Artigo – Investimento em tecnologia, informação de qualidade e medicina baseada em evidência: uma boa hora para refletir

733

Por mais que já se tenha muito clara a relação entre a experiência do paciente com a qualidade e a tecnologia usadas nas clínicas e hospitais, ainda se debate muito a respeito da importância de se investir em recursos que apoiem e suportem a decisão clínica e os cuidados como um todo. De um lado, a necessidade e a vontade de agregar valor, do outro, a carência de verbas. Isso é ainda mais delicado em países como o Brasil, onde o problema é um dos principais do sistema de saúde, especialmente na esfera pública.

Em 2018, o governo federal destinou apenas 3,6% do seu orçamento a esta área. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o percentual fica bem abaixo da média mundial que é de 11,7%. Esses números colocam o Brasil em uma posição meio desconfortável, mais especificamente, em 49º no ranking dos países mais ineficientes na área de saúde, segundo uma pesquisa da Bloomberg.

Embora as inovações normalmente estejam atreladas a altos valores, você já parou para pensar que não investir pode sair muito mais caro? É sabido que sistemas de saúde que não investem em tecnologia, normalmente demonstram várias ineficiências como, por exemplo, demoras para agendamento de consultas, filas no atendimento e falta de coordenação do cuidado como um todo. Sem falar de problemas como a grande variabilidade do cuidado com o paciente em diferentes regiões do Brasil. O que acaba levando a decisões erradas, testes desnecessários, diagnósticos incorretos, entre outros erros evitáveis que interferem no cuidado clínico e nas decisões tomadas pelos profissionais e até pelo próprio paciente.

Ou seja, os profissionais não têm acesso à informação necessária e à medicina baseada em evidências e, por isso, não combinam essas inovações disponíveis com a experiência que possuem. O mesmo acontece do ponto de vista do engajamento do paciente, que por falta de informação acaba não cumprindo as orientações médicas.

O diferencial está em investir em tecnologias que realmente impactem na qualidade, melhorem a efetividade clínica e ajudem a reduzir desperdícios e variabilidade no cuidado. E não pense que a tecnologia disponível hoje para a cadeia de saúde restringe-se somente a novos medicamentos ou a equipamentos de ponta. Boa parte da solução dos problemas apontados neste artigo pode ser facilmente encontrada no enorme volume de dados integrados sobre pacientes, tratamentos e doenças, disponíveis em âmbito local e global. Com o apoio da medicina baseada em evidências, é possível uma maior padronização, o que pode acabar ou diminuir o problema da variabilidade.

O Brasil ainda engatinha em alguns tópicos que diz respeito à tecnologia. Mas os hospitais, especialmente os da rede privada, têm buscado participar da elite digital mundial, almejando certificações internacionais. A adoção de algumas tecnologias têm aumentado, como a de prontuários eletrônicos, apesar de ainda ficar para trás do ponto de vista da sua utilização para o suporte à decisão clínica propriamente dita.

Apesar das adversidades e até da crise político-econômica, o país é uma das mais atraentes regiões do mundo para soluções digitais em saúde. Esse grau de demanda assistencial reprimida abre muitas possibilidades para empresas que tenham como missão melhorar a qualidade dos sistemas de saúde. A meu ver, a melhor utilização da tecnologia e da medicina baseada em evidência pode resultar em um melhor cuidado e, consequentemente, melhor experiência para o paciente.

 

 

Denise Basow, MD, CEO da Unidade de Negócios de Efetividade Clínica da Wolters Kluwer

Deixe seu comentário