Artigo – Pandemia impulsiona o uso da telessaúde para cuidados de saúde mental

A pandemia de Covid-19 aumentou a prestação de aconselhamento em saúde mental por meio de telessaúde, de acordo com uma nova pesquisa da Oregon Health & Science University. A análise retrospectiva foi publicada na edição de abril da revista Health Affairs.

“Nosso estudo sugere que os serviços de telessaúde para aconselhamento de saúde mental expandiram significativamente e provavelmente permanecerão”, comentou a principal autora, Jane Zhu, professora assistente de Medicina (Medicina Interna Geral e Geriatria) na OHSU School of Medicine. “As futuras aplicações da telessaúde mental devem realmente se concentrar na compreensão da população, do contexto e das condições de doença mais propícias a esse método”.

Zhu e coautores usaram uma câmara de compensação não governamental para analisar dados de 2016-18 e compará-los com o período do início da pandemia, de março a dezembro de 2020, vasculhando um total de 101,7 milhões de consultas ambulatoriais de saúde mental.

Eles descobriram que, no período inicial da pandemia, as visitas presenciais de saúde mental caíram inicialmente 21,9%, apesar do início de uma pandemia indutora de estresse. No entanto, as visitas de saúde mental se recuperaram prontamente, com quase metade delas, 47,9%, fazendo a transição para a telessaúde até o final do período do estudo, em dezembro de 2020.

Os pesquisadores detectaram diferenças no uso da telessaúde entre as condições clínicas. Por exemplo, as pessoas atendidas por esquizofrenia eram menos propensas a usar visitas pessoais, enquanto aquelas com transtornos relacionados à ansiedade e ao medo usavam a telessaúde em maior medida.

Os autores também citaram pesquisas adicionais que revelam que idosos, negros e hispânicos, pessoas que vivem sozinhas e pessoas com renda mais baixa parecem ter menos probabilidade de acessar aconselhamento de saúde mental on-line.

“A telemedicina é frequentemente mencionada como a próxima fronteira da prestação de cuidados de saúde”, destaca Zhu. “Contudo, as evidências em nosso artigo sugerem uma falta de aceitação entre alguns grupos que estão enfrentando barreiras à telessaúde”.

Os pacientes continuarão a fazer uso substancial da telessaúde nos próximos anos, esperam os pesquisadores. Segundo eles, o sistema é especialmente adequado aos serviços de saúde mental. Mesmo antes do Coronavírus, estudos anteriores levantaram o potencial de melhorar o acesso aos cuidados para os 119 milhões de americanos que vivem em áreas definidas como carentes de profissionais de saúde. Além disso, estudos mostraram uma alta satisfação entre os pacientes que não precisam necessariamente de um exame físico detalhado pessoalmente ou exames laboratoriais, muitas vezes necessários para atendimento médico ou cirúrgico.

Os autores concluem com uma advertência: “Embora a redução das barreiras regulatórias e de pagamento possa melhorar o acesso aos cuidados, o aumento da dependência da telessaúde pode exacerbar as disparidades existentes nos cuidados de saúde ou piorar os resultados dos cuidados para outras populações, principalmente se o acesso à internet de banda larga for limitado em algumas regiões ou indisponível para pessoas de baixa renda ou clinicamente populações vulneráveis”, escrevem. “Pesquisas futuras são necessárias para entender como as modalidades de telessaúde podem melhorar o acesso equitativo aos cuidados de saúde mental diante do aumento da demanda geral”.

Fonte: Trends in outpatient mental health services use before and during the COVID-19 pandemic, Health Affairs (2022). DOI: 10.1377/hlthaff.2021.01297

Rubens de Fraga Júnior é professor de Gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR) e é médico especialista em Geriatria e Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.