Trabalho da Santa Casa de Porto Alegre é premiado em fórum internacional de sepse

Foto: Rogério Brandão/Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre

Desenvolvido na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (RS), o trabalho Presença de sepse na admissão na UTI como fator de risco para doença crônica: uma análise pareada por escore de propensão recebeu o prêmio de “melhor trabalho oral na categoria clínica” no XV Fórum Internacional de Sepse, em São Paulo. Durante a atividade, mais de 70 palestrantes nacionais e oito internacionais apresentaram seus recentes estudos sobre sepse.

O estudo visou identificar a incidência e o impacto da sepse em pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). “Muitos pacientes gravemente doentes sobrevivem a sua doença aguda inicial, porém progridem para a falência de órgãos, necessitando de cuidados intensivos prolongados, uma síndrome conhecida como doença crítica  crônica (DCC). Projetamos esta análise para avaliar a presença de sepse na admissão na UTI como um fator de risco independente para o desenvolvimento de DCC”, explica o coordenador do estudo, o médico intensivista Thiago Lisboa. A pesquisa foi realizada pela Rede de Pesquisa e Inovação em Medicina Intensiva da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, composta por profissionais das UTIs do complexo hospitalar.

Método

O método utilizado pelos pesquisadores foi a análise de pacientes graves internados em três UTIs da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Foram avaliadas duas definições de doença crônica crítica e se verificou o papel da sepse na internação como fator associado à DCC por modelo multivariado. A integridade do modelo foi examinada usando estatísticas e gráficos de diagnóstico padrão e o bom ajuste para cada modelo para resultados e com o teste de Hosmer-Lemeshow. Depois, foram comparados os pacientes de acordo com a probabilidade de desenvolver doença crônica crítica conforme o escore de propensão e a presença de sepse na internação e avaliar os desfechos.

Resultados

Foram analisados 2.223 pacientes internados em UTIs (unidades especializadas em oncologia, transplante e cirurgia torácica). Deste total, 392 (17.6%) já tinham sepse na admissão na UTI. Nesta coorte, 724 (32.4%) pacientes necessitaram de vasopressor (medicamento que aumenta a pressão arterial) durante a permanência na UTI. Segundo os critérios de PROVENT, 262 (11.8%) pacientes desenvolveram doença crônica crítica. Segundo critérios de Kahn et al, essa taxa é de 13,7% (302 pacientes). A mortalidade geral na UTI foi de 22,8% e a mortalidade hospitalar de 30,9%. Após o procedimento de pareamento, considerando 392 pacientes sépticos e 392 controles, a presença de sepse na admissão foi independentemente associada com o desenvolvimento de doença crítica crônica em ambas definições, no modelo de regressão multivariada.

O estudo premiado concluiu que, em UTI cirúrgica, a presença de sepse na internação foi um fator de risco independente associado ao desenvolvimento de doença crítica crônica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.