Artigo – Como serviços de cuidados paliativos em todo mundo lidaram com a Covid-19

Os serviços especializados de cuidados paliativos têm sido flexíveis, altamente adaptáveis e adotaram um modelo de “inovação frugal” de baixo custo em resposta à pandemia Covid-19, dizem os pesquisadores.

O estudo CovPall, publicado na Palliative Medicine, é um projeto colaborativo entre a Lancaster University, o Cicely Saunders Institute no King’s College London, a Hull York Medical School e a University of York.

O objetivo é compreender a resposta multinacional de cuidados paliativos especializados à Covid-19 por meio de uma pesquisa online com mais de 450 prestadores de cuidados paliativos especializados em hospícios em todo o mundo.

Lesley Dunleavy, a Professora Catherine Walshe e a Professora Nancy Preston do Observatório Internacional de Cuidados no Fim da Vida da Lancaster University lideraram o mapeamento e análise dos tipos de inovações e mudanças práticas feitas por serviços especializados de cuidados paliativos em resposta à pandemia.

Exemplos incluídos:

  • Criando um único ponto de acesso para pacientes, cuidadores familiares e profissionais de saúde;
  • Usando tecnologia de comunicação para fornecer atendimento clínico;
  • Desenvolver diretrizes de controle de sintomas da Covid-19 e fornecer treinamento em cuidados de final de vida.

Os serviços relataram uma série de desafios e preocupações ao responder à pandemia, que incluiu trabalhar em um clima de medo e ansiedade elevados, falta de infraestrutura de TI, como manter a cobertura fora de horas sem financiamento adequado e como se manter atualizado em situação de mudança. Houve evidências de que os serviços às vezes duplicavam o desenvolvimento de diretrizes e políticas.

O estudo destacou que os serviços especializados de cuidados paliativos precisam de melhor apoio financeiro, mas também precisam construir resiliência organizacional e impulsionar a inovação por meio de uma maior colaboração para gerenciar o impacto da pandemia ou de qualquer crise futura.

Fonte: Lesley Dunleavy et al. ‘Necessity is the mother of invention’: Specialist palliative care service innovation and practice change in response to COVID-19. Results from a multinational survey (CovPall), Palliative Medicine (2021). DOI: 10.1177/02692163211000660

Rubens De Fraga Júnior é professor da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.