Cremesp interdita Hospital e Maternidade 8 de Maio

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) interditou, na madrugada desta 25 de junho, o Hospital e Maternidade 8 de Maio, após encontrar diversas irregularidades durante fiscalizações, iniciadas em 23 de abril, que comprometem o trabalho dos profissionais e colocam em xeque o atendimento aos pacientes.

Já na primeira vistoria, fiscais do Conselho identificaram que o hospital não possui alvará da Vigilância Sanitária e que, apesar do nome, não dispõe de maternidade, UTI pediátrica e UTI Neonatal desde 2018. Também observaram que o pronto socorro conta com apenas dois médicos por turno, que são os mesmos que passam visita e atendem intercorrências na enfermaria, sobrecarregando, assim, o trabalho dos profissionais e a assistência ao paciente.

A fiscalização encontrou, também, um plantonista que estava utilizando indevidamente os dados e CRM de outro médico, conforme noticiou o Cremesp em 2 de junho (www.cremesp.org.br/?siteAcao=NoticiasC&id=5843).

Entre as não conformidades identificadas estão:

  • Ausência de registro de especialidade no Cremesp em 54,5% dos médicos apresentados como especialistas, como o próprio coordenador da UTI Covid-19, que não está registrado como intensivista e não possui nenhuma certificação neste sentido;
  • Escalas de plantões com apenas um profissional em trabalho contínuo por período superior a 24 horas;
  • Médico generalista, formado em 2020, responsável pelo plantão pediátrico;
  • Fluxo de atendimento misturando pacientes com Covid-19 e outros sem queixas de sintomas respiratórios.

O Cremesp também teve acesso a inúmeras reclamações, por parte de pacientes, demonstrando a precariedade da assistência médica do local, como, por exemplo:

  • Atraso de atendimento;
  • Falta de seguimento médico por nefrologista;
  • Falta de respeito e informação na liberação de exame de Covid-19;
  • Falta de profissionalismo e descaso com paciente;
  • Falta de atestado médico por Covid-19;
  • Falta de médico;
  • Falta de respeito de enfermeiro;
  • Falta de local de espera para os acompanhantes;
  • Péssimo atendimento e diagnóstico errado em relação a Covid-19;
  • Desorganização, descaso com o cliente paciente, descaso com idosos e demora no atendimento;
  • Reclamação de atendimento e mau trato pela médica assistente.

As investigações iniciadas pelo Conselho para apurar este caso tramitam sob sigilo determinado por Lei.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.