Artigo – Raciocínio Clínico do Farmacêutico

960

Hayley Croft, recentemente em seu artigo: “Suprimento de medicamentos usando o método Pense em voz alta”, destacou como habilidade, todas nossas competências relacionadas com a segurança e adequação dos medicamentos nas prescrições médicas e, que a aquisição de habilidades, como Pensar tem um impacto profundo na segurança do paciente.

Para entender o start do raciocínio, vejamos a importância da Farmácia Clínica:

Departamento de extrema importância no ambiente hospitalar, a Farmácia Clínica é considerada como um mecanismo de segurança na prestação de assistência aos pacientes. É formada por profissionais munidos de aptidões técnicas e cognitivas, com capacidade de garantir que a dispensação e o uso de medicamentos seja segura, precisa e apropriada ao paciente.

Chegando a uma decisão…

Recentemente em sala de aula um discente me fez a seguinte pergunta:

Professor, como chegar a um raciocínio Clínico na revisão de uma prescrição médica?

Uma pergunta que me fez raciocinar… Mas vamos lá, sucintamente o serviço Clínico do Farmacêutico é munido de um aspecto criterioso de segurança no uso de medicamentos.

A própria Organização Mundial de Saúde (OMS) estipula que nossa tomada de decisão seja uma aptidão com componentes que impactem na minimização de erros relacionados ao uso medicamentos no ambiente hospitalar e pós-hospitalar.

Porém, para chegarmos a uma decisão, numa verificação crítica das prescrições antes do início da dispensação ou tratamento, é primordial o raciocínio clínico, que é um processo complexo que depende da capacidade do profissional de processar, memorizar, recordar e sintetizar grandes quantidades de dados.

Primeiro, no momento da análise de uma prescrição médica, há uma ebulição de “PENSAMENTOS”, que nos exige raciocínios ordenados que norteie de forma sucinta o desencadear da revisão, tomada de decisão, até a contemplação da intervenção.

É necessário ou não intervir com o prescritor? Esse é o questionamento crucial na análise.

Entendendo o raciocínio!

Revisando uma prescrição médica…

  • Primeiro é necessário Reunir um histórico clínico fidedigno dos medicamentos prescritos ou utilizados pelo paciente, seja por busca em prontuários ou na própria anamnese farmacêutica;
  • Depois, Distinguir entre as informações coletadas no histórico o que é relevante à conduta, perfil e protocolo da análise;
  • Encontrando as informações relevantes, inicia-se a fase de Priorizar informações, isso classificando sua importância, tanto do ponto de vista técnico como cognitivo/científico;
  • Analisando as informações priorizadas, inicia-se a fase de Verificar. Para isso é imprescindível Reconhecer a diferença entre usual e não usual, Selecionar intervenções apropriadas para aperfeiçoar resultados de pacientes;
  • Graças à inovação tecnológica (software), conseguimos distinguir facilmente o usual do não usual por mecanismos que Combinam informações semelhantes e / ou identificam uma incompatibilidade entre duas informações;
  • Buscar novas informações que elucidam ideias e opiniões devem ser parte da rotina diária do Farmacêutico (não conseguiremos dominar todo o saber!), dessa forma detectando uma possível incompatibilidade ou uma situação não habitual, inicia-se a Investigação ou Pesquisa;
  • Finalmente, Tomar a decisão de forma assertiva, justificando o raciocínio e ações, baseando-se sempre em bases de dados confiáveis e de cunho mundial.

Após essa sucinta leitura, de certa forma simplória, podemos observar que o processo de revisar uma prescrição, receita ou quadros de medicamentos dos pacientes são considerados processos lógicos e sistemáticos e, inclui muitas etapas paralelas e sobrepostas.

A contemplação do raciocínio, que é a aceitação da intervenção, ou do nosso trabalho por parte de um profissional ou de uma equipe, trás méritos que nos destacam cada vez mais junto á equipe multidisciplinar, reafirmando nossa importância no ambiente hospitalar.

Lembrem-se, num raciocínio clínico, esses verbos são importantíssimos:
Reunir>Distinguir>Priorizar>Verificar>Reconhecer>Selecionar>Combinar>Buscar> Investigar>Pesquisar>Decidir>Contemplar.

Jessé Bispo é docente (EEP – HCFMUSP) / FarmacêuticoClínico Pl (Hospital TotalCor)

Deixe seu comentário