“Médicos pelo ar limpo” marca início da COP-26

Novas diretrizes globais da Organização Mundial de Saúde (OMS) em relação à qualidade do ar refletem a preocupação sobre a questão do desequilíbrio climático e dados atmosféricos. Foram revisados os parâmetros para o estabelecimento de limites de emissões de poluentes, tendo em vista os prejuízos e alto impacto à saúde. Atualmente, o ar tóxico é responsável por 10% das mortes anuais em todo o planeta.

A má qualidade do ar e a mudança do clima, juntas, foram elencadas como principais prioridades em saúde da OMS recentemente, pouco antes do início do enfrentamento à pandemia de Covid-19 que, a partir de então, vem mobilizando todos os esforços. Agora, com a tendência de redução da pandemia, a poluição volta a ser o primeiro perigo ambiental à saúde humana.

Lamentavelmente, o Brasil vive um atraso, e mesmo um retrocesso, em suas políticas e metas de redução de emissões. Na pauta da crise climática, o país atualmente ocupa o sexto lugar entre os maiores emissores de gases de efeito estufa (GEE) do mundo. Mesmo assim, apresentou metas nada ambiciosas perante o Acordo de Paris durante as atualizações da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) publicadas ao fim de 2020.

No que diz respeito à qualidade do ar, as normas brasileiras estão defasadas e a implementação é falha. O país não conta com uma rede adequada de monitoramento da qualidade do ar e consequentemente não emite informativos à população.

Neste cenário, a classe médica brasileira, representada por suas associações, sociedades de especialidade e lideranças, deflagra o projeto ‘Médicos Pelo Ar Limpo’ na semana prévia de início da COP-26, para promover a integração entre as áreas da saúde e ambiental com foco na maior conscientização para o problema. O lançamento oficial ocorre na terça-feira (26), às 10h30, em solenidade on-line transmitida no canal do Instituto Saúde e Sustentabilidade no YouTube.

São embaixadores da causa Paulo Saldiva, médico referência mundial no tema e membro do grupo de qualidade do ar na OMS, César Eduardo Fernandes, presidente da Associação Médica Brasileira, e Evangelina Vormittag, diretora executiva do Instituto Saúde e Sustentabilidade e referência no tema no Brasil.

Para o biênio 2021 e 2022, já há um calendário definido de ações, capacitações, campanhas e eventos junto à profissionais de saúde, à sociedade civil e à parceiros internacionais.

Programação

Abertura

Dra. Evangelina Vormittag

Patologista Clínica e Diretora Executiva do Instituto Saúde e Sustentabilidade

Palestra

Dr. Paulo Saldiva

Patologista, Prof. Dr. da Faculdade de Medicina da USP e membro da Organização Mundial de Saúde

Convidados

Dr. José Eduardo Lutaif Dolci – Otorrinolaringologista, Prof. Dr. da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Diretor Científico da Associação Médica Brasileira

Dr. Jorge Carlos Machado Curi – Gastroenterologista, cirurgião, Diretor de Responsabilidade Social da Associação Paulista de Medicina

Dr. Carlos Augusto Mello da Silva – Presidente do Departamento Científico de Toxicologia e Saúde Ambiental da Sociedade Brasileira de Pediatria

Transmissão ao vivo:

1 COMENTÁRIO

  1. Poluição mata milhões so de humanos, mas pense bem, poluição só trouxe desenvolvimentos e consequentemente conforto p bilhões de humanos, o mal da poluição, esta tornando os humanos em uma praga na terra, a questão e matemática, maior população, maior consumo, menor poluição, maior gastos, menos benefícios para a maioria, colocar o dedo na ferida, 10 bilhões, agora imagine com 1 a 1,5 bilhões de humanos, vai ter espaço para os outros seres na terra, poluição seria insignificante, mas estamos caminhando para nossa auto destruição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.