Encontro aborda as três perguntas que podem salvar uma paciente com câncer de mama

52

O câncer de mama é o mais frequente entre as mulheres. Levantamento da Sociedade Brasileira de Mastologia mostrou que, ao longo da vida, uma em cada 12 brasileiras será diagnosticada com o tumor. No entanto, se o diagnóstico for precoce, as chances de cura são de 95%.

A chefe do Serviço de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS), Maira Caleffi, ressalta que para que tumores sejam diagnosticados precocemente, as mulheres precisam lembrar de fazer regularmente três perguntas que podem salvar vidas. “Você tem observado suas mamas? Você já marcou seus exames anuais? Você conhece seus fatores de riscos? Tem que ser perguntar, perguntar para a mãe, as irmãs, familiares, amigas, colegas. Juntas podemos vencer essa doença. Não podemos perder tempo”, alerta a mastologista.

Com o tema “Câncer de Mama: três perguntas que salvam”, o próximo Encontro Juntos acontece na quinta-feira (29). O evento online reunirá Maira, que também é presidente voluntária da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) e do Instituto da Mama do RS, e líder do Comitê Executivo do City Cancer Challenge Porto Alegre, o médico radiologista especialista em imagem mamária e intervencionista do Hospital Moinhos de Vento, Dakir Duarte Filho, e o médico geneticista da instituição, Osvaldo Artigalas. Em debate, a prevenção, o diagnóstico e os tratamentos disponíveis. A jornalista Rosane Marchetti, uma vitoriosa contra a doença, participa como convidada.

O evento começa às 15h, com transmissão ao vivo pelo canal da instituição no YouTube. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no site do hospital.

Encontro Juntos

O evento mensal reúne pacientes com câncer, familiares e interessados. O objetivo é proporcionar um espaço de trocas de experiências e orientações sobre temas específicos. Inicialmente, sua proposta era de criar um grupo voltado a mulheres com câncer de mama. Dois anos após o lançamento, mudou sua abordagem e passou a contemplar todas as especialidades oncológicas e ambos os sexos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.