Mercado do cânhamo pode movimentar R$ 4,9 bilhões com regulamentação

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 399/15, que visa a legalização do cultivo no Brasil, exclusivamente para fins medicinais, veterinários, científicos e industriais, da cannabis sativa.

No Brasil, a legalização do cânhamo industrial, por exemplo (planta pertencente à cannabis sativa L, cujos insumos são usados na produção de alimentos, suplementos nutricionais, produtos industriais, óleos terapêuticos e cosméticos) poderia acarretar R$ 4,9 bilhões com a venda de seus derivados e R$ 330,1 milhões de impostos arrecadados para o Estado, de acordo com projeção de estudo da Kaya Mind – empresa de inteligência de mercado para o setor, no relatório “Cânhamo no Brasil”, divulgado em março. Quando referente à cannabis medicinal, seriam R$ 9,5 bilhões.

Produtos derivados de cannabis vêm sendo apresentados como grandes aliados da Medicina. O CBD (canabidiol) é uma substância extraída da planta Cannabis, que apresenta potencial terapêutico para o tratamento de variadas doenças, comprovado cientificamente e cuja busca tem sido cada vez mais frequente. Somente nos dois primeiros meses de 2022, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu 9.078 pedidos de importação desses itens, crescimento de 99,7% na comparação com o mesmo período de 2021 (4.221).

A neurocirurgiã Patrícia Montagner, fundadora da WeCann Academy, que realiza cursos voltados à Medicina Endocanabinoide, exclusivamente para médicos, salienta que a regulamentação da questão é capaz de, além de auxiliar milhares de pessoas que sofrem com doenças graves, refratárias e incapacitantes, trazer vantagens agrícolas, econômicas, sociais e sustentáveis proporcionadas pela planta. “Chegamos ao estágio em que será criado um mercado de proporções bilionárias e a relevância econômica da área é cada dia maior. Mais um motivo, portanto, para a urgência em garantir um processo guiado pelo conhecimento científico e pela ética, que cumpra a finalidade maior de proteger e proporcionar o bem-estar aos pacientes”, fala.

Na análise da especialista, que tem em seu rol de atendimento mais de mil pacientes tratados com cannabis medicinal, os estigmas e a falta de conhecimento técnico sobre a questão travam o andamento da proposta de regulamentação. “É necessário disseminar informações sobre a cannabis medicinal, pois a falta de informação e um persistente estigma em relação à cannabis, com muita confusão entre uso medicinal e o uso recreativo, são hoje o principal empecilho para a popularização dos benefícios da Medicina Endocanabinoide no Brasil”, pontua.

Para Patrícia, a comunidade médica é a liderança natural e correta no esforço de esclarecimento da sociedade, porém, ainda são poucos os profissionais que dominam o tema. “É hora de estimular médicos e outros profissionais de saúde a estudar e se preparar. Temos que formar gente com capacidade técnica para consolidar conhecimento no Brasil e que vá diagnosticar, prescrever e orientar tratamentos de potencial transformador na qualidade de vida de milhares de pacientes”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.