Artigo – Pequenas medidas, grandes melhorias

A terceira semana de outubro possibilita a nós, médicos, em particular os infectologistas, trazer à tona um assunto fundamental. Estamos em plena Semana Internacional de Prevenção de Infecção Hospitalar e é preciso fazer um alerta: de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), infecções hospitalares são a quarta maior causa de mortes em todo o mundo. No Brasil, segundo um levantamento da Associação Nacional de Biossegurança (ANBio), são 100 mil vítimas fatais todos os anos. Apesar das evidências de que melhorar a higiene das mãos reduz o risco de infecção e melhora os resultados dos pacientes, o cumprimento da higiene das mãos permanece baixo. O número e tipos de bactérias nas mãos aumenta com o contato com o ambiente, pacientes ou outros profissionais de saúde.

A boa notícia é que os riscos de contaminação podem ser reduzidos em até 70% com uma simples medida: a correta higienização das mãos. De fato, do ponto de vista do controle de infecção hospitalar, essa é a principal medida defendida pela OMS, por organizações de saúde em todo o mundo e, também por instituições brasileiras, como a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). Um ato simples, barato e que é visto no mundo inteiro como o mais eficaz para salvar vidas. Sabia que de dois a 10 milhões de bactérias podem ser encontradas da ponta dos dedos até o cotovelo de um ser humano?

Uma das principais responsabilidades das equipes de controle de infecções dentro de instituições de saúde é desenvolver, implementar e monitorar programas de higienização das mãos como uma peça essencial na prevenção de infecções dentro dos ambientes de saúde. Esta tarefa seria facilitada com a inclusão de uma disciplina nas escolas médicas e de enfermagem dedicada ao controle de infecção hospitalar. Acredite! Não há debate algum a respeito desta questão dentro das escolas e faculdades.

É claro que o trabalho da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) vai muito além de treinar e fiscalizar equipes quanto à higienização das mãos. Isso é apenas um pedacinho do nosso trabalho. Enxergamos o hospital de forma holística: cozinha, farmácia, unidades de internação, lavanderia. O manejo correto do lixo. Tudo é objeto de fiscalização e atuação direta dos profissionais da CCIH, tanto as estruturas quanto os processos.

Para que este trabalho tenha sucesso, ou seja, para reduzir o risco de infecções dentro de uma unidade hospitalar, precisamos envolver todos: as equipes de assistência, a turma da manutenção da unidade e, claro, familiares, cuidadores e amigos dos pacientes internados. Acompanhantes e visitantes também precisam se conscientizar da importância e alguns cuidados para resguardar a segurança do paciente. Medidas simples como higienizar as mãos, antes e depois de tocar no paciente no leito; não visitar mais de um paciente internado na mesma unidade, para não correr o risco de transportar bactérias de um para o outro; não pendurar bolsas ou mochilas no gancho do soro fisiológico; evitar levar objetos e comidas para o leito; e evitar sentar sobre o leito do paciente ajudam na prevenção e controle de infecção.

Todos são responsáveis nesta guerra contra a infecção hospitalar. Imagine que se gasta de 20 a 30 segundos para higienizar as mãos usando álcool gel e de 40 a 60 segundos, com água e sabão. Então, a pergunta é: o que 30 ou 60 segundos representam frente ao benefício que este simples ato pode trazer? São pequenas medidas que podem ajudar a mudar essa cruel estatística e fazer a diferença na segurança dos pacientes internados.

Bibiana Siqueira é médica infectologista e coordenadora do Centro de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital São Francisco na Providência de Deus, do Rio de Janeiro (RJ) 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.