Autossuficiente, hospital do interior do Paraná produz o próprio oxigênio

Vem da pequena São Miguel do Iguaçu, cidade da região oeste do Paraná, uma condição que hoje faria a diferença na maioria das unidades de saúde brasileiras que, neste momento de tensão causado pelo avanço da pandemia, lutam contra a falta de oxigênio para atender seus pacientes.

A fabricação do insumo, produção que acontece desde a inauguração — em 2017 —, fez do Hospital Madre de Dio alcançar a autossuficiência de oxigênio.

Essa autonomia faz diferença em momentos de crise como o que estamos vivendo”, ressalta o diretor Hospitalar, Rodrigo Fauth. “Mesmo com o aquecimento do mercado global, nossos pacientes não são afetados e a assistência é garantida”, acrescenta.

O oxigênio é utilizado em situações em que a oxigenação do paciente é inferior a 90%, principalmente em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e salas de emergência, sendo essencial no atendimento de casos graves da Covid-19. Ao que tudo indica, o investimento feito pelo hospital — que é uma unidade particular — foi pioneiro.

A usina do hospital produz cerca de 30 m³ de oxigênio por hora, o que corresponde a mais de 700 m³ por dia, fornecendo autonomia no abastecimento da unidade, com um consumo de energia até  70% inferior se comparado a outros métodos.

A produção de oxigênio medicinal demanda processos complexos, como filtragem do ar atmosférico, liquefação do oxigênio e baixíssimas temperaturas, tudo realizado com um alto nível de segurança no hospital. A usina da unidade atende às normas e legislações previstas pela Anvisa (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Totalmente integrado ao projeto do hospital, o oxigênio da usina é levado diretamente aos leitos hospitalares, sem a necessidade de manuseio de cilindros. De acordo com o diretor Hospitalar, “a autossuficiência de oxigênio é um investimento que se paga a médio prazo, dado o baixo custo de produção”, afirmou Rodrigo Fauth.

“Ser autossuficiente é uma condição que amplia a segurança na assistência aos pacientes que precisam de oxigênio porque, na falta de produto no mercado, como tem acontecido em algumas cidades no Brasil atualmente, o hospital tem condição de produzir seu próprio insumo”, acrescenta.

Gerenciado pela Pró-Saúde, uma das maiores entidades filantrópicas de gestão hospitalar do Brasil, o Madre de Dio criou um atendimento específico de emergência para atender casos de pacientes com o novo Coronavírus.

O serviço opera 24h por dia e inclui todas as etapas de atendimento, desde triagem e diagnóstico, até isolamento e leitos de internação.

“A Covid-19 ainda desafia os serviços de saúde de todo o mundo, mas aqui no Madre de Dio contamos com uma equipe multidisciplinar formada por profissionais capacitados. Trata-se de um hospital que tem toda uma estrutura para oferecer o melhor tratamento médico”, destaca Fauth.

A unidade é uma das mais avançadas da região oeste do Paraná, com capacidade operacional de até 250 leitos de internação, 20 leitos de UTI, além de cinco salas cirúrgicas, pronto-socorro completo e departamento de imagem com oferta de exames de alta complexidade. O Hospital Madre de Dio está localizado na Av. Iguaçu, 261, centro de São Miguel do Iguaçu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.