Healthtech mostra que inovação em saúde também pode salvar vidas

Em 2021 as ferramentas digitais já não são mais novidades. Mas, enquanto assistimos um mundo cada vez mais equipado, com dispositivos e aplicativos feitos sob medida para cada demanda e, literalmente, as soluções chegam com alguns cliques, ainda vemos grandes e importantes classes profissionais desassistidas tecnologicamente.

Segundo estimativa da Anestech, healthtech catarinense, 92% dos anestesistas do Brasil ainda usam papel e caneta para registrar os prontuários dos pacientes. “Quem não é da área da saúde pode até desconsiderar o impacto disso, mas quem trabalha nos hospitais sabe bem o que isso significa. Durante um procedimento cirúrgico, um anestesista deve fazer registros a cada cinco minutos. Em cirurgias complexas, isso pode significar mais de cem anotações a cada operação e, tudo isso, anotado em folhas de papel. Imagine a complexidade e o cuidado para analisar todas essas informações”, destaca Diógenes Silva, CEO da Anestech.

Foi percebendo essa dificuldade e, principalmente, o desperdício de informação que envolve esse processo, que surgiu a ideia, então seguida da famosa transformação digital, que hoje revoluciona os hospitais brasileiros e deve chegar em breve aos hospitais de todo o mundo – o aplicativo AxReg, desenvolvido pela Anestech e disponível para anestesiologistas de todo o país.

A plataforma foi pensada em 2009, por Diógenes Silva e Leandro Curado, ambos então residentes de anestesiologia, que perceberam, na prática, que a falta de digitalização dos seus trabalhos significava uma realidade preocupante: os dados da saúde estavam sendo desperdiçados. Dessa ideia, nasceu em 2012, a Anestech, startup do setor de saúde, voltada para a área de anestesiologia. De lá para cá, a empresa já acumula oito premiações de destaque, dentre elas, o Prêmio Inovação Startup Saúde, Desafio Pfizer e Cubo Itaú, comprovando que não só de ideias vive uma empresa próspera. Recentemente, recebeu aporte de R$3 milhões de investidores-anjo, os quais serão destinados para as próximas melhorias e posterior expansão da empresa para territórios internacionais. Comando de voz, reconhecimento facial e, até um colega virtual, estão previstos para as próximas versões do AxReg.

No Brasil, 6% de toda a classe médica é composta por anestesiologistas. Ou seja, aproximadamente 30 mil médicos dependem ainda do sistema tradicional: papel e caneta. Contudo, aqueles que já conheceram o AxReg vivenciam a prática de uma inovação simples, necessária, segura e integrada, que pode representar a diferença na vida dos pacientes. 390 mil cirurgias já foram registradas, documentadas e avaliadas pelo aplicativo, compilando uma infinidade de dados úteis para a gestão hospitalar e importantíssimos para a evolução médica.

O aplicativo está disponível em duas versões. A versão gratuita tem recursos que já facilitam a análise da ficha anestésica digital para todo o processo perioperatório: pré-anestésico, intraoperatório e pós anestésico em SRPA (Sala de Recuperação Pós-Anestésica). E a versão completa, que pode ser adquirida por grupos de médicos anestesistas, hospitais e instituições diversas de saúde, além de toda ficha anestésica digital, permite o uso integral das funcionalidades e recursos necessários à totalidade da função do anestesista. Nesta versão, o aplicativo possibilita a integração com o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) e monitores multiparâmetros, que permitem as medições e a monitoração dos gases utilizados em anestesia e, ainda, existem opções de multiambientes, seguindo as mesmas regras em relação ao que é realizado em um local físico.

Segundo Diógenes, o aplicativo é uma revolução no cuidado perioperatório. “Todos os registros são muito importantes, mas o AxReg não nasceu somente da necessidade de digitalizar as informações cirúrgicas, mas de melhorar a experiência do anestesista, entregando uma ferramenta que o ajude a melhorar sua performance e a assistência ao paciente. Ele tem nas mãos milhares de análises possíveis e que podem nortear toda a equipe num procedimento cirúrgico”, afirma.

Completamente inovador, o AxReg tem funções de mapa cirúrgico integrado, processo perioperatório completo, avaliação pré-anestésica, ficha transoperatória e módulo de impressão otimizado. O AxReg coloca todos esses registros no ambiente digital e faz a leitura e o cruzamento de dados em tempo real, trazendo amplitude de visão para o anestesista e equipe, agilidade no processo de consulta das informações do paciente e quadro operatório, além de, claro, oferecer maior segurança de que os dados não serão mal interpretados, trocados ou apenas, ignorados.

O acompanhamento dessas métricas e da performance do centro cirúrgico de maneira simples, eficiente e segura, auxilia tanto a equipe médica, quanto os gestores hospitalares, que podem utilizar dados confiáveis para a análise de estatísticas, melhorias no atendimento e definição de planejamentos. Dentre os gráficos, é possível acompanhar os procedimentos realizados, conhecer o uso e o volume dos fármacos e gases anestésicos, saber a ocupação das salas, o destino pós-cirúrgico, além de outros importantes indicativos. Como toda evolução tecnológica, o objetivo inicial foi facilitar e otimizar os processos, visando a performance da área e, consequentemente, sua segurança. Agora, quando o avanço tecnológico envolve a área de saúde, as healthtechs estão aí para fazer bem mais do que isso, pois a inovação, muitas vezes, pode representar também a sobrevivência e o salvamento de vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.