Vantagens do autocuidado para a sociedade brasileira

No dia 24 de julho, o Brasil e o mundo celebram o Dia Internacional do Autocuidado. Instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a data tem como objetivo conscientizar e engajar as pessoas na tomada de decisões em relação à própria saúde. Segundo a OMS, a definição de autocuidado já fala por si e trata-se da habilidade de indivíduos, famílias e comunidades promoverem saúde e prevenirem doenças, com ou sem o apoio de um provedor de saúde.

De acordo com a ACESSA (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para o Autocuidado em Saúde), principal interlocutora e representante no país sobre o tema, os chamados sete pilares do autocuidado, também estabelecidos pela OMS, são primordiais para a manutenção de uma boa saúde e qualidade de vida. São eles: o uso racional de produtos e serviços de saúde, conhecimento seguro de informações em saúde (ou literacia em saúde), bem-estar mental e autoconhecimento, a prática de atividades físicas, uma alimentação saudável, consciência de atitudes de risco (como tabagismo e álcool em excesso) e uma boa higiene pessoal e do ambiente.

Segundo a própria OMS, reduzir fatores de risco pessoais, como inatividade física ou uso de tabaco, por exemplo, pode prevenir 81% das doenças do coração. Ou seja, poderiam ser evitados se o autocuidado fosse uma prática adotada pelos países como parte de uma política pública de saúde. O empoderamento e a educação da sociedade, além de impactar na qualidade de vida da população, também gerariam uma economia ao setor de saúde no geral.

“A educação é de grande importância para toda a sociedade, para que se possa ter acesso a dados e informações verídicas de qualidade, além de contribuir com a sustentabilidade do setor de saúde, visto que já é comprovado que quando as pessoas conseguem se autocuidar, elas utilizam menos o sistema. Esse impacto é positivo, tanto para a população, que se expõe menos a riscos, quanto para o sistema de saúde. Claro que, caso os sintomas persistam, é recomendável que um médico seja sempre consultado”, afirma Marli Martins Sileci, vice-presidente executiva da ACESSA.

Estudo realizado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), intitulado ‘Utilização de medicamentos isentos de prescrição (MIPs) e economia gerada para os sistemas de saúde’, publicado em 2017, mostrou que o uso de MIPs gera uma economia anual de R$ 364 milhões para o Sistema Único de Saúde (SUS). O levantamento ainda trouxe que, para cada R$ 1,00 investido no consumo deste tipo de medicamento, há uma economia para o setor público de saúde de até R$ 7,00.

Isso acontece, pois se reduz as faltas ao trabalho (absenteísmo), idas desnecessárias aos consultórios médicos e aos serviços de pronto atendimento e ainda a realização de exames diagnósticos para questões simples de saúde.

Em um contexto de frequente pressão e déficit de recursos do sistema de saúde brasileiro, a disponibilização de Medicamentos Isentos de Prescrição (MIPs) reduz a necessidade de os cidadãos irem a um serviço de saúde para tratar de um sinal ou sintoma já conhecido de uma doença não grave. “Isso não quer dizer que os MIPs possam ser utilizados indiscriminadamente, muito pelo contrário, é preciso que o consumidor utilize um MIP, em seus primeiros sintomas, observando sempre as instruções de bula e rotulagem”, enfatiza Marli.

Brasil no contexto mundial do Autocuidado

Recentemente, foi publicado pela Federação Internacional de Autocuidado (GSCF) um estudo intitulado Self-Care Readiness Index, levantamento global que comprova que capacitar as pessoas a praticarem o autocuidado contribui para a sustentabilidade dos sistemas de saúde, além de os impactos positivos na vida e na saúde dos indivíduos. Os 10 países participantes foram avaliados por meio das seguintes categorias: Apoio e adoção do autocuidado pelos stakeholders; Empoderamento do consumidor e do paciente; Política de Saúde de Autocuidado; Ambiente Regulatório.

No cenário mundial, o Brasil é o quarto país, dentre os avaliados, que mais pratica o autocuidado. Ao avaliar as quatro categorias do estudo, observa-se que no país, geralmente os profissionais da saúde e stakeholders, recomendam a prática e os pacientes se sentem bem-informados. Entretanto, ainda falta investimento na qualidade de saúde e no acesso às informações, para que o público se sinta mais seguro. Por ser uma das principais interlocutoras sobre o tema do autocuidado no Brasil, a ACESSA esteve entre os entrevistados.

O estudo mostrou ainda que na América Latina, 84% da população afirmou ter praticado o autocuidado entre 2020/2021, porém dentro dessa porcentagem, 56% precisaram suspender visitas ao médico devido ao isolamento social e ao colapso do sistema público de saúde.

PL do ‘Dia Nacional do Autocuidado’

Existe um projeto de lei em tramitação, o PL 3099/2019, de autoria do Deputado Juninho do Pneu (União-RJ), que institui no calendário nacional o ‘Dia Nacional do Autocuidado’.

“Desejamos que essa data também se replique nacionalmente. O Projeto de Lei para a criação da data oficial já está em tramitação na Câmara dos Deputados e aguarda parecer da Comissão de Seguridade Social e Família. Com a inclusão em nosso calendário local, seríamos capazes de criar programas de política pública para valorizar ainda mais a prática do autocuidado no Brasil”, ressalta Marli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.