Artigo – 7 de maio: Dia do Oftalmologista

É fácil reconhecer a importância da visão em nossas vidas. Setenta por cento das informações que recebemos do meio onde vivemos são percebidas por meio da visão. De toda a energia dispendida para o funcionamento do cérebro humano, 40% é destinada a processar informações relacionadas à visão. É fundamental enxergar bem para termos um desempenho adequado em nossas vidas.

Para entendermos o olho humano com mais facilidade, podemos compará-lo a uma máquina de fotografia na qual temos o filme para registrar as imagens. As lentes da máquina podem ser comparadas com a córnea humana e o cristalino. Essas duas lentes, juntas, fazem a focalização da imagem. Assim como podemos controlar a quantidade de luz para uma boa fotografia, os olhos humanos dispõem da íris – colorido do olho – e da pupila, buraco de entrada, para permitir a entrada da quantidade certa de luz. E, no fundo do olho, temos o nosso filme, representado pela retina. Posteriormente, este filme deve ser levado por ‘alguém’ até o laboratório, que vai revelar as imagens, é o nosso nervo óptico e o córtex visual no cérebro.

O ser humano desenvolveu várias adaptações para poder enxergar bem. As pálpebras para manter a proteção e a lubrificação adequada, a posição dos dois olhos em relação à cabeça, que permitem uma visão binocular de profundidade, e uma qualidade óptica muito boa.

Nós, oftalmologistas, temos como profissão cuidar deste nobre sentido: a visão. Cuidamos desde as pálpebras em sua funcionalidade e aspectos estéticos, passando pela lubrificação ocular, córnea, cristalino, retina, visão binocular, até a percepção da imagem em nosso córtex visual. Após o curso de medicina, para cuidar de cada uma dessas estruturas, os oftalmologistas estudam, em média, 5 anos adicionais.

Prevenção

Apesar de todos reconhecerem que a prevenção das doenças é fundamental para cuidarmos de nossa saúde, poucos têm a consciência de realizar consultas preventivas. Na oftalmologia existem algumas fases da vida, quando as pessoas devem fazer uma consulta, mesmo sem queixas específicas.

Tudo se inicia no nascimento, com o teste do olhinho. Não exclusivamente realizado pelo oftalmo, é um exame importante para prevenir casos graves de redução da visão. Ainda antes da alfabetização, por volta dos 5 anos de idade, a criança precisa ser examinada para prevenir problemas no aprendizado. Crianças que enxergam mal podem ser rotuladas como hiperativas ou com dificuldades diversas de cognição, quando, na verdade, precisam de óculos.

Ao longo da adolescência, filhos de pessoas míopes, ou que possuam outras condições familiares, precisam ser examinados. Atenção especial deve ser dada aos adolescentes que estudam muito no cursinho. Casos de cefaleia ou dificuldade de concentração podem ser explicados pela presença de pequenos graus de astigmatismo, ou outro defeito qualquer, e que facilmente podem ser diagnosticados.

Já na idade adulta, com a vida moderna e o uso excessivo do computador, cada vez mais percebemos alterações significantes da lubrificação ocular, que podem levar a olhos vermelhos, lacrimejamento, coceira e diminuição da capacidade laborativa.

Entre os 45/50 anos de idade, inicia-se a fase na qual a visão fica cansada, a chamada presbiopia. A pessoa relata dificuldades para ler ou fazer trabalhos manuais, bem como dificuldade para enxergar os detalhes de perto. Nesta fase, é fundamental um check up da visão, pois podem aparecer doenças como Glaucoma, ou mesmo a catarata. É uma fase difícil, pois o restante das atividades físicas está preservado, com o corpo e a mente funcionando como jovens, mas a visão pede óculos para ler ou os óculos multifocais. A partir daí, uma avaliação anual é preconizada.

Catarata e o glaucoma são preocupações que devem ser acompanhadas para o resto da vida, mas, já na senescência, problemas como a DMRI (degeneração macular relacionada à idade) são nossa preocupação mais frequente.

Tecnologia

A oftalmologia talvez seja a especialidade médica que mais depende dos avanços tecnológicos. Dispomos de equipamentos automatizados desde o momento que o paciente entra na clínica, medindo a pressão e o grau dos olhos, até equipamentos para verificar a saúde da córnea, diagnóstico da catarata, e avaliar a saúde da retina e nervo óptico.

Na oftalmologia, todas as cirurgias são realizadas com equipamentos sofisticados auxiliados pelo microscópio cirúrgico. Já dispomos de equipamentos de raios laser até para as cirurgias de catarata e retina, e a segurança das cirurgias tem aumentado a cada ano.

A oftalmologia é uma especialidade maravilhosa. Cuidar da visão das pessoas é a missão de todos nós oftalmologistas. Promover a qualidade de vida, restaurar e a visão é muito gratificante!

Amo minha profissão.

Hamilton Moreira é professor de Oftalmologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR) e é ex-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Possui pós-graduação em Córnea e Catarata pela USC-Califórnia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.