Pandemia não pode prejudicar cuidado com a saúde das crianças

29

As doenças não esperam a pandemia de Covid-19 passar para se manifestarem. É o alerta do coordenador médico do setor pediátrico do Niterói D’Or, do Rio de Janeiro (RJ), Lucas Berbert. Ainda mais no inverno, é preciso ter atenção com as infecções transmitidas por via respiratória, que costumam ser a principal causa de atendimentos nas emergências pediátricas. Se por um lado o novo coronavírus demonstra ser assintomático na maioria das crianças, há outras doenças respiratórias que exigem atenção aos sintomas para buscar o atendimento médico assim que necessário. Ele cita como exemplo o vírus sincicial respiratório (VSR), que causa bronquiolite e é responsável por quadros de gripe, além de outros como o Influenza A e B.

Infecções, como otites, amigdalites, sinusites, pneumonias e meningites também são comuns nessa época. Também é usual atendimentos por doenças alérgicas em crianças. Alergias respiratórias como rinite alérgica e asma brônquica são exacerbadas nessa época do ano. Lucas explica que a Unidade Pediátrica do Hospital Niterói D’Or está preparada para atender desde casos comuns de doenças em crianças e adolescentes até casos mais graves e complexos. É importante não esperar uma situação se agravar para buscar o atendimento médico. Quanto mais cedo uma doença for diagnosticada, melhor será para o tratamento. “Por se tratar de uma unidade pediátrica, há uma atenção ainda maior para tornar o atendimento acolhedor e humanizado e, com isso, diminuir o impacto do ambiente hospitalar na criança”, destaca Lucas.

Com uma equipe altamente qualificada e em constante atualização junto ao Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), o hospital oferece mais de 20 especialidades de atendimento pediátrico, como cardiologia, ortopedia, neurologia, alergia e imunologia, pneumologia, psiquiatria, entre outras. A unidade conta com dez leitos de unidade de internação, nove na terapia intensiva e oito na emergência. Entre os diferenciais do setor o coordenador cita a equipe de radiologia intervencionista pediátrica, responsável por procedimentos minimamente invasivos, como a realização de biópsias, e a equipe de otorrinolaringologia voltada para a retirada de corpo estranho, que atende em horário comercial.

Cuidados com a retomada da rotina

O coordenador médico do setor pediátrico também alerta que é preciso manter os cuidados de prevenção ao Covid-19. Em muitos locais, já há até a perspectiva da volta às aulas. Para os pais que planejam o retorno dos filhos à escola, Lucas aponta que é fundamental verificar se a escola tem um plano de ação para o retorno às aulas e as medidas implementadas para redução do risco de contaminação. Ele ainda ressalta que é importante educar as crianças sobre certos cuidados, como a forma correta de higienização das mãos, que deve ter duração mínima de 40 segundos utilizando água e sabão ou de 20 segundos, quando for álcool gel. Toda criança deve ser estimulada a usar máscaras de pano e máscaras extras devem ser colocadas na mochila, já menores de dois anos não devem utilizar. Incorporar o hábito de tossir ou espirrar em lenços descartáveis ou no antebraço, além de evitar tocar olhos, boca e nariz. Outra orientação é a de utilizar sua própria garrafa de água e não beber diretamente do bebedouro.

“Mais importante é que os pais não devem mandar seus filhos à escola com qualquer possibilidade de quadro infeccioso, seja febre, manifestações respiratórias, diarreia, entre outras. Devem mantê-los afastados enquanto se aguarda a conclusão do diagnóstico, com o cuidado de não se estigmatizar o indivíduo, o que posteriormente pode trazer consequências negativas, como bullying entre as crianças”, alerta o coordenador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

dezenove − 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.