Artigo – Omnichannel na saúde: a evolução do atendimento ao paciente

Você já parou para pensar que, nos dias de hoje, um paciente é tão digital quanto um consumidor de um e-commerce qualquer? Afinal, o mesmo indivíduo que é cliente em uma loja on-line também adquire produtos de alguma empresa no setor da saúde. Qual é o sentido dessa reflexão? Evidenciar que a omnicanalidade – tão difundida e aplicada nos últimos tempos – tem sido cada vez mais importante para qualquer segmento, inclusive o varejo farmacêutico.

Lançar mão de uma estratégia de venda integrada e personalizada em diferentes canais, privilegiando a qualidade no atendimento, no serviço e nos produtos já não é mais um diferencial, e sim necessidade. A experiência do cliente na área da saúde está enfrentando uma série de mudanças com a transformação digital.

Talvez esse processo tenha chegado mais lentamente ao setor, se comparado a outros ramos. Mas o varejo farmacêutico, por exemplo, já direcionou o foco para o paciente, as interações com todas as etapas do funil de vendas e todo o cuidado envolvido com seu público.

Por isso, volto ao início deste assunto e reitero: pensar em canais omnichannel é essencial não só para a sobrevivência do negócio como também para levá-lo a outro nível. As pessoas querem conforto, praticidade, agilidade e, acima de tudo, um atendimento de excelência. O omnichannel favorece essa relação empresa-cliente e traz a tecnologia a favor do paciente, de ponta a ponta.

O cuidado com o cliente está evoluindo dia após dia, e o varejo farmacêutico tem buscado atualizações nesse contexto. Saúde não é mais somente a ausência de doenças; saúde hoje tem relação com qualidade de vida. Portanto, estratégias de omnicanalidade se tornam necessárias para o auxílio do paciente e para alcançar essa qualidade de vida em sua essência.

Se uma rede farmacêutica não oferece todos os benefícios que uma estratégia omnichannel pode oferecer e persiste em manter processos tradicionais e burocráticos, é certo que o paciente irá buscar novas formas de atendimento nas redes concorrentes. Hoje a “briga” por fidelização vai muito além do preço cobrado pelos medicamentos. Comodidade e agilidade estão no topo dos requisitos de qualquer consumidor.

E quem figura como uma aliada certeira em meio ao cenário apresentado? Se você pensou em tecnologia, acertou! Com certeza, funcionalidades tecnológicas estão no centro da evolução para o atendimento ao paciente. Mas não trabalham sozinhas, o fator humano anda ao lado delas. Esse conjunto é o que faz o relacionamento com o cliente ser melhor a cada dia.

A tecnologia serve para automatizar e agilizar processos lentos e burocráticos, e o fator humano traz a empatia e o cuidado para a equação.

Soluções omnichannel, por sua vez, ajudam a agilizar o atendimento com compras via e-commerce, atendimento via totem, self cashier, pagamento no site e retirada na loja etc. O importante é entender que a tecnologia veio para facilitar a vida do paciente. Empresas que não investirem em funcionalidades do tipo, infelizmente, ficarão para trás. E não será por falta de aviso!

Diante disso tudo, penso que a evolução no setor envolve, na verdade, processos simples, mas valiosos, que podem aumentar a satisfação do paciente e fidelizá-lo no varejo farmacêutico.

 

 

 

 

Giovanni Oliveira é diretor de operações da Farma Ventures, primeira corporate venture builder dedicada ao varejo farmacêutico do Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.