da Informação com Dispositivos Médicos e o setor de serviços (atendimento online e logística). “Este conceito envolve digitalização de dados, interconectividade entre máquinas e comandos, bancos de dados mais eficientes e, principalmente, maior transparência e autonomia na verificação dos processos”, ressaltou.

Dra. Nadja explicou que a incorporação da tecnologia médica mais adequada ao perfil da população de um país, no caso o Brasil, passa por um longo ciclo, que inclui: identificação das necessidades, avaliação e introdução da tecnologia no sistema, sua produção doméstica ou importação, regulação, gestão de compras, pagamentos e reembolsos, utilização, treinamento de uso, manutenção, substituição, descarte, e volta ao aprimoramento incremental do produto, através do desenvolvimento de novas tecnologias. “A indústria nacional tem muito a evoluir, mas está no caminho correto, pois já exporta e é competitiva internacionalmente”, disse.

Na sequência, Dr. Fernando Melhem Elias, professor associado da disciplina de Cirurgia Bucomaxilofacial da USP e Chefe de Equipe de Cirurgia Bucomaxilofacial dos Hospitais BP e Alemão Oswaldo Cruz, falou sobre simulação virtual e manufatura aditiva nas áreas de cirurgia bucomaxilo, crâniomaxilo, de crânio e pescoço, ortopedia e neurocirurgia.

Felipe Augusto Santiago de Almeida, Consultor Médico de Inovação da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, apresentou a Eretz.bio, iniciativa da entidade que tem como principal missão fomentar o ambiente de empreendedorismo e inovação em saúde no Brasil. Por fim, Alexandre Dantas Rodrigues, pesquisador em propriedade industrial do INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial, falou sobre a importância das patentes no processo de desenvolvimento tecnológico e inovação associado à Indústria 4.0 com enfoque na saúde.

Informações: www.etictraining.com.br