Aproximadamente 35% dos pacientes com câncer desenvolverão hipertensão ao longo do tratamento oncológico

Para muitos pacientes oncológicos, infelizmente, o tratamento quimioterápico e radioterápico acarreta um efeito colateral para lá de indesejável: a cardiotoxicidade, que corresponde a uma série de consequências cardiovasculares, que podem ser tão letais quanto o próprio câncer.

De acordo com estudos recentes da Sociedade de Cardiologia, em um grupo de 63,5 mil pacientes com câncer de mama, por exemplo, 15% das mortes aconteceram por causas cardiovasculares até oito anos após o término do tratamento oncológico, enquanto os óbitos em decorrência da própria doença representaram 15,1%. De acordo com a cardiologista Monica Avila, as antraciclinas, quimioterápicos que compõem a base do tratamento para combate do câncer de mama, são as grandes responsáveis pelo dano. Outro estudo publicado no Journal of Clinical Oncology aponta que pacientes submetidos ao tratamento contra o câncer de mama têm 3,6 vezes mais chances de desenvolver problemas cardíacos. Já para aqueles que usaram medicações contra a leucemia a incidência é 4,2 vezes maior.

A importância deste cenário mereceu uma mesa redonda durante o 41º Congresso Virtual da SOCESP – Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, que acontece entre os dias 10 e 12 de junho: ‘Cardio-oncologia: um novo desafio da cardiologia’, que contará com as palestras ‘Cardiotoxicidade além da disfunção miocárdica: hipertensão arterial sistêmica (HAS), isquemia miocárdica e arritmias’, com a cardio-oncologista Tatiana Galvão, e ‘Prevenção e tratamento da cardiotoxicidade’, com Monica Avila.

“Iremos abordar os efeitos do tratamento quimioterápico e radioterápico no coração, que vai muito além da disfunção miocárdica, que constitui a cardiotoxicidade mais conhecida”, explica Tatiana. “A abordagem para o controle oncológico pode levar à maior incidência de arritmia, isquemia miocárdica e ao surgimento ou agravamento da HAS”.

Para se ter uma ideia, estima-se que em torno 35% dos pacientes com câncer desenvolverão HAS ao longo do tratamento, incluindo o surgimento de hipertensão severa e crises hipertensivas. A presença de HAS prévia ao tratamento de neoplasias, bem como de outra doença cardiovascular, como doença coronariana, arritmias, ou valvopatia é preditora do desenvolvimento de miocardiopatia pelo uso dos quimioterápicos.  Além disto HAS é a comorbidade mais frequentemente registrada em pacientes com câncer e sua incidência aumenta com determinadas classes de quimioterápicos.

Segundo a Diretriz Brasileira de Cardio-oncologia, a HAS, a doença renal crônica, a doença cardiovascular e o câncer têm fatores de risco em comum, como tabagismo, obesidade e diabetes. Por isso, muitos tipos de câncer e seus tratamentos causam ou agravam a HAS preexistente por efeitos vasculares, endoteliais e renais.

“O papel do cardio-oncologista é justamente monitorar a ocorrência de cardiotoxicidade, lembrando que, para os pacientes com fatores de risco cardiovascular é fundamental a prevenção”, alerta a especialista. “O controle adequado de fatores de risco pré-existentes e a instituição precoce de tratamento cardioprotetor possibilita que este ele possa fazer o protocolo oncológico mais adequado, com menos consequências cardiovasculares.”

Prevenção: antes, durante e depois

A especialista Monica, durante sua aula ‘Prevenção e tratamento da cardiotoxicidade’, irá falar sobre os cuidados e o acompanhamento antes, durante e depois do início do processo quimioterápico principalmente em pacientes com câncer de mama. A cardiologista foi uma das responsáveis por desenvolver este trabalho preventivo no SUS. “São mulheres que, normalmente, não têm muito acesso a investigações cardiovasculares”, diz.

“Sempre começamos com uma avaliação do risco cardiovascular prévio do paciente que será submetido à quimio”, explica Monica. “E, dependendo da necessidade de cada caso, entramos com a prevenção da cardiotoxicidade com medicações cardiovasculares durante o processo. Caso aconteça de o paciente desenvolver a complicação durante o tratamento, ministramos as drogas que o ajudem a  se recuperar do quadro de cardioxicidade para retomar o protocolo oncológico propriamente dito.”

Brasileiro abandona tratamento para controlar colesterol três meses após início

O controle da dislipidemia (colesterol elevado) é um grande desafio para os cardiologistas, no Brasil. Em média, os pacientes abandonam o tratamento três meses após o início. A informação é do professor e orientador do Programa de Pós-Graduação do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia/Universidade de São Paulo, Marcelo Bertolami, que vai coordenar um painel sobre novas terapias Hipolipemiantes, no 41º Congresso Virtual da SOCESP – Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo, entre os dias 10 e 12 de junho.

“Existem hoje sete tipos de estatinas no mercado, sendo a mais potente a rosuvastatina. São medicamentos que diminuem a fabricação de colesterol ruim (o LDL) pelas células e reduzem risco de aterosclerose, o entupimento as artérias que pode levar ao infarto ou AVC. O problema é que a maioria dos brasileiros diagnosticados com o problema inicia o tratamento, mas interrompe por conta própria sem atingir a meta. Ou atinge o índice recomendado pelo médico e para de tomar o remédio”, diz o cardiologista.

Um estudo da SOCESP com mais de 9.000 pacientes tratados em unidades básicas de saúde de 32 cidades do Estado de São Paulo constatou que apenas 16% das pessoas apresentavam valores de controle do colesterol dentro das metas determinadas pela Diretriz Brasileira de Dislipidemia e Prevenção da Aterosclerose. O colesterol foi o fator de risco cardiovascular menos controlado pela população.

Para Marcelo Bertolami, é preciso investir em educação médica continuada. “Em alguns casos, o cuidado com a alimentação, a prática de atividade física e a diminuição do estresse já são suficientes para que o colesterol ruim caia; mas existem outros que o uso do medicamento será para o resto da vida. Os cardiologistas precisam se reciclar com regularidade para estarem aptos a oferecer as melhores terapias aos pacientes e convencê-los da importância da continuidade no tratamento”.

Outros fatores de risco e o colesterol

No mesmo Congresso serão debatidas as Estratégias de Prevenção da Aterosclerose após o Controle Lipídico, com foco no diabetes tipo 2, na obesidade e no tabagismo. “Entenderemos os papéis de ISGLT2 (Sodium Glucose Linked Transporter) e de Aglp-1 (Glucagon Like Peptide 1-incretina) na redução da mortalidade cardiovascular; discutiremos quão determinante e central é a obesidade para o risco cardiovascular residual à nível populacional; e traremos dados de um estudo recente sobre mudança de paradigma impactante na atenção ao tratamento do tabagismo”, afirma a coordenadora do painel, docente de pós-graduação do Instituto do Coração e livre docente em medicina pela UNIFESP, Tânia Martinez.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.