Projeto Lean nas Emergências é apresentado no Hospital Estadual Materno-Infantil

338

O Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (HMI), de Goiânia (GO), recebeu nos dias 5 e 6 de agosto, o pediatra Marcello Pedreira e o especialista de processos, Felipe Pinheiro Machado – representantes do Hospital Sírio-Libanês, unidade que implementou o Projeto Lean nas Emergências, para apresentar o sistema aos colaboradores do HMI. O Projeto do Ministério da Saúde, que pode ser traduzido como produção enxuta, mostrou-se eficaz em reduzir a superlotação e melhorar o atendimento nas emergências de hospitais que atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O projeto Lean visa promover melhorias nos processos da unidade hospitalar baseado em tempo e valor, no intuito de assegurar fluxos contínuos e cortar desperdícios. Também trabalha com a “redução de superlotação nas unidades de emergência por meio de sistema de gestão que padroniza processos internos, redução do tempo de permanência, maior afetividade e produtividade”.

No final do mês passado, cerca de nove profissionais do HMI foram ao hospital Sírio-Libanês, em São Paulo para participar de um treinamento. Agora, os outros profissionais da unidade estão se familiarizando com o projeto. Para a coordenadora do Pronto Socorro da Mulher e Classificação de Risco, Carla Barbosa, que participou do curso em São Paulo e na unidade, o sucesso desse projeto envolve todos os profissionais da unidade. “A expectativa em reduzir o tempo de permanência dos pacientes nas emergências do HMI e consequentemente melhorar a qualidade da assistência é muito grande”, concluiu a enfermeira. A  gerente de Enfermagem do HMI, Luzia Helena Berigo, participou nos dois dias do evento e está confiante na implantação e resultados. “Esse projeto vem para ajudar na organização, melhorar e otimizar o atendimento aos pacientes, que é o nosso foco principal”, salientou. Para a diretora técnica da unidade, Sara Gardênia, há uma grande expectativa. “Esse é um projeto inovador e acredito que os excelentes resultados colhidos nos hospitais em que o sistema já foi implementado, também acontecerá aqui no HMI, pois estamos numa fase de reciclagem e aprendizado e percebemos que a nova metodologia está promovendo um grande entusiasmo na equipe. Estou ansiosa para começar a ver os resultados”,  salientou.

Atualmente, o projeto está implantado em cerca de 20 unidades de saúde, espalhadas pelo país. A intenção é de que até 2020, 100 unidades de saúde estejam incluídas no sistema. Inicialmente, em 2017, o projeto piloto, aconteceu em seis hospitais, entre eles o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), de Goiânia.

Segundo Felipe Machado, nos dias 12 e 13 deste mês, eles voltam ao HMI para ver se está tudo de acordo e apresentar novas ferramentas. “Serão 10 visitas e 12 meses de acompanhamento a distância. Nesses primeiros encontros deu para sentir que a equipe está motivada”, avaliou o especialista.

Deixe seu comentário