Artigo – Vacinação da gripe é ligada a 40% de redução do risco de Alzheimer

As pessoas que receberam pelo menos uma vacina contra a gripe foram 40% menos propensas do que seus pares não vacinados a desenvolver a doença de Alzheimer ao longo de quatro anos, de acordo com um novo estudo da UTHealth Houston.

A pesquisa comparou o risco de incidência da doença de Alzheimer entre pacientes com e sem vacinação prévia de gripe em uma grande amostra nacional de idosos nos EUA. Uma versão on-line inicial do artigo detalhando as descobertas está disponível antes de sua publicação na edição de 2 de agosto do Jornal of Alzheimer’s Disease.

“Descobrimos que a vacinação contra a gripe em idosos reduz o risco de desenvolver a doença de Alzheimer por vários anos. A força desse efeito protetor aumentou com o número de anos em que uma pessoa recebeu uma vacina anual contra a gripe – em outras palavras, a taxa de desenvolvimento da doença de Alzheimer foi o mais baixo entre aqueles que receberam consistentemente a vacina contra a gripe todos os anos”, disse Bukhbinder. Pesquisas futuras devem avaliar se a vacinação contra a gripe também está associada à taxa de progressão dos sintomas em pacientes que já têm demência de Alzheimer”.

O estudo, que ocorre dois anos depois que os pesquisadores da UTHealth Houston encontraram uma possível ligação entre a vacina contra a gripe e a redução do risco de doença de Alzheimer, analisou uma amostra muito maior do que pesquisas anteriores, incluindo 935.887 pacientes vacinados contra a gripe e 935.887 pacientes não vacinados.

Durante as consultas de acompanhamento de quatro anos, cerca de 5,1% dos pacientes vacinados contra a gripe desenvolveram a doença de Alzheimer. Enquanto isso, 8,5% dos pacientes não vacinados desenvolveram doença de Alzheimer durante o acompanhamento.

Esses resultados ressaltam o forte efeito protetor da vacina contra a gripe contra a doença de Alzheimer, de acordo com Bukhbinder e Schulz. No entanto, os mecanismos subjacentes a este processo requerem um estudo mais aprofundado.

“Como há evidências de que várias vacinas podem proteger contra a doença de Alzheimer, estamos pensando que não é um efeito específico da vacina contra a gripe”, disse Schulz, que também é professor da família Umphrey em doenças neurodegenerativas e diretor do Departamento de Distúrbios Neurocognitivos. “Em vez disso, acreditamos que o sistema imunológico é complexo, e algumas alterações, como pneumonia, podem ativá-lo de forma a piorar a doença de Alzheimer. Mas outras coisas que ativam o sistema imunológico podem fazê-lo de uma maneira diferente – uma que protege da doença de Alzheimer. Claramente, temos mais a aprender sobre como o sistema imunológico piora ou melhora os resultados nesta doença”.

A doença de Alzheimer afeta mais de 6 milhões de pessoas que vivem nos EUA, com o número de indivíduos afetados crescendo devido ao envelhecimento da população do país. Estudos anteriores descobriram uma diminuição do risco de demência associada à exposição prévia a várias vacinas para adultos, incluindo aquelas para tétano, poliomielite e herpes, além da vacina contra a gripe e outras.

Além disso, à medida que mais tempo passa desde a introdução da vacina Covid-19 e dados de acompanhamento mais longos se tornam disponíveis, Bukhbinder disse que valerá a pena investigar se existe uma associação semelhante entre a vacinação contra a Covid-19 e o risco de doença de Alzheimer.

Fonte: Avram S. Bukhbinder et al, Risk of Alzheimer’s Disease Following Influenza Vaccination: A Claims-Based Cohort Study Using Propensity Score Matching, Journal of Alzheimer’s Disease (2022). DOI: 10.3233/JAD-220361

Rubens de Fraga Júnior é professor de Gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR) e é médico especialista em Geriatria e Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.