Hospital Angelina Caron realiza o maior volume de transplante de pâncreas no Brasil

O Hospital Angelina Caron, de Campina Grande do Sul, na Grande Curitiba (PR), registra o maior volume em transplante de pâncreas no Brasil. De acordo com dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o hospital paranaense realizou uma média de 1,78 transplantes de pâncreas por milhão de pessoas no estado, entre janeiro e dezembro de 2017. Em seguida, Santa Catarina tem 1,74 e São Paulo 1,21. A média nacional é 0,3.

O coordenador da Central de Transplantes do Angelina Caron, João Eduardo Nicoluzzi, explica que a maioria desses transplantes é duplo, ou seja, de pâncreas e rim. “O transplante de pâncreas é um procedimento complexo, realizado em um paciente com múltiplas variáveis médicas, o que o torna ímpar se comparado a qualquer outro transplante. Apesar da alta complexidade, esse tipo de cirurgia tem obtido cada vez mais resultados positivos e a sobrevida dos pacientes tem sido superior a 90%”, explica o médico.

Indicação

O transplante de pâncreas é indicado, principalmente, para pacientes diabéticos (diabéticos tipo 1, na maioria das vezes) que necessitem de transplante renal, ou que já tenham sido submetidos a esse transplante. A recuperação do transplante de pâncreas geralmente é lenta, e exige no mínimo três meses de cuidados. “Nesse período o paciente não deve levantar peso ou fazer atividade física. Seguir corretamente as orientações do cirurgião são fundamentais para o sucesso do transplante”.

O Hospital Angelina Caron é referência nacional em transplantes de órgãos. “A maior dificuldade hoje para a realização de um transplante é a carência de doadores. A grande maioria dos procedimentos é realizada com órgãos provenientes de doadores falecidos. No caso do pâncreas, ele é retirado juntamente com o baço e o segmento de duodeno”.

O médico faz um alerta a quem deseja ser doador: “Se você deseja doar os órgãos, avise a sua família sobre essa vontade, pois ela é quem poderá autorizar o procedimento. Não precisa documentar nada, apenas deixar a família ciente”.

De maneira geral, a indicação do TP pode ser distribuída em três categorias:

•        Transplante simultâneo de pâncreas e rim: indicado para portadores de diabetes (DM) tipo 1 com insuficiência renal crônica, em diálise ou fase pré-diálise, desde que a depuração de creatinina seja inferior a 20 mL/minuto/1,73 m2 de superfície corporal;

•        Transplante de pâncreas após transplante de rim: indicado para portadores de DM tipo 1 já submetidos a transplante renal e com função estável do enxerto renal (creatinina sérica < 2,0 mg/dL);

•        Transplante isolado de pâncreas: indicado para portadores de DM tipo 1 de forma hiperlábil, devidamente documentado por endocrinologista e caracterizado por frequentes crises de cetoacidose e principalmente hipoglicemias assintomáticas, gerando perda de autonomia e dependência de terceiros e geralmente acompanhado de complicações secundárias como retinopatia, neuropatia, nefropatia incipiente ou doença cardiovascular progressiva.

3 COMENTÁRIOS

  1. Olá moro em Brasília e sou DM a 26 anos e tenho crises de hipoglicemia severas, caio no meio da.rua se.estiver no ônibus paro no ponto fina,enfim ñ tenho sintomas da hipoglicemia. O que fazer para conseguir o transplante de pancreas?

    • Boa noite, Magda! Somos um canal de notícias. Para esclarecer suas dúvidas sugerimos que procure um hospital ou a orientação de um profissional de saúde. Estimamos melhoras!

  2. Por favor sou mãe de uma menina de 17 anos em que a diabetes está acabando com ele esse ano foram três vezes na UTI estamos desesperados a diabetes é incontrolável 577 a última vez e normalmente 250 tenho esperança de um transplante para minha filha ter uma vida normal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.