Hospital São Francisco na Providência de Deus homenageia doadores de órgãos com programação especial

510

Cerca de 1.500 pessoas ganharam uma nova chance para retomar suas vidas e recuperar saúde e qualidade de vida após receberem novos órgãos – rim, fígado ou córneas – no Hospital São Francisco na Providência de Deus (HSF), no Rio de Janeiro (RJ). Desde 2013, quando começou a realizar transplantes, a unidade vem transformando a vida de pacientes que precisam do procedimento. O HSF encabeça o ranking do estado, ocupando a liderança e vice-liderança em transplantes renais e hepáticos no Rio de Janeiro, respectivamente. Os resultados alcançados só foram possíveis graças aos doadores de órgãos e familiares que, mesmo em um momento de sofrimento extremo, têm consciência de que a vida pode – e deve – continuar.

Para celebrar o Dia Nacional da Doação de Órgãos (27/09) e prestigiar os doadores e seus familiares, o HSF programou uma semana inteira de eventos, de 24 a 28 de setembro. A programação contará com a participação de especialistas e pacientes para falar sobre doação e captação de órgãos, os desafios dos transplantes hepáticos e renais e sobre a vida após o transplante, entre outros assuntos.

“Estamos sempre pensando na preservação da vida e olhando para o futuro. Temos toda a estrutura necessária e equipes altamente capacitadas para a realização de transplantes, mas nada disso adiantaria sem a conscientização das famílias de doadores. A IV Semana da Doação de Órgãos tem o objetivo de valorizar quem doa e conscientizar a população de que todos devem fazer a sua parte para a vida continuar”, afirma Frei Paulo Batista, diretor geral do HSF.

Transplantes no HSF

De acordo com a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), a unidade é a que mais realiza transplantes renais no Rio de Janeiro, ocupando o quarto lugar no ranking nacional. Já em relação aos transplantes hepáticos, o HSF é a segunda maior unidade transplantadora do estado. Chefe do Serviço de Transplantes de Fígado, o cirurgião Eduardo Fernandes é, desde 2016, o médico que mais realiza transplantes de fígado em todo o país. “Este grande volume de cirurgias nos credencia a formar profissionais e a difundir inovações e tecnologias. Alcançamos resultados cada vez melhores, mesmo quando partimos de situações extremamente graves”, afirma Fernandes. Atualmente, de acordo com ele, a sobrevida média dos transplantados hepáticos no HSF é de 85%, bem acima da média nacional que é de 70%.

O coordenador do programa de transplantes do HSF, o médico intensivista Eduardo Pinto, dá a receita deste sucesso: envolvimento e dedicação de toda a equipe. “O envolvimento determina que o hospital se volte com especial dedicação ao programa de transplantes. Isso, aliado à enorme dedicação técnica das equipes transplantadoras, dá fôlego e dinamismo ao projeto, indispensáveis para superar as inúmeras dificuldades que surgem no caminho, considerando sempre o lema do hospital: ser humano é nossa missão. É necessário destacar também que a parceria com o Programa Estadual de Transplantes e com a Secretaria de Estado de Saúde tem sido fundamental para a viabilidade do serviço”, lembra o médico. Ele lembra ainda que, recentemente, a unidade foi indicada pelo Ministério da Saúde como referência para o transplante de fígado em pacientes com hepatite fulminante decorrente de febre amarela.

Novas conquistas

Além dos transplantes de fígado e rim, desde meados de junho o HSF sedia serviço de transplantes de córneas que tem a capacidade para ser o maior do estado do Rio e que até o fim de agosto já devolveu a visão a mais de 40 pacientes. “Nossa expectativa é ajudar o estado a zerar a fila de espera desse procedimento. Acredito que dentro de um ano será possível reduzir drasticamente essa fila”, adianta Gustavo Bonfadini, que coordena o serviço junto com o também oftalmologista Victor Roisman. Os médicos destacam ainda que o local é o único do Rio de Janeiro a funcionar dentro de uma unidade hospitalar de alta complexidade, garantindo total segurança para os pacientes.

O HSF pretende realizar também transplantes de coração e, para isso, já deu entrada no processo para a credenciamento do serviço na unidade.

O evento

A IV Semana Nacional da Doação de Órgãos do HSF terá apresentações técnicas de médicos da unidade, além de abordagem sobre importantes avanços como a realização de transplantes de fígado para salvar pacientes com hepatite fulminante em decorrência da febre amarela, mesa com a participação da hepatologista do HSF, Samanta Basto, e do Secretário Estadual de Saúde, Sérgio Gama. A utilização de órgãos de doadores de critério expandido em transplantes renais, que já é uma realidade na unidade, será apresentada pela nefrologista Claudia Fagundes.

Uma mesa redonda dedicada à discussão a respeito da doação e da captação de órgãos contará com a participação de dois ex-coordenadores do Programa Estadual de Transplantes, os nefrologistas Eduardo Rocha e Rodrigo Sarlo, além do atual coordenador, o urologista Gabriel Teixeira. A médica intensivista Laura Herranz vai abordar os cuidados com o paciente transplantado na UTI, num painel que contará com a participação do também intensivista Sandro Oliveira, atual presidente da Sociedade de Terapia Intensiva do Rio de Janeiro. Um dos maiores especialistas brasileiros, Valter Garcia, responsável pela unidade de transplante de rim e de pâncreas da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, falará sobre a situação atual da doação no Brasil.

Para marcar o Dia Nacional do Doador de Órgãos, pacientes transplantados vão compartilhar suas experiências, com a mediação da assistente social Vanda Briggs, que integra a equipe de transplantes renais da unidade e falará sobre a transformação da vida de um paciente transplantado. Para encerrar o dia, o Arcebispo da Cidade do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, celebrará uma missa solene em homenagem a todos os doadores e seus familiares às 16h.

Para ver a programação completa acesse www.hospitalsaofranciscorj.com.br.

Deixe seu comentário