Vera Cruz Hospital resgata figura do Médico de Família

O Vera Cruz Hospital, de Campinas (SP), inaugurou nesta terça-feira (1) um novo serviço: espaço Vera Cruz Cuidado Integrado, focado no programa de Atenção Primária à Saúde (APS), trazendo a figura do médico de família na saúde suplementar. “O médico de família é capaz de resolver até 92% dos problemas de saúde. Junto com uma equipe multiprofissional, realiza um plano terapêutico personalizado para cada paciente. A grande diferença da equipe da Atenção Primária é que ela retira a doença do centro do cuidado e coloca a pessoa, dando atenção ao que importa para adquirir uma vida saudável e feliz. Por isso, construímos um projeto que eleva o nível da saúde, agregando valor, promovendo acesso e zelando pelo pioneirismo na inovação”, explica Daniela Zilioli Ávila Osório, Gestora de Inovação, Valor e Acesso.

Segundo a gestora, a equipe é composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e apoio administrativo e vai cuidar desde a infância até a idade adulta, por meio de uma relação duradoura e de confiança. “A ideia é permitir que a pessoa cresça e se desenvolva sob os nossos cuidados, fortalecendo o vínculo conosco. Vamos promover saúde e prevenir doença. Não estamos mudando o modelo de saúde, mas transcendendo a capacidade de cuidado com excelência”, afirma Daniela. Ainda de acordo com ela, 50% das causas de doenças são oriundas dos hábitos de vida, por isso, o programa conta com uma equipe multiprofissional, capaz de cuidar da saúde de forma geral. “Por isso, é tão importante pensar em um programa de Atenção Primária à Saúde”, completa.

Para a Gestora Médica do serviço, Natália Saraceni, a atenção primária é essencial, pois cria um elo de confiança entre o paciente e a equipe médica. “Vivemos um modelo de saúde em que o paciente é visto de forma fragmentada por sistemas, por exemplo: endócrino, gastrointestinal, cardiovascular e outros, sendo que tudo está interligado e vários outros fatores contribuem para promoção da saúde. Nosso papel é investigar não só o histórico clínico, como o contexto social, psicológico e familiar desse paciente para entender como está a sua saúde e não somente tratar a doença. Em conjunto com os setores secundários (especialidades clínicas e cirúrgicas) e terciários (hospital), vamos buscar soluções, apoio e tratamento que conversem entre si”, explica a médica.

“Precisamos fortalecer as ações de promoção à saúde e também a prevenção das complicações secundárias às doenças crônicas. Mais do que a genética, o que predispõe ou agrava a doença é o estilo de vida, como hábitos e comportamentos socialmente adquiridos. Precisamos cuidar integralmente das pessoas e não apenas de suas queixas pontuais, e garantir que se tiverem problemas crônicos, eles não evoluam de forma desfavorável à saúde global”, completa a médica de Atenção Primária à Saúde e Sanitarista Rosalía Matera.

A pandemia da Covid-19, segundo a especialista, prova ainda mais a importância do médico da família e da comunidade. “Nosso trabalho é baseado em escuta, humanização e acolhimento. Esse é o diferencial e para isso somos capacitados. Para tratar pessoas é necessário avaliar o seu contexto social, suas necessidades psicológicas e a dinâmica familiar desse indivíduo, afinal, são grandes os impactos dos pensamentos e emoções na saúde física. Na pandemia, acompanhamos muitas pessoas adoecerem por estarem vivendo confinadas, isoladas e por medo da doença. Nosso papel é intervir promovendo um suporte seguro para esse paciente”, completa a especialista, que é PhD em Gerontologia e Geriatria.

“Neste modelo, equipes multidisciplinares lideradas por médicos de família são responsáveis pela coordenação do cuidado de um grupo de pacientes, fazendo com que o beneficiário seja sempre acompanhado pelos mesmos profissionais. Isto contribui para a criação de vínculo e melhora o entendimento da qualidade de vida, refletindo nos indicadores de saúde”, afirma o diretor presidente do Vera Cruz Hospital, Erickson Blun. “O avanço de novas tecnologias, o envelhecimento e a mudança do perfil epidemiológico da população nos levaram a um modelo mais sustentável de saúde e sem prejuízo à segurança do paciente”, completa.

Entre as principais funções do médico da família e da equipe de saúde estão: redução dos riscos de automedicação e autodiagnóstico, olhar integrado sobre o paciente, avaliando o contexto social e familiar, além de redução da necessidade de encaminhamentos desnecessários para exames de alta complexidade, especialistas e internação hospitalar. “Precisamos de uma mudança de cultura. Esta relação duradoura é de extrema importância, pois é necessário entender o contexto pessoal do paciente para promover saúde e tratar muitas doenças. Num acompanhamento hospitalar ou ambulatorial fragmentado, grande parte do contexto da pessoa se perde prejudicando o tratamento de doenças. Já nesse modelo de atendimento, o paciente está no centro do cuidado”, completa Daniela.

O novo programa vai mapear pacientes e estabelecer uma linha de cuidado específica, com protocolos de atenção à saúde e prevenção de doenças. Também irá monitorar a jornada do paciente dentro do sistema de saúde, pois contará com a ajuda de um sistema de informação integrado entre a Atenção Primária, Atenção Secundária (clínicas, laboratórios e exames de imagens) e Atenção Terciária (hospitais). Com a integração do sistema de informação, tanto os profissionais da Atenção Primária quanto os profissionais das clínicas e hospitais, poderão acessar informações importantes para agilizar tratamentos e evitar procedimentos desnecessários ou internações por falta de informações. Haverá ainda uma Central de Atendimento, 24 horas por dia, 7 dias por semana, capaz de auxiliar qualquer dúvida do paciente. A sede do Vera Cruz Cuidado Integrado fica na Rua Luzitana, nº 681, no Centro de Campinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.