PROADI-SUS usa tecnologia no treinamento de profissionais do SUS

17

No Brasil, a carência de tecnologias de simulação realística dá margem para que profissionais da saúde aprendam técnicas já no cotidiano da profissão. Para diminuir a probabilidade de erros, garantir a segurança do paciente e uma maior qualidade do atendimento, o Hospital Israelita Albert Einstein, por meio do PROADI-SUS, oferece aos profissionais do Sistema Único de Saúde treinamentos com a ajuda de robôs e atores profissionais.

Com a utilização de realidade virtual, robôs simuladores de pacientes, manequins estáticos e atores profissionais, o Centro de Simulação Realística (CSR) do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEPAE), coloca profissionais do SUS em situações próximas à realidade, que permitem uma aprendizagem que integra a teoria à prática, e diminui os riscos de erro em pacientes reais.

“A Simulação Realística é uma metodologia de treinamento inovadora e ativa que dá apoio na qualificação de estudantes e profissionais de diversas áreas. Utilizando equipamentos de alta tecnologia – e replicando situações semelhantes as encontradas na vida real de um profissional, é possível treinar habilidades técnicas e comportamentais, como comunicação, tomada de decisão, raciocínio clínico, liderança e consciência situacional”, explica a gestora do Centro de Simulação, Joyce Barreto.

O CSR contempla quatro diferentes projetos, que ocorrem por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS). São realizadas simulações de procedimentos manuais, como manobras de reanimação cardiorrespiratórias e intubação oro traqueal e simulações teóricas, que abordam temas como segurança do paciente e assistência farmacêutica, por meio de situações que permitem a reflexão dos participantes, o planejamento de tratamentos e discussões clínicas.

Para medir a eficácia e o aproveitamento dos participantes, são feitos testes teóricos pré e pós curso, além de questionários de avaliação do próprio treinamento. Desde 2018, as quatro iniciativas somam quase 6 mil profissionais da saúde qualificados, em cursos de 16 horas de duração.

Otávio Gurgel, um dos médicos participantes do treinamento, conta que o curso foi essencial para conquistar confiança na execução de alguns procedimentos dentro de UTIs. “Me formei ano passado, e com a chegada da pandemia tive que assumir várias responsabilidades novas, como plantões de UTI. Eu não me sentia preparado para algumas atividades, mas as oficinas de simulação realística trouxeram discussões e avaliaram atendimentos, mostrando erros e acertos que estávamos cometendo, além de tirar diversas dúvidas.”

Covid-19

Para dar apoio ao combate à pandemia da Covid-19, as simulações também trouxeram treinamentos para o atendimento de pacientes suspeitos ou infectados pelo novo Coronavírus.

“Devido à pandemia, as simulações têm ocorrido pelo ambiente virtual e ao vivo, permitindo a interação entre os profissionais, atores e especialistas, mantendo o processo que era feito de forma presencial, mas a distância” conclui a Referência Sênior do projeto, Priscilla Cerullo.

Para o próximo ano, a iniciativa prevê que o curso seja feito de forma híbrida, permitindo treinamento inicial em ambiente virtual e as práticas de procedimentos manuais nos robôs de forma presencial, dando mais capilaridade ao alcance do projeto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

treze + 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.