Artigo – Como dilatadores podem auxiliar mulheres que nasceram sem canal vaginal

A Síndrome de Rokitansky (Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser) é uma alteração congênita que afeta o desenvolvimento do sistema reprodutor feminino do feto nos primeiros meses da gestação. Pode estar associada com malformações de outros sistemas, como urinário, esquelético e cardíaco em até 30% dos casos.

É uma síndrome rara que acomete uma a cada cinco mil mulheres e que se caracteriza pela ausência de formação completa do útero e do canal vaginal. Como consequência, as mulheres com a Síndrome de Rokitansky têm comprometida a possibilidade de gestar e podem ter dificuldades para uma atividade sexual satisfatória.

Existem alguns tratamentos que podem auxiliar na formação do canal vaginal; a primeira opção terapêutica é a dilatação vaginal ou método de Frank. Este tratamento consiste no uso de dilatadores para formar o canal vaginal sob orientação e supervisão de um profissional da área da saúde.

O tratamento inicia-se com a orientação do médico ginecologista sobre a anatomia genital e da forma como usar os dilatadores. O segundo passo consiste na realização da dilatação pela própria mulher diariamente, por cerca de 20 minutos. Durante todo o tratamento ela deve ser acompanhada em consultas periódicas pelo médico ou fisioterapeuta, a fim de avaliar o progresso e ser auxiliada em eventuais dificuldades. Conforme o canal vaginal se estende, troca-se por um dilatador maior – até a conclusão do procedimento, o que leva entre três a seis meses, quando realizado regularmente.

As taxas de sucesso são superiores a 90%, com riscos e custos menores do que o tratamento cirúrgico, de acordo com estudos científicos. Além de efetiva, a dilatação possibilita à mulher autoconhecimento e autonomia que podem favorecer uma vida sexual saudável. Temos notado também que as mulheres sentem-se confiantes para compartilhar, posteriormente, as suas experiências com outras portadoras da síndrome; cria-se assim uma rede de difusão de conhecimento e de apoio mútuo.

O Instituto Roki, em parceria com o ambulatório de Malformações Genitais da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), fornece dilatadores que são produzidos com material plástico com rigidez adequada, em uma impressora 3D. O tratamento é, portanto, uma opção eficiente e com o custo acessível para mulheres em todo o Brasil.

Além de oferecer os dilatadores, o Instituto auxilia meninas, mulheres e seus familiares com informações em formato de guias, com as dúvidas mais frequentes e o apoio que essa mulher precisa receber das pessoas a sua volta . Ao todo, são quatro guias disponíveis (para a mulher, familiares, profissionais da área da saúde e saúde mental) que podem ser encontrados no site e nas redes sociais da instituição. Para a classe médica, é disponibilizado ainda vídeos com ginecologista e fisioterapeuta, além da possibilidade de encontros virtuais com especialistas para sanar dúvidas.

Dra. Claudia Takano é ginecologista, coordenadora do Ambulatório de Malformações Genitais da Unifesp e parceira do Instituto Roki

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.