Avanços na hotelaria hospitalar humanizam cuidado e promovem segurança ao paciente

790

No dia a dia do ambiente hospitalar, os serviços de hotelaria são fundamentais para um cuidado adequado e a plena segurança dos pacientes. Qualificar esse trabalho é uma exigência permanente para o setor de saúde — e os desafios para atingir esses avanços foram discutidos na 3ª Jornada de Hotelaria Hospitalar do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA). O evento aconteceu na sexta-feira (4), na Amrigs.

Reunindo especialistas de instituições de referência na saúde, a Jornada abordou diferentes aspectos sobre o tema, com a apresentação de cases e debates com troca de experiências. Na abertura do encontro, o presidente do Sindicato, Henri Siegert Chazan, destacou os reflexos trazidos pelas mudanças tecnológicas e como elas se refletem na atenção ao paciente. “Temos equipamentos cada vez mais modernos e inteligentes sendo incorporados aos hospitais. Esses avanços são importantes, mas precisamos sempre ter o foco no cuidado humanizado”, ressaltou.

Os desafios na terceirização de serviços deram início à programação do evento. Ana Thomas, chefe do Serviço de Higienização do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, abordou a experiência da instituição nessa questão, indicando o que deve ser observado na adoção desse serviço. “Qualidade e risco são indissociáveis na terceirização em saúde. É preciso analisar criteriosamente os riscos e as vantagens na hora da contratação”, afirmou.

No mesmo painel, Taísa Eslabão, representante da AST/RS, detalhou o case da higienização da cozinha do Hospital Moinhos de Vento. Ela expôs os passos tomados durante o processo, como treinamento dos profissionais, adequação à legislação e indicadores de avaliação.

Em seguida, a Jornada discutiu o empoderamento da equipe na hotelaria hospitalar. Márcio Assis, diretor de negócios hospitalares da Inservice Facility, de São Paulo, pontuou que os colaboradores devem estar capacitados para tomar decisões. “Incentivamos o time a trabalhar com responsabilidade, autonomia, compromisso e, principalmente, amor pelo que se faz”, disse.

Ana Cláudia Chelucci, gerente de desenvolvimento humano e organizacional da empresa, salientou a relevância de investir nas competências e habilidades dos terceirizados. “Assim, eles se percebem também responsáveis pelo sucesso daquele atendimento no hospital, daquela cirurgia”, apontou.

Prevenção de germes multirresistentes

A validação da limpeza em áreas críticas foi o destaque do painel seguinte, com foco na prevenção de germes multirresistentes. “Quando sabemos os principais locais onde esses germes estão localizados, conseguimos capacitar e orientar as equipes a fazer a higienização adequada”, salientou Darlan da Rosa, enfermeiro do serviço de controle de infecção hospitalar do Instituto de Cardiologia.

Romy Ungrad, analista de hotelaria do Hospital Moinhos de Vento, apresentou como o uso do luminol tem contribuído na desinfecção das superfícies. “É uma ferramenta de baixo custo, fácil utilização e feedback imediato”, disse.

Taís Anelo, da Diretoria Geral de Vigilância em Saúde de Porto Alegre, alertou que a resistência microbiana é um problema de magnitude global. “Essas infecções aumentam o tempo de internação, a mortalidade e os custos da assistência. As rotinas de higienização são indispensáveis nessa questão”, afirmou. Na sequência, os especialistas participaram de um debate mediado por Elisabete Reinehr, representante da Associação dos Profissionais de Higienização e Lavanderia (APHILAV).

Compartilhando experiências

Na sequência, a programação contou com a palestra de Fabiana Vasques, enfermeira epidemiologista do Hospital 9 de Julho (SP), que tratou sobre a desinfecção de ambientes de saúde. As inovações e tecnologias no enfrentamento da superlotação hospitalar foram pauta do painel seguinte, com a presença de Alexandra Kruel e Elisabeth Storck Duarte – respectivamente do Núcleo Interno de Regulação e da Unidade de Internação do Hospital Nossa Senhora da Conceição.

O psicopedagogo Sérgio Dório de Carvalho e a técnica pedagoga Mayara Argenti Bittencourt mostraram como o acompanhamento pedagógico e a recreação terapêutica contribuíram na humanização do atendimento do Hospital da Criança Conceição. Em seguida, a coordenadora de hospedagem do Hospital Moinhos de Vento, Liane Piccoli, falou sobre a gestão de enxoval. E fechando a jornada, a coordenadora de farmácia do Hospital Mãe de Deus, Gabrielli Guglielmi, palestrou sobre o alinhamento do propósito de vida no trabalho.

Deixe seu comentário