Abimo inicia conversas com governos sobre seringas para vacina contra Covid-19

61

Com o avanço dos testes de vacinas contra a Covid-19 e a necessidade de distribuição iminente à população, a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) iniciou conversas com os governos federal e dos estados sobre a necessidade de articulação e de planejamento para que não falte seringas para as doses da vacina do novo Coronavírus.

Atualmente, a capacidade de produção nacional é de 1,2 bilhão de seringas por ano (1ml, 3ml, 5ml, 10ml e 20ml) fabricadas por três empresas (BD, SR e Injex). Deste total, cerca de 400 milhões de unidades são importadas da China e da Índia. Entretanto, a capacidade máxima da produção nacional é de 1,5 bilhão de seringas. A corrida nacional e internacional por insumos e equipamentos para o tratamento de pacientes com coronavírus nos últimos meses evidenciou ainda mais a necessidade de um planejamento prévio para que não ocorra desabastecimento interno.

Embora a demanda atual no Brasil seja plenamente atendida, o volume de pedidos para seringas de 3ml (as mais utilizadas nas vacinações) deverá subir exponencialmente conforme as vacinas de Covid-19 forem liberadas. Por este motivo, é fundamental que os governos estejam preparados para se adiantar a essa nova necessidade, considerando as quantidades e a periodicidade de doses que a vacina aprovada irá demandar. “Com a experiência problemática na compra dos ventiladores e dos EPIs, o ideal será centralizar no governo federal a compra das seringas por meio de licitação, com pelo menos seis meses de antecedência”, explica o superintendente da Abimo, Paulo Henrique Fraccaro.

Estima-se que somente para uma campanha nacional de vacinação, como por exemplo, a do sarampo, são necessárias 130 milhões de seringas. No caso de uma vacina para a Covid-19, se for liofilizada, por exemplo, será necessária uma seringa a mais um para fazer a diluição. “Países como Inglaterra, Canadá e Estados Unidos já estão se programando neste tema de seringas, com solicitação de implantação de linhas de produção dedicadas. No Brasil, como exemplo, o tempo de produção para 50 milhões de seringas é de cinco meses. Por este motivo é de extrema importância que os governos comecem a se programar agora”, explica.

Uma das associadas da Abimo, a BD, primeira a produzir no território brasileiro seringas descartáveis e importante fabricante no setor, está acompanhando de perto o assunto. “Serão necessários volumes muito grandes de seringas em um curto prazo de entrega. Isso demandará um trabalho conjunto do setor público com o setor privado, para que haja programação para antecipação dessa produção. Caso contrário, quando chegar a vacina, não haverá como evitar a falta de seringas no mercado”, esclarece o diretor de Assuntos Corporativos da BD, Walban Damasceno.

O planejamento para fabricação, aquisição e distribuição das seringas também evitará que o país enfrente novamente problemas e, na tentativa de saná-los, ter que buscar produtos importados que poderão vir com a falta de qualidade, sem registro e com alta nos preços por causa da alta demanda internacional. “Este novo cenário será muito parecido com o que ocorreu com a disputa por ventiladores pulmonares no começo da pandemia. Se os governos se organizarem, a indústria nacional, certamente, estará preparada para atender os pedidos, com preços compatíveis e prazos de entrega adequados. Dessa forma, além da valorização da nossa indústria, os governos não ficarão à mercê da disponibilidade do mercado internacional que, sem dúvida nenhuma, será disputado neste mesmo tempo por outros países”, finaliza Fraccaro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

4 × 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.