Artigo – Um simples teste de laboratório pode ajudar no reconhecimento precoce da Covid-19

205

Um teste laboratorial rápido, a contagem de eosinófilos, prontamente obtida a partir de um hemograma completo de rotina pode auxiliar no reconhecimento precoce da Covid-19 em pacientes, além de fornecer informações prognósticas, de acordo com uma nova pesquisa no revista da Associação Americana de Osteopatas.

O teste atual, que se baseia no diagnóstico de Covid-19 pelo PCR com swab nasofaríngeo, não é confiável devido ao tempo de resposta variável e a uma alta taxa de falso-negativos. “Descobrimos que a ausência de eosinófilos na apresentação clínica da Covid-19 pode ajudar no diagnóstico precoce e, em geral, uma contagem baixa persistente se correlaciona com um prognóstico ruim para o paciente”, disse Muhammad M. Zaman, especialista em doenças infecciosas afiliado a Coney Island Hospital, em Nova York. “A revisão da contagem de eosinófilos pode ser uma ferramenta útil para decidir se deve se isolar alguém imediatamente e iniciar terapias específicas enquanto aguarda os resultados dos testes confirmatórios”.

No estudo, a eosinopenia se correlacionou com o diagnóstico da Covid-19, e sua persistência se correlacionou com alta gravidade da doença e baixas taxas de recuperação. Baixa contagem de eosinófilos, ou eosinopenia, é definida como tendo <100 células / microlitro. Uma faixa saudável é tipicamente entre 100-400 células / microlitro.>

“Sabe-se que a tendência da contagem de eosinófilos se correlaciona com infecções virais, mas não sabíamos que a correlação era tão significativa no caso do Coronavírus”, diz o Dr. Zaman.

Os pesquisadores compararam os resultados de eosinófilos do hemograma de rotina dos primeiros 50 pacientes admitidos com Covid-19 positivo, com os resultados de eosinófilos de 50 pacientes com infecção confirmada por influenza no momento da apresentação no departamento de emergência do Hospital Coney Island.

Dos pacientes com coronavírus, 60% apresentaram zero eosinófilos na apresentação, em comparação com 16% dos pacientes com influenza. Outros 28% dos pacientes com Covid-19 apresentaram zero eosinófilos nas 48 horas após a internação, assim, 88% apresentaram zero eosinófilos durante a hospitalização.

“Na Covid-19, uma doença que apresenta substancial sobreposição de sintomas à influenza, a eosinopenia pode ajudar a distinguir quais pacientes provavelmente têm o coronavírus”, disse o Dr. Zaman.

Um total de 23 dos 50 pacientes do grupo Covid-19 (46%) faleceu. Dezoito de 21 (86%) pacientes falecidos no grupo Covid-19 que inicialmente apresentaram eosinopenia permaneceram eosinopênicos versus 13 de 26 (50%) sobreviventes que tiveram eosinopenia na apresentação.

“Como você pode ver pelos dados, as baixas contagens contínuas de eosinófilos apresentaram tendências de mortalidade”, disse o Dr. Zaman. “Pacientes cuja contagem de eosinófilos aumentou tendem a ter melhores resultados da doença”.

Rubens de Fraga Júnior é Especialista em geriatria e gerontologia. Professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

três × quatro =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.