Live SOGESP aborda síndromes hipertensivas e gestação

30

Em continuação a sua proposta de promover conhecimento científico de qualidade aos associados, a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP) realiza mais uma live. Dessa vez, a terceira transmissão terá como temática “Síndromes hipertensivas e gestação”.

Marcada para 25 de junho, às 20h, a live é uma discussão interativa e poderá ser acompanhada pelo site da SOGESP com acesso restrito aos médicos inscritos. O encontro contará com três apresentações relacionadas com o assunto proposto. “Não podemos deixar os colegas associados à margem do que está acontecendo em relação à saúde da mulher. Felizmente, a tecnologia nos permite esse tipo de abordagem, de nos mantermos atualizados com a evolução da medicina. Como educadores e formadores de profissionais da área da saúde, é nossa obrigação proporcionarmos essa contribuição”, comenta José Carlos Peraçoli, Professor Titular de Obstetrícia do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP e coordenador da live.

O primeiro tema tratado será “Assistência pré-natal” com a aula do Dr. Henri Korkes, Professor da Disciplina de Obstetrícia da PUC-SP e Presidente da SOGESP Regional Sorocaba e Vale do Ribeira “Abordaremos os aspectos principais do pré-natal, desde o seu início, atenção na primeira consulta, o rastreio de risco e prevenção da pré-eclâmpsia e os critérios diagnósticos. Além disso, também traremos questões relacionadas à pandemia”.

Fernanda Spadotto Baptista, Diretora do Ambulatório de Alto Risco da Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), também estará presente para comentar sobre a relação Covid-19 e hipertensão na gestação “Falaremos sobre a interface da hipertensão na gravidez e a Covid-19, quais as diferenças de diagnósticos e fatores de confusão para fazermos o diferencial com formas graves”.

Por fim, a live também trará “A crise hipertensiva e eclâmpsia” que são situações relacionadas às altas taxas de mortalidade. Quem falará sobre esse assunto é Ricardo de Carvalho, Professor de Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo ,“Mesmo durante esse momento de dificuldade, os quadros de pré-eclâmpsia e urgências hipertensivas estão acontecendo, e precisamos estar sempre afeitos a protocolos atualizados e eficazes para diminuir a mortalidade da mulher no Brasil por quadros hipertensivos.”

Ao final das aulas, será aberto um espaço para debate e esclarecimento de duvidas “Esperamos poder partilhar nosso conhecimento e, assim, junto aos associados, melhorarmos as condições de saúde da mulher, mesmo em tempo de pandemia”, finaliza Peraçoli.

Informações: www.sogesp.com.br