Artigo – Principais apresentações da Alzheimer’s Association International Conference (AAIC 2021)

Pesquisa apresentada no Congresso Internacional da associação de Alzheimer (AAIC) sugere que a Covid-19 está associada à disfunção cognitiva de longo prazo e aceleração da patologia e dos sintomas da doença de Alzheimer. Esses estudos estão entre várias pesquisas inovadoras apresentadas na AAIC 2021.

“Esses novos dados apontam para tendências que mostram que as infecções pelo Coronavírus levam a um declínio cognitivo duradouro e até mesmo aos sintomas de Alzheimer”, disse Heather Snyder, PhD, vice-presidente de relações médicas e científicas da Associação de Alzheimer americana. “Com mais de 190 milhões de casos e mais de 4 milhões de mortes em todo o mundo, a Covid-19 devastou o mundo inteiro. É imperativo que continuemos a estudar o que esse vírus está fazendo com nossos corpos e cérebros.”

Outros dados apresentados na AAIC 2021 incluem:

Melhorar a qualidade do ar pode reduzir o risco de demência.

A prevalência global de demência deve quase triplicar para mais de 152 milhões até 2050.

Adultos transgêneros e de gênero não binário nos Estados Unidos são mais propensos a relatar piora da memória e pensamento, limitações funcionais e depressão do que as pessoas cisgênero.

Comunidades de cor, historicamente sub-representadas nas pesquisas sobre demência, estão mais dispostas a participar se forem convidados, se quiserem contribuir para o objetivo do estudo ou se tiverem um membro da família com demência.

Com a aprovação acelerada do FDA de aducanumabe (Aduhelm, Biogen/Eisai) para comprometimento cognitivo leve (MCI) e doença de Alzheimer leve, há uma nova energia e interesse em outros tratamentos na linha de terapia de Alzheimer/demência.

Os relatórios AAIC 2021 incluíram novos dados e análises dos medicamentos anti-amilóides em investigação, donanemab (Eli Lilly) e lecanemab (Biogen/Eisai), além de uma ampla variedade de outras abordagens, incluindo: estratégias anti-tau, anti-inflamatórias e alvos de neuroproteção, bem como medicina regenerativa.

“Na Alzheimer Association, uma organização de saúde voluntária líder na pesquisa, atendimento e apoio à doença de Alzheimer, acreditamos que estamos vivendo em uma nova era de avanços. Este ano, estamos vendo dezenas de novas abordagens de tratamento na AAIC que estão ganhando impulso em testes clínicos”, disse Maria C. Carrillo, PhD, diretora científica da Associação de Alzheimer. “É uma doença cerebral complexa e provavelmente vai precisar de várias estratégias de tratamento que abordem a doença de maneiras diferentes ao longo de seu desenvolvimento. Esses tratamentos, uma vez descobertos e aprovados, podem ser em conjunto poderosas terapias.

AAIC é o principal fórum anual para a apresentação e discussão das últimas pesquisas sobre Alzheimer e demência. O evento de conferência híbrida neste ano foi realizado virtualmente e pessoalmente em Denver, Colorado, e atraiu mais de 11.000 participantes, incluindo mais de 3.000 apresentações científicas.

A Covid-19 tem sido associada a disfunção cognitiva de longo prazo e aceleração dos sintomas da doença de Alzheimer

Desde o início da pandemia da Covid-19, muito se aprendeu sobre o SARS-CoV-2. No entanto, permanecem dúvidas sobre o impacto de longo prazo do vírus em nossos corpos e cérebros. Novos dados apresentados no AAIC 2021 da Grécia e da Argentina sugerem que os idosos frequentemente experimentam declínio cognitivo de longo prazo, incluindo falta persistente de olfato, após a recuperação da infecção pelo Coronavírus.

Esses novos dados são os primeiros relatórios de um consórcio internacional, incluindo a Associação de Alzheimer e equipes de quase 40 países, que estão investigando os efeitos de longo prazo da Covid-19 no sistema nervoso central.

Vários estudos sugerem que melhorar a qualidade do ar reduz o risco de demência

Uma boa qualidade do ar pode aprimorar a função cognitiva e reduzir o risco de demência, de acordo com vários estudos apresentados no AAIC 2021. Os principais resultados incluem:

Reduções em partículas finas (PM 2.5) e poluentes relacionados ao tráfego (NO2) ao longo de 10 anos foram associadas a diminuição de 14% e 26%, respectivamente, no risco de demência e declínio cognitivo mais lento em mulheres americanas idosas, com base nos resultados do Women’s Health Initiative Memory Study: Cognitive Health Epidemiology Outcomes (WHIMS-ECHO).

Em um estudo francês, uma redução na concentração de PM 2.5 em 10 anos foi associada a uma redução de 15% no risco de demência por todas as causas e a uma redução de 17% no risco de Alzheimer.

