Artigo – Marketing e saúde: como complementar o trabalho médico oferecendo informação de qualidade

Mais do que nunca estamos vivendo a era da disseminação rápida de informações. Acompanhamos de perto o quanto esse acesso modificou os relacionamentos empresariais e seus clientes e parceiros.

Quando falamos em saúde e marketing, geralmente o primeiro pensamento é de algo em que não há conversa, porém, com a era moderna, pudemos ver o quão essa área é estratégica para que informações de grande relevância e qualidade cheguem até a população e complementem os esclarecimentos médicos dentro dos consultórios e também por meio da telemedicina.

Há muito tempo o marketing na área de saúde deixou de apenas buscar o aumento da carteira de clientes e sim, em contribuir socialmente com as informações prestadas por meio das redes sociais, jornais e outras formas de comunicação. Com toda a certeza, quanto mais conteúdo qualificado, mais a empresa que o oferece ganha novo espaço no mercado de saúde suplementar e isso, reflete diretamente no aumento da carteira de vidas atendidas.

Ao se colocar no mercado estadual de referência em planos empresariais, a Paraná Clínicas adota uma gestão humanizada, que dá preferência por uma boa conversa entre médico e paciente, do que apenas em registrar aumento de números.

Esse direcionamento tem reflexo direto na área de marketing, afinal, o desafio é colocar em todos os meios de comunicação entre operadora e paciente a humanização, o sentimento de pertencimento e o carinho desta entidade curitibana e que possui planos ousados de expansão.

A chegada da pandemia do novo Coronavírus, acentuou ainda mais essa troca de informações, fazendo com que intensificássemos as comunicações para esclarecer as dúvidas dos pacientes e tranquiliza-los em relação aos atendimentos que não podiam ser descontinuados.

De forma rápida e qualificada, a Paraná Clínicas se adiantou ao momento e em março de 2020 iniciou os atendimentos remotos sem perder sua referência em acolhimento humanizado. Mais de 26.400 pacientes, já utilizaram a telemedicina da Paraná Clínicas e, em sua grande maioria, com altos níveis de satisfação.

O marketing no setor de saúde, assim como os demais, precisa acompanhar as inovações tecnológicas, as novidades de mercado e saber como aplicar tudo isso em favor dos clientes, por meio de campanhas que sejam marcantes e não sensacionalistas, que os pacientes consigam se sentirem acolhidos com palavras e imagens. A linha deste tipo de comunicação é muito tênue neste mercado, visto que muitas campanhas precisam ser um pouco mais impactantes, mas sem esquecer as premissas que conduzem a companhia.

Essa área, permeia todo o funcionamento de uma operadora de saúde, desde sua fachada, os uniformes, o método com que as pessoas são acolhidas, disposição de mobiliário, inovações tecnológicas, métodos de abordagem, linguagem de redes sociais e a lista de todas as áreas que o marketing atua seria infinita.

Arrisco dizer, que o marketing é um instrumento gerencial, uma ponte entre a empresa e seu público resultado em áreas como vendas e na fidelização de sua carteira de clientes, lembrando assim, dos do marketing citados pelos autores Nascimento e Lauterborn, em 1990 (Entusiasmar colaboradores; encantar Clientes; enlouquecer concorrentes; enriquecer a todos). Demonstrando mais uma vez, o quanto o marketing na área de saúde é uma ciência que precisa ser igualitária e diferenciada ao mesmo tempo, passando por todas as áreas e deixando sua marca com qualidade e precisão.

Juliane Kosiak Poitevin é formada em administração, especialista em marketing pela ESPM, com MBA em marketing pela FGV e, desde 2016, atua como gerente de marketing e comunicação da operadora de planos de saúde empresariais Paraná Clínicas, empresa integrante do Grupo SulAmérica com sede em Curitiba (PR)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.