Hospital São Vicente: Núcleo Epidemiológico de Vigilância Hospitalar visa minimizar riscos

Treinamento é ministrado para equipe assistencial

Conhecidas como Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (DNC), a aids, coqueluche, meningite, sarampo e rubéola, tuberculose, síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave – como a Covid-19 – são algumas das patologias listadas pela Secretaria de Estado da Saúde que exigem comunicação obrigatória às autoridades de saúde. No Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV), de Jundiaí (SP), a vigilância é constante e realizada pelo Núcleo Epidemiológico de Vigilância Hospitalar (NEVH).

Com objetivo de definir o perfil epidemiológico dos pacientes e elaborar planos de ação para controle de determinados agentes, o trabalho, coordenado pela enfermeira Bárbara Garcia, conta com a parceria do Serviço de Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (SCIRAS) e da Vigilância Epidemiológica do município de Jundiaí. Desenvolvido em conjunto com as equipes assistências, que possuem papel fundamental na identificação dessas enfermidades, o serviço ainda está em fase de adaptação.

“Nós gerenciamos as doenças emergentes que constituem ameaça sanitária internacional. Todos os dias, acesso as fichas de óbitos registrados na instituição e avalio caso a caso. Posteriormente, faço o perfil epidemiológico e por meio desse recurso tentamos entender qual patologia é mais incidente, do que as pessoas estão falecendo. Em breve, o mesmo processo deve ser aplicado às internações. Frente aos dados, criamos protocolos e medidas de prevenção. Vale lembrar que também realizamos esse trabalho com os casos encaminhados dos Prontos Atendimentos dos quais administramos”, conta Bárbara.

Treinamento

Recentemente, as equipes receberam orientações que garantem a efetividade dos processos e reforçam a importância do fluxo para diminuição dos riscos. “Nós desenvolvemos um treinamento exclusivo para enfermeiros e obrigatório aos que realizam assistência em área de isolamento Covid. O objetivo é frisar a importância do preenchimento adequado das notificações e o envio para o e-mail correto dos responsáveis, fazendo com que a comunicação com a vigilância epidemiológica seja mais rápida e efetiva. Preparamos também um documento para que todos tenham acesso a lista de doenças. Esse será um tema que abordaremos semestralmente, pois as fichas se atualizam e trazem dúvidas ao time que executa seu preenchimento”, explica a enfermeira do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do HSV, Diana Amaral.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.