A exposição de longo prazo aos poluentes do ar foi associada a níveis mais elevados de beta amiloide em uma grande coorte dos Estados Unidos, mostrando uma possível conexão biológica entre a qualidade do ar e as mudanças físicas no cérebro que definem a doença de Alzheimer, de acordo com uma equipe da Universidade de Washington.

Previsão que os casos globais de demência tripliquem até 2050

Espera-se que as tendências positivas no acesso à educação global diminuam a prevalência de demência em todo o mundo em 6,2 milhões de casos até 2050. Enquanto isso o tabagismo, alto índice de massa corporal e o açúcar elevado no sangue possam aumentar a prevalência quase na mesma proporção: 6,8 milhões de casos. Uma equipe da Universidade de Washington modelou essas projeções a partir de dados de saúde coletados e analisados ​​por um consórcio global de pesquisadores entre 1990 e 2019 como parte do estudo Global Burden of Disease. Na AAIC 2021, também foi relatado:

A cada ano, cerca de 350.000 pessoas desenvolvem demência de início precoce (antes dos 65 anos) em todo o mundo, de acordo com pesquisadores na Holanda. Atendendo à necessidade de serviços para essa população, a Associação de Alzheimer ajudou a lançar o Estudo Longitudinal da Doença de Alzheimer de Início Precoce (LEADS) para examinar a progressão da doença de início precoce.

De 1999 a 2019, a taxa de mortalidade nos EUA por Alzheimer na população geral aumentou significativamente de 16 para 30 mortes por 100.000, um aumento de 88%, de acordo com pesquisadores da Emory University.

Adultos transgêneros têm maior probabilidade de apresentar comprometimento cognitivo subjetivo e depressão

Adultos transgêneros e de gênero não binários nos Estados Unidos são mais propensos a relatar problemas de memória e raciocínio, limitações funcionais e depressão, em comparação com adultos cisgêneros (não transgêneros), de acordo com dois estudos relatados em AAIC 2021. Os principais resultados incluem:

Adultos transgêneros, ou pessoas que se identificam com um gênero diferente daquele atribuído a eles no nascimento, tinham quase duas vezes mais probabilidade de relatar perda de memória (comprometimento cognitivo subjetivo ou CCC).

Também apresentaram mais do que o dobro da probabilidade de relatar limitações funcionais relacionadas ao CCC, como capacidade reduzida de trabalhar, ser voluntário ou socializar, de acordo com pesquisadores da Emory University.

A prevalência de depressão foi significativamente maior para adultos transgêneros e de gênero não binários (indivíduos que se identificam fora do binário masculino / feminino) (37%) em comparação com adultos cisgêneros (19,2%), de acordo com uma equipe da Universidade de Wisconsin.

Pouco se sabe sobre demência e declínio cognitivo entre indivíduos transgêneros. No entanto, os adultos transgêneros experimentam um maior número de fatores de risco para demência, incluindo doenças cardiovasculares, depressão, diabetes, uso de tabaco ou álcool e obesidade. As desigualdades sociais também podem desempenhar um papel no aumento do risco de declínio cognitivo.

Abordando a diversidade nos ensaios clínicos da doença de Alzheimer

No AAIC 2021, o National Institute on Aging (NIA), parte dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, lançou uma nova ferramenta online, o Outreach Pro, para ajudar pesquisadores e médicos a aumentar a conscientização e a participação em ensaios clínicos na doença de Alzheimer e outras demências, especialmente entre comunidades tradicionalmente sub-representadas.

Outros resultados importantes relatados pela primeira vez na AAIC 2021 incluem:

Indivíduos historicamente sub-representados estão mais propensos a se voluntariar para um ensaio clínico se forem convidados a participar (85%), quiserem contribuir para o objetivo da pesquisa (83%) ou tiverem um membro da família com a doença (74%), de acordo com uma equipe da Universidade de Wisconsin.

Também foi constatado que os entrevistados afro-americanos, latinos e nativos americanos são muito mais propensos a se voluntariar se convidados por uma pessoa do mesmo grupo étnico e estão mais preocupados do que os brancos com a interrupção do trabalho e das responsabilidades familiares, com disponibilidade de transporte, e nos cuidados com os filhos.

Os critérios de exclusão de ensaios clínicos de Alzheimer comumente usados ​​têm o potencial de afetar desproporcionalmente afro-americanos e hispânicos / latinos, o que pode explicar seu número reduzido de inscrições em pesquisas, de acordo com pesquisadores do NIA.

Congresso Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

O Congresso Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores com foco no estudo do Alzheimer e outras demências.

Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, o AAIC atua como um catalisador para gerar novos conhecimentos sobre demência e promover uma comunidade vital de pesquisa universitária.

Fonte: AAIC 2021 alz.org/aaic/releases_2021/overview.asp

Rubens De Fraga Júnior é professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.