BRASPEN lança campanha contra desnutrição hospitalar, em âmbito nacional

Idealizada pela Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (BRASPEN), a primeira edição da campanha Diga não à Desnutrição tem como foco alertar a população e principalmente os profissionais de saúde sobre a prevalência e os problemas causados pela desnutrição nas unidades hospitalares. O Dia D dessa iniciativa acontecerá no dia 06 de junho, em Brasília (DF).

De acordo com o presidente da BRASPEN, o médico nutrólogo Diogo Toledo, a desnutrição é silenciosa e um dos maiores problemas de saúde pública que vem sendo negligenciado há mais de 20 anos. “Em 1998, a questão nutricional foi avaliada pelo Inquérito Brasileiro de Avaliação Nutricional Hospitalar (IBRANUTRI) e os dados obtidos revelaram que 48% dos pacientes internados na rede pública apresentavam desnutrição. Após duas décadas, através da revisão de 66 pesquisas de 12 países da América Latina, constatamos que esse cenário piorou e esse número pode ainda tomar proporções maiores dependendo da região de análise alcançando uma taxa de até 60%”.

Para uma das autoras desse recente estudo, Maria Isabel Correia, médica especialista em nutrição, a preocupação com o estado nutricional raramente faz parte do diagnóstico. “O primeiro grande passo é reconhecer que a desnutrição é uma síndrome importante que atinge um grande número de pacientes e que deve ser prevenida e tratada simultaneamente com os demais tratamentos”, enfatiza.

Pacientes desnutridos têm tempo de internação três vezes maior

A nutricionista da BRASPEN, Lilian Mika Horie, salienta que a desnutrição é prevalente em pacientes com mais de 60 anos, oncológicos ou aqueles submetidos a procedimentos cirúrgicos. “Um a cada três pacientes internados está desnutrido! A identificação precoce evitará uma série de complicações como, pior resposta imunológica, atraso no processo de cicatrização, maior probabilidade de desenvolvimento de lesões por pressão, aumento no tempo de internação e do risco de mortalidade e reincidência de internação. Além de reduzir consideravelmente os custos hospitalares, uma vez que o desembolso anual com doenças associadas à desnutrição é de U$156 bilhões”.

Toledo defende que os pacientes não podem esperar mais 20 anos. “Nosso objetivo é reduzir essas taxas inaceitáveis por meio de uma série de ações que incluem a triagem, o diagnóstico, manejo e tratamento da desnutrição. Por isso, criamos 11 passos que devem ser implementados na rotina hospitalar e desde janeiro temos promovido palestras e discussões direcionadas aos profissionais assistenciais para difundir a ideia. No dia 06 de junho, realizaremos um fórum em Brasília e um dos destaques será pleitear o direito do paciente em receber a suplementação oral”, afirma o presidente da entidade.

Conheça os 11 passos para o combate à Desnutrição:

D – Determine o risco e realize a avaliação nutricional

E – Estabeleça as necessidades calóricas e proteica

S – Sabia a perda de peso e acompanhe o peso a cada 7 dias

N – Não negligencie e jejum

U – Utilize métodos para avaliar e acompanhar a adequação nutricional ingerida vs estimada

T – Tente avaliar a massa e a função muscular

R – Reabilite e mobilize precocemente

I – Implemente pelo menos dois indicadores de qualidade

Ç – Continuidade no cuidado intra-hospitalar e registro dos dados em prontuário

à – Acolha e engaje o paciente e/ou familiares no tratamento

O – Oriente a alta hospitalar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